Tamanho do texto

As mudanças climáticas irão afetar o turismo nos próximos anos; é melhor se apressar para completar a sua lista de desejos de viagens

A discussão em torno do esgotamento de recursos naturais tem crescido nos últimos tempos. Alguns especialistas acreditam que os estragos feitos pelos seres humanos na natureza são irreversíveis, e essas consequências chegaram ao turismo.

Leia também: Expectativa x realidade: 11 atrações turísticas famosas, mas decepcionantes

Com o aquecimento global, o nível do mar subiu e algumas cidades e países correm o risco de serem alagadas e sumirem do mapa. Além disso, alguns  pontos turísticos pelo mundo podem desaparecer por efeitos da erosão e da poluição.

Para alertar sobre os perigos das mudanças climáticas, o iG Turismo separou uma lista de destinos turísticos que podem desaparecer daqui alguns anos como consequência das ações dos seres humanos. Se você pensa em visitar um deles, é melhor apresar a viagem.

1. Parque Nacional Glacier, Argentina

glaciais na argentina arrow-options
Divulgação
Os glaciais na Patagônia estão ameaçados de desaparecer com o aumento da temperatura da terra

Um dos pontos turísticos mais afetado pelo aquecimento global é o Parque Nacional dos Glaciais , na Argentina. Localizado na região da Patagônia, o parque foi instituído pelo governo em 1937 com, até então, 726.927 hectares. O local também é lar de vários animais como o condor, o huemul (cervo andino), o guanaco, o nandu-de-darwin, o culpeo e o touro selvagem.

Segundo um relatório da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), até 2100 metade dos glaciais de todo o mundo terão desaparecido, entre eles o Parque Nacional na Argentina.

Para visitar a região, o turista pode adquirir um passe promocional de dois dias pelo valor de 800 pesos argentinos (R$ 55,54*). Tendo preços mais em conta para crianças de 6 a 12 anos (200 pesos argentinos - R$ 13,88), estudantes e universitários argentinos (80 pesos - R$ 5,55) e crianças de 0 a 5 anos tem entrada gratuita.

2.    Veneza, Itália

veneza arrow-options
shutterstock
A capital romântica da Europa pode "afundar"

Veneza é um dos locais mais visitados na Itália. Cercada pelas águas do Mar Adriático, a cidade é outro destino que pode desaparecer com o aumento do nível das águas.

Segundo um relatório do governo da Itália para o desenvolvimento sustentável (ENEA), publicado em fevereiro de 2019, Veneza pode desaparecer até o ano de 2100. O estudo ainda revelou que o nível do mar ao longo do litoral italiano deve subir entre 94 centímetros e 1.035 metros somente neste século.

Leia também: Veneza cobrará nova taxa de turismo a partir de 2020; entenda

Para você que ainda sonha em visitar a capital romântica da Europa, alguns dos passeios para fazer na cidade são: ir à Basílica e praça de São Marcos, percorrer o Grande Canal de Veneza e a Ponte de Rialto.

3. Taj Mahal, Índia

taj mahal arrow-options
shutterstock
Sofrendo com a poluição, o Taj Mahal está correndo o risco de ser demolido pelo governo indiano

Fora da rota de pontos turísticos que poderão desaparecer por causa das águas está o  Taj Mahal. Esse que é um dos principais símbolos da Índia poderá sumir por conta do desgaste do tempo.

Especialistas apontam que a poluição do ar e a sujeira de insetos está desgastando as estruturas do prédio e deixando o mármore branco, amarelado. Construído há quase 400 anos, o templo ocupa uma área de 17 hectares e autoridades indianas já recorreram à Unesco para restaurar a construção.

Para visitar o monumento, o turista terá que ter paciência. O ingresso para o Taj Mahal custa 1.000 rúpias (R$ 57,55) e, logo na entrada os turistas recebem protetores de calçados para não danificar o mármore. Para tirar uma foto em frente ao monumento você terá que se acotovelar com milhares de outros viajantes que também querem garantir a selfie perfeita.

4. Grande Muralha da China

muralha da china arrow-options
shutterstock
Grande Muralha da China é depredada por visitantes

Assim como o Taj Mahal, a Grande Muralha da China está condenada a desaparecer por conta do desgaste temporal. Construída há dois milênios, a muralha sofre com a erosão dos ventos e também com pessoas que roubam seus tijolos para vender ilegalmente. Construída com 21 km de extensão, a edificação tem agora um terço do tamanho que já teve.

Leia também: Veja o que fazer na China na sua próxima viagem

Pela extensão do ponto turístico, apenas algumas áreas são abertas a visitação. Saindo de Pequim, capital da China, os viajantes podem chegar até a Muralha de trem numa viagem de 1h30; de ônibus numa viagem de 3h ou mesclar metrô e ônibus. Todas as quatro entradas na Grande Muralha da China custam 45 yuans (R$ 25,91).

5. Mar Morto, Israel e Jordânia

mar morto arrow-options
shutterstock
O mar morto, entre Israel e Jordânia, pode desaparecer pelo uso insustentável das águas

O Mar Morto , entre Israel e Jordânia, pode desaparecer do mapa devido a diminuição do nível de suas águas. A maior causa da degradação do mar é o consumo insustentável dos países ao redor. Não há uma previsão de quando a água do Mar Morto desaparecerá.

Para quem quer boiar nas águas salgadas do mar, é possível visitá-lo tanto pelo lado de Israel como pelo lado da Jordânia. Viajantes experientes, no entanto, recomendam a viagem pelo lado de Israel que é mais barato.

Os governos não cobram entrada para nadar no mar, mas para chegar até lá a locomoção é melhor de transporte público, algo que não existe na capital da Jordânia.

6. Ilhas Maldivas

maldivas arrow-options
shutterstock
Maldivas pode desaparecer nos próximos anos

O sonho de consumo de muita gente é viajar pra as Ilhas Maldivas . Destino de vários famosos, o território no Oceano Índico corre o risco de desaparecer por causa do aumento do nível do mar. Especialistas acreditam, inclusive, que o conjunto de 1.196 ilhas será o primeiro a desaparecer devido às mudanças climáticas.

Para quem ainda quer realizar o sonho, a viagem precisa ser feita logo. Em projeção feita no site Google Flights , passagens de ida e volta para Malé, uma das ilhotas das Maldivas, saindo de São Paulo, custaria R$ 6.394. Já como destino a Ilha de Gan, o gasto seria de R$ 17.039.

As principais atrações das ilhas são: fazer snorkel ao redor de um naufrágio, observar a bioluminescência, se hospedar num bangalô, surfar e ver o pôr do sol, além de desfrutar das praias e belezas naturais.

7. Ilhas Kiribati

kiribati arrow-options
Reprodução/Instagram
Gunnar, em Kiribati, pode ser inundada pelo mar

Kiribati é uma junção de 32 pequenos atóis no Oceano Pacífico que pode desaparecer até 2030. O problema é tão sério (e real) que o presidente Taneti Mamau recebeu a oferta de um território em Fiji para transportar os 113 mil habitantes da micro-região.

Os turistas que visitarem Kiribati encontrarão praias paradisíacas com areia branca e águas cristalinas. O caminho é bem longo. Do Brasil é preciso ir até Brisbane, na Austrália, e seguir de avião até as ilhotas. Também há acesso por Fiji ou ilhas próximas.

8. Madagascar, África

madagascar arrow-options
Divulgação
Os baobás gigantes são cartão postal de Madagascar

Plano de fundo para a animação “Madagascar”, de 2005, o país insular próximo da costa sudeste da África pode ver seus maiores símbolos desaparecerem. Os baobás, árvores gigantes que tem um tronco grosso e pequenas folhagens, estão desaparecendo por conta da exploração de madeira da região.

Leia também: Conheça os encantos naturais da ilha de Madagascar

Os lêmures, um dos personagens retratados no filme, também estão ameaçados de extinção em Madagascar pela caça. Ambos são 'cartões postais' do país e podem provocar sérios danos turísticos com seu desaparecimento.

Além de apreciar os dois símbolos, os viajantes que estiverem em Madagascar poderão visitar parques e reservas naturais, construções antigas e desfrutar de belas praias.

9. Longyearbyen, Noruega

Longyearbyen arrow-options
shutterstock
Longyearbyen é uma cidade ao norte da Noruega que está "derretendo" por causa do aquecimento global

Longyearbyen , na Noruega, está sofrendo com o degelo. Tendo o mesmo problema do Alasca, a cidade de 2 mil habitantes está vendo suas rochas e terras descongelarem e coisas que deveriam estar escondidas estão “subindo”, como caixões que estão aparecendo na região.

O degelo também causa deslizamentos de terra e avalanches, o que é perigoso para as casas construídas aos pés da montanha. Segundo um estudo do Centro de Serviços Climáticos da Noruega, a temperatura média anual da cidade já subiu 4ºC desde a década de 1970.

Os brasileiros que tem vontade de visitar a cidade mais ao norte da Noruega terão um longo caminho para percorrer. Não existem voos diretos do Brasil para o país nórdico, todos têm pelo menos uma escala e a média de valores é de R$ 4.000.

Em Longyearbyen as melhores opções de hospedagem estão em Svalbard, a capital. Os melhores meses para a viagem são entre junho e agosto e é recomendável que as reservas sejam feitas antecipadamente pela internet.

10. Big Sur, Estados Unidos

big sur arrow-options
shutterstock
Big Sur é conhecida pela observação de baleias, porém é um dos pontos turísticos que perderá sua atração principal

Diferente dos outros pontos turísticos, a praia de Big Sur não irá desaparecer, mas seu principal atrativo, sim. Famoso pelo aparecimento de baleias, o local tem sofrido com secas e incêndios florestais e isso está impactando na presença dos mamíferos aquáticos.

Leia também: 10 coisas para fazer na Califórnia durante o inverno

A região fica na Califórnia, e tem 145 km de extensão entre o Rio Carmel e o Riacho San Carpoforo. Por lá os turistas podem visitar reservas naturais e praias paradisíacas, além de parques.

*preços pesquisados em 21 de outubro de 2019