Tamanho do texto

A capital chilena conta com atrações culturais, locais históricos e vinícolas

Se você está cansado de fazer viagens rápidas para os mesmos lugares, saiba que dá para variar e passar alguns dias em outro país. O Chile, por exemplo, é um país próximo que mistura atrações interessantes como locais históricos, vinícolas, estações de esqui e praias. São muitas as opções de passeios e a cidade que concentra a maioria dessas atrações e costuma agradar os turistas é a capital, basta saber o que fazer em Santiago para curtir ao máximo.

Leia também: Conheça Pucón, no Chile, a cidade com cachoeiras, águas termais e vulcões

undefined
Wikimedia Commons
Santiago é a cidade do Chile que mais atrai turistas e não é para menos, já que o destino conta com várias atrações. Veja o que fazer em Santiago em um roteiro de três dias de viagem pela cidade


O diretor do buscador de viagem Momondo na América Latina, Alexandre Massei, diz que Santiago pode ser considerada a cidade mais “europeia” da região latino-americana por possuir construções antigas e modernas, além de ser porta de entrada para visitar as famosas vinículas chilenas, o deserto do Atacama e a Patagônia Chilena. A lista de o que fazer em Santiago é longa.

Além das atrações, o destino é indicado para quem quer fugir do calor e aproveitar em diferentes temperaturas. “O clima do Chile varia muito em função da região e por conta de ser um país estreito. Vai do clima seco com o deserto do Atacama no norte do país, a um clima mediterrâneo no centro, até um clima alpino propenso a neve nas montanhas perto de Santiago.”

Para curtir ao máximo, vale ficar atento a algumas datas. “Em meados de setembro, os chilenos têm as festas pátrias, então muitas pessoas viajam para os destinos que consideram mais importantes do país. Fora isso, eles não tem carnaval e levam muito a sério a sexta-feira Santa, por isso, muitos comércios fecham nessa época”, alerta Alexandre.

Segundo o especialista, é possível conhecer bem a cidade de três a cinco dias, além de ser possível visitar áreas próximas como a região praiana Viña del Mar e as vinícolas. Quer saber o que mais você pode fazer durante a viagem? Então confira um roteiro de três dias:

O que fazer em Santiago - dia #1: explore o centro

undefined
Divulgação/momondo
O que fazer em Santiago: ao subir o morro Cerro San Cristóbal é possível admirar uma ampla vista da cidade


A dica é tirar o primeiro dia para bater perna em dia intenso de passeios. A melhor forma de conhecer as diversas atrações do centro da cidade e aproveitar o que fazer em Santiago é caminhando para ver de perto museus, morros, edifícios históricos e também prédios modernos. O ponto de partida pode ser o bairro Bellavista, mais especificamente no Cerro San Cristóbal.

Esse local é conhecido por ser um dos morros mais altos da cidade, possui 880 metros de altitude e oferece uma bela vista panorâmica da região. Para subir o Cerro San Cristóbal, é necessário pegar o trenzinho funicular que a partir das 10h da manhã sobe a cada 30 minutos. No topo do morro, fica outra atração: o Santuário de La Inmaculada Concepción, que vale a visitação.

Uma dica dada por Alexandre é que durante a subida o turista pode fazer uma parada na estação intermediária e conhecer o simpático Zoológico de Santiago. Perto da estação do trenzinho fica outra atração: o Museu La Chascona. O local foi a casa do poeta Pablo Neruda e dá para fazer uma visita guiada em espanhol ou inglês e, durante o passeio, o visitante pode conhecer os ambientes dessa casa que o poeta construiu para sua amante, Matilde.

Quem é fã de arte também pode aproveitar para conhecer outros dois museus da cidade. O Museu Nacional de Bellas Artes está entre os mais antigos da América Latina e possui um cervo de mais de 3 mil itens, que vão de pinturas a esculturas de artistas chilenos e europeus. O Museu de Arte Contemporânea também guarda um grande acervo de obras de artistas renomados.

Depois de conhecer todas essas atrações é hora de dar uma pausa para o almoço. A indicação é comer no tradicional Mercado Central, que foi inaugurado em 1872. Bom, mas se prepare porque o ambiente pode parecer caótico com diversas peixarias, barracas de frutas e lojas de artesanato. Devido ao intenso comércio, o local é agitado, barulhento, mas bem autêntico e cheio de restaurantes com comidas típicas.

undefined
Divulgação/momondo
A Plaza de Armas é o marco zero da cidade, conta com locais histórias e faz parte do roteiro de o que fazer em Santiago


Saindo do mercado, basta andar alguns minutos para conhecer um dos cartões-postais de Santiago: o Plaza de Armas, que é considerado o marco zero da cidade. Essa praça é rodeada de monumentos e prédios históricos importantes que o turista pode entrar e conhecer, entre eles estão o Museu Histórico Nacional e a Igreja de Santo Domingo.

