Gabrielle Correia, 24 anos
Arquivo pessoal
Gabrielle Correia, 24 anos

A moderadora de conteúdo Gabrielle Correia, de 24 anos, é uma jovem que, para aproveitar as baladas que gosta, precisa se locomover. Ela conta que iniciou a paixão por baladas aos 15 anos, quando ainda ouvia pop frequentemente. Mas, ao completar 18 anos, se apaixonou pela música eletrônica.

“Sou super tranquila para viajar para ir em festas, eu realmente gosto dessa experiência e me preparo para ir", conta. 

Moradora da capital de São Paulo , ela explica que, embora o cenário de festas seja bom, ela faz questão de ir até Lagoinha, interior de São Paulo, para curtir uma festa alternativa com vertente Psytrance. "Não é uma necessidade viajar sempre, porque moro em São Paulo e tem muitas festas."

O Psytrance, também conhecido como trance psicadélico é uma forma de música eletrônica desenvolvida no fim dos anos 1980. As festas que frequenta são em sua maioria em galpões abandonados com todo o tipo de pessoal, um ambiente bem plural e engloba outros gêneros musicais, como o techno e o hard techno

As viagens duram em média três dias e o perfil das acomodações varia entre hotel, pousada e acampamento, sendo o último o mais comum, segundo Gabrielle, pois "enriquece mais a experiência". "Geralmente o line-up e data de uma festa é divulgado três meses antes. Então me programo nesse período”, pontua.

Edith Zuba, 38 anos
Arquivo pessoal
Edith Zuba, 38 anos

A estudante de nutrição Edith Zuba, de 38 anos, também é apaixonada por música eletrônica. “Eu amo viajar, independentemente do destino. Acredito que uma viagem sempre proporciona experiências incríveis e, quando tem uma festa no meio, fica ainda melhor. Por esse motivo, me organizo para viajar em datas nas quais sei que haverá uma festa ou um festival muito bom”.

A estudante, que também trabalha com vendas, sempre esteve conectada com a música, mas foi aos 23 anos que começou a viajar com o objetivo de aproveitar um bom som.

Moradora de Montes Claros, norte de  Minas Gerais , Edith precisa viajar para conseguir acessar o cenário de baladas, já que a cidade não tem muitos eventos que a atraia.

“Moro em uma cidade pequena, onde nunca tem festas grandes ou com estilo de música que eu gosto. Então, se quero curtir uma boa festa, preciso sair daqui”, explica.

Ela pontua também que, como as baladas ocorrem mais em fins de semana, suas viagens são bem rápidas. E caso o evento ocorra em São Paulo, ela consegue ficar em casa de amigos. Mas se é em outro destino, precisa ficar em hotéis ou alugar um Airbnb. O destino mais longe para onde já viajou foi a Bélgica para ir ao festival Tomorrowland . “Acho fantástico se conectar com o novo, conhecer gente nova e, claro, curtir uma boa música.”

“O desafio maior sempre é o dinheiro para viajar e conseguir folga no trabalho. Depois disso organizado, é só alegria”, completa.

Conselhos

Zuba diz ser muito bom curtir uma boa festa, mas é preciso saber separar momentos de lazer, estudo e trabalho. “As responsabilidades devem ser priorizadas e as festas devem vir em segundo plano. Tá curtindo o fim de semana? Se joga. Mas na segunda-feira foque no que é importante”, argumenta.

Gabrielle também aconselha que, para quando ir em alguma festa, é preciso planejamento e, além disso, manter uma boa saúde física.

Siga o perfil geral do Portal iG no Telegram. 

** Julio Cesar Ferreira é estudante de Jornalismo na PUC-SP. Venceu o 13.º Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão com a pauta “Brasil sob a fumaça da desinformação”. Em seus interesses estão Diretos Humanos, Cultura, Moda, Política, Cultura Pop e Entretenimento. Enquanto estagiário no iG, já passou pelas editorias de Último Segundo/Saúde, Delas/Receitas, e atualmente está em Queer/Pet/Turismo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários