Nordestino, Anderson Dias, 27, é o primeiro brasileiro a dar a volta ao mundo
Reprodução/Instagram/@196sonhos
Nordestino, Anderson Dias, 27, é o primeiro brasileiro a dar a volta ao mundo

Anderson Dias tem apenas 27 anos e já realizou uma façanha que está na lista de desejo de todos os seres humanos: visitar todos os países. O digital influencer de Caruaru, em Pernambuco, dono do perfil @196sonhos , é um típico "cabra arretado" que, quando decide que quer alguma coisa, não desiste até conseguir.

Dono de dois títulos recordistas, ele é o primeiro brasileiro a dar a volta ao mundo e pessoa a fazer essa viagem em menos tempo, de acordo com o Guinness World Records.  O nordestino deu início ao sonho de conhecer os  196 países do mundo sem ter dinheiro suficiente para finalizar a  viagem e, depois de passar por muitas dificuldades financeiras em seu estado onde morava.

Baiano de nascença, Anderson foi morar em Caruaru, no agreste pernambucano, aos cinco anos de idade. De origem pobre, desde a infância já trabalhava, costurava para vender e ajudar no sustento da família. Aos 10 anos, trabalhou na Feira da Sulanca, espécie de atacado com centenas de pequenos comércios.

Aos 17, foi morar na capital, o Recife, para estudar turismo na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e logo desistiu do curso e começou outro, economia, que também não concluiu. Paralelamente aos estudos, o jovem passou a vender acessórios de celular para se manter na capital pernambucana e foi com esse trabalho que ele deu início às suas viagens.

“Quando saí de Caruaru para Recife, vendi capinha de celular nos ônibus para sobreviver. Foi vendendo capinha que consegui juntar uma grana para fazer um intercâmbio. Em três meses, consegui 30 mil reais”.

Para realizar tal façanha, Anderson chegou a trabalhar 16 horas por dia. Com o dinheiro, ele passou seis meses na Irlanda.

Anderson na Times Square, na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos
Reprodução/Instagram/@196sonhos
Anderson na Times Square, na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos

“Quando eu voltei para o Brasil, não consegui emprego, então tive que empreender. Abri uma loja de capinha de celular e comecei a me dar bem, a ganhar uma boa grana, mas eu não estava feliz. Eu tinha me apaixonado por viajar e tinha entendido que não nasci para ficar preso a um negócio ou para criar raízes. Então pensei: ‘caramba, preciso fazer alguma coisa diferente, algo que ninguém fez”, relembra Anderson.

Durante uma pesquisa no Google, ele encontrou a história de Cassandra De Pecol, norte-americana que deu a volta ao mundo em 558 dias e teve a ideia de superar a conquista.

Você viu?

Foto que Anderson postou ao completar a volta ao mundo:
Reprodução/Instagram/@196sonhos
Foto que Anderson postou ao completar a volta ao mundo: "Acabou! Ninguém tira mais! Brasil você tem um filho recordista mundial!", disse.



“Pensei: ‘tá aí, por que não, visitar todos os países do mundo e tentar quebrar esse recorde?’. Vendi minha empresa e o meu carro. Juntei 130 mil reais e, apesar de estimar que a viagem custaria meio milhão, comecei a viagem”, conta Anderson, ao lembrar que tinha apenas o dinheiro necessário para começar, mas não para finalizar a aventura. “Fui somente com a cara e a coragem”, diz.

Durante a viagem, o recorde foi batido por outra norte americana, Taylor Demobreum, que viajou o mundo em 553 dias, dificultando ainda mais o objetivo do aventureiro.

Anderson Dias começou a jornada no dia 27 de maio de 2018, saindo do Aeroporto dos Guararapes, no Recife, e seguindo pela América do Sul. Em seguida foi para América Central, do  Norte e Europa, sempre compartilhando suas aventuras, situações inusitadas e realizações no seu perfil do Instagram. No dia 24 de novembro de 2019 finalizou sua visita aos 196 países do mundo, batendo o novo recorde para esse trajeto: 543 dias.

Entre as várias histórias que hoje coleciona, ao chegar à França, o digital influencer, que é muito fã do cantor Wesley Safadão , viu que seu ídolo estava no país e entrou em contato pelas redes sociais, para tentar ir ao hotel fazer uma foto. Como resposta, recebeu um convite da equipe do cantor para ir a uma grande festa onde ele estaria se apresentando: o aniversário do Neymar .

Quase como penetra, o influenciador contou tudo no story do Instagram e não perdeu a chance de fazer fotos com grandes craques do futebol internacional, que estavam entre os convidados da festa. E, claro, com o Wesley Safadão também (abaixo).