Entretanto, a atração que costuma chamar mais atenção é a Catedral Metropolitana de Santiago, uma construção datada no século 18 que impressiona pela riqueza de detalhes e objetos de prata, ouro, lustres e vitrais grandiosos. Após explorar a região, é hora de jantar e descansar para o próximo dia.

O que fazer em Santiago - dia #2: mais passeios e compras

undefined
Divulgação/momondo
O Palácio de La Moneda é uma das paradas obrigatória na lista de o que fazer em Santiago. É lá que fica o gabinete do presidente


Uma das paradas obrigatórias por quem visita a capital chilena é o Palácio de La Moneda. A sugestão é começar esse segundo dia de passeios nessa atração que fica na Praça da Constituição, também no centro da cidade. Nesse prédio, funciona a sede do gabinete do presidente, de ministérios e órgãos governamentais chilenos.

O turista pode fazer um tour no interior do palácio em uma visita com guia que passa pelos salões oficiais. Vale lembrar que para realizar esse tour, é preciso agendar com antecedência. A dica é tentar marcar de conhecer o palácio bem cedinho para começar os passeios dali.

Leia também: Vai para o Chile? Conheça 5 pontos imperdíveis no centro histórico da capital

Depois do tour, siga para outro morro popular na cidade: o Cerro Santa Lucía. Ele é menor que o San Cristóbal, mas a vantagem é que possui uma bela vista da Cordilheira dos Andes. Para chegar até o ponto mais alto, é preciso se esforçar e subir mais de 200 degraus.

Caso queira incluir no roteiro de o que fazer em Santiago a compra alguns suvenires, continue o passeio seguindo para o Paseo Ahumada, a principal rua de comércio localizada no centro da capital chilena. Fora as lojinhas locais, há também famosas lojas de departamento como Falabella e Ripley. Por lá, você vai garantir presentinhos para toda família.

No fim da tarde, o indicado é seguir para o Patio Bellavista, um complexo de restaurantes e bares que possuem opções de lugares com culinária internacional variada. A decoração do local é bem bacana e possui mesinhas na rua e música ao vivo quase toda noite. Quanto aos preços, pode ficar tranquilo que tem opções para todos os bolsos.

O que fazer em Santiago - dia #3: vinhos, neve e esqui

undefined
Divulgação/momondo
Existem muitas vinícolas perto do centro e o turista pode conhecer o processo de produção da bebida ao procurar o que fazer em Santiago


Os vinhos chilenos são muito apreciados mundo afora, então nada mais justo do que aproveitar a viagem para degustar variações dessa bebida no seu país de origem. No destino, há muitos vinhedos para visitação e é essa a sugestão para o terceiro dia de passeio. Uma das mais famosas da região é a Vinícola Concha y Toro, que está a uma hora e meia do centro de Santiago.

Para chegar ao local, o ideal é alugar um carro, pois você economiza tempo curtir o passeio com mais tempo, mas se essa não for uma opção para você, é possível ir de metrô até Las Mercedes e de lá seguir viagem de ônibus ou táxi que vai custar cerca de 3 mil pesos chilenos (em torno de R$ 17).

É recomendado agendar a visita com antecedência, pois assim é possível fazer um tour guiado que percorre toda a propriedade. Durante a visita, os turistas passam pelos jardins, vinhedos e adegar, conhecem o processo de plantio das uvas, a produção e armazenamento dos vinhos e o passeio dá direito a paradas para degustações acompanhadas de um sommelier.

O turista que tiver alugado o carro pode ir cedo a vinícola e aproveitar o tempo restante para subir a Cordilheira dos Andes e conhecer a estação de esqui Valle Nevado. A atração fica a apenas 50 km do centro de Santigo, mas como a estrada é cheia de curvas e inclinações o trajeto demora quase duas horas. A parte boa é que o caminho é formado por um belo visual cercado de montanhas.

undefined
Divulgação/momondo
Esquiar está na lista de o que fazer em Santiago? No Valle Nevado há uma estação em que o turista pode alugar todo material


Quando está na alta temporada de neve, é melhor não arriscar ir de carro, já que o percurso fica perigoso devido ao acúmulo de neve. Nesse caso, o melhor é utilizar o serviço de transfer de empresas especializadas.

Na estação de esqui, há opções de passeios de meio período e de um dia inteiro. O passeio que dura o dia inteiro é indicado para quem não quer apenas admirar a paisagem, mas sim esquinar na neve. No Valle Nevado Ski Resort, por exemplo, há 39 pistas com 40 km de extensão e 900 hectares de superfície para esquiar. O turista pode alugar botas, bastões e todos os equipamentos necessários para esquiar no local.

Leia também: Valparaíso e Viña Del Mar: motivos para conhecer o litoral do Chile

Alexandre finaliza dizendo que existem muitas outras atrações e opções de o que fazer em Santiago , então vale pesquisar para incluir no roteiro passeios que combinem com o seu perfil. Há muitas opções que destinos e atrações que ficam perto da capital chilena.