Estava em Paris e falei com o assessor de Wesley, Tom Santos. Ele foi muito simpático, disse que eu poderia passar no hotel e tirar uma foto. Depois ele me perguntou: ‘vem cá, tu estás onde?’ e perguntou se eu queria ir para festa do Neymar. Disse que eu vestisse uma roupa vermelha que ele me colocava para dentro. Na hora eu pensei que era pegadinha, que iam fazer um vídeo meu, mas fui. Como não tinha roupa vermelha, coloquei uma toalha de mesa como se fosse um cachecol e fui. E né que eu entrei?!”, contou Anderson em entrevista ao Globo Esporte .

O viajante revelou que viu muitos artistas na festa, contudo não conhecia ninguém. “Sabia quem era Safadão e os jogadores. De resto, ninguém. Fiquei lá ‘na minha’, observando. Tinha umas bebidas que nunca vi, fui na cerveja, porque não tem erro. Ninguém me conhecia, e todo mundo me tratou bem. Isso me surpreendeu”, disse.

Depois da festa e da França, Anderson continuou com o seu sonho de viajar o mundo. Ele conta que passou por algumas dificuldades, principalmente no começo, quando não tinha dinheiro suficiente para fazer todo o caminho.

“Por não ter dinheiro suficiente, eu ficava em lugares horríveis, em hotéis ruins, com ratos e baratas. Cheguei a dormir na rua em Barcelona  porque não tinha grana para pagar o hotel. Além disso, eu não sabia falar inglês e nem espanhol. Aprendi viajando”, afirma. Ao finalizar a volta ao mundo, Anderson falava cinco idiomas: português, inglês, espanhol, francês e russo.

O influenciador diz que a melhor forma que encontrou para superar as dificuldades da viagem foi sempre encarar tudo com muita leveza, nunca reclamar dos problemas. “Superei as dificuldades com o sorriso. Toda vez que tinha algum problema eu sempre tentava levar no bom humor, não me estressar, para poder resolver bem a situação. Nunca ficava pensando no problema e sim na solução. Esse era o a grande segredo”, afirma Anderson.

Sempre publicando nas redes sociais, logo Anderson passou a fazer sucesso com sua aventura. Somente no Instagram, ele já passa de 1 milhão de seguidores. Suas histórias e publicações renderam muitas curtidas e comentários, algo que usou para conseguir fazer permutas para seguir viajando. No início, ele topava de tudo publi [trabalho em que faz propaganda de produtos nas redes sociais] em troca de dinheiro, hospedagem, comida. “Qualquer coisa que viesse eu aceitava. Foi assim que fui ‘chegando’”, contou.

Com propaganda na internet, Anderson chegou a faturar R$ 40 mil por mês. “Gastava uns R$ 30 mil e mandava o resto para meus pais”, disse Anderson em uma entrevista a um jornal local de Recife.



Contudo a jornada também teve momentos negativos: entre os “perrengues” que passou ele destaca como principal um assalto do qual foi vítima na Guiana Inglesa , o 11º país que visitou. “Três caras me assaltaram e me bateram até que desmaiei. Me deram um mata-leão [golpe de luta] que quase morri. Eu perdi meu celular, meu dinheiro, a sorte foi que o passaporte estava no hotel. Por pouco eu não passei ‘dessa para outra’”, lembra. Mesmo assim, em nenhum momento, Anderson pensou em desistir do seu sonho, que logo deu continuidade.

O melhor lugar


Para ele, definir qual país gostou mais na viagem não é possível, cita apenas alguns lugares que mais marcaram. “Tiveram vários lugares que eu gostei bastante: Afeganistão, República Tcheca, Japão, Irã, não dá para escolher o favorito”.

Hoje, com recordes batidos, Anderson continua viajando pelo mundo, publicando no Instagram e no YouTube suas novas aventuras, sempre com humor e leveza e continua a trabalhar com publicidade nas redes sociais, em troca da possibilidade de fazer seus conteúdos de qualidade para apresentar o mundo para seus seguidores.

“É a forma que eu trabalho. Um pouco de humor e um pouco de conteúdo inteligente. Acho que isso é o grande segredo. A televisão vem perdendo bastante espaço e os outros canais vêm ganhando como fontes de informação. Posso fazer as pessoas viajarem sem sair de casa. Muita gente que me segue é de classe baixa e talvez nunca fosse conhecer certo país, mas tem conhecido pelo Instagram ou pelo Youtube."

“Eu ganho dinheiro para poder viajar enquanto as pessoas trabalham para ganhar e gastar viajando. Realmente é um privilégio, sou muito grato a todo mundo que me acompanha”, finaliza.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários