Tamanho do texto

Praticantes de esqui dão dicas sobre como não gastar tanto na temporada de neve dos Estados Unidos; uma das recomendações é levar pouca bagagem

Se você gosta ou pensa em esquiar, saiba que essa prática custa caro. De acordo com o site de reservas Hipmunk , o preço médio para obter duas diárias numa cidade popular como Vail, no Colorado, fica entre US$ 1.700 e US$ 2.200. Aqui, você saberá algumas dicas sobre como economizar nesta temporada de neve nos EUA.

Leia mais: Vai passar o Ano Novo em São Paulo? Veja onde comemorar a chegada de 2020

Prática do esqui. arrow-options
Reprodução/Shutterstock
Prática do esqui


Antes de qualquer coisa, para quem quer economizar, o é ideal: alugar resorts menores, comprar os ingressos para os teleféricos com antecedência e escolher o mês de janeiro para viajar. A antecedência na compra pode render uma economia média de 30%, segundo a Liftopia e, geralmente, o menor preço das passagens aéreas concentra-se no primeiro mês do ano. 

Veja os principais conselhos dos esquiadores para economizar nessa época nos EUA:

1. Levar pouca coisa

A dica que o competidor Shane Serrano dá é levar só o necessário. Ele conta que, quando viaja, tem que fazer o check-in do seu snowboard, mas que aproveita para encher a mala até o limite de peso. Fazendo isso, ele economiza com as taxas, não precisando despachar mais bagagem.

Outra recomendação é investir nos tecidos finos de alta tecnologia, que aquecem sem fazer volume.

2. Ficar em algum lugar afastado e usar o transporte público

As tarifas dos hotéis próximos às montanhas costumam ser muito caras. Por isso, uma alternativa é se hospedar fora da cidade e utilizar o transporte público.

Uma opção por exemplo é ficar em Salt Lake City. Durante a Semana do Presidente em fevereiro desse ano, o Homewood Suits, que fica nessa cidade, cobrava US$ 68 pela diária de um quarto em que caberiam quatro pessoas. Esses tipos de resorts ficam cerca de 50 km a leste.

Quanto ao transporte público, uma passagem do ônibus sazonal da Autoridade de Trânsito de Utah custa US$ 4,50 e atende oito áreas de ski, incluindo Snowbasin Resort e Alta Ski Area.

3. Alugar equipamentos longe das pistas

Tudo bem que alugar os equipamentos nos resorts de esquis é mais fácil e conveniente. Mas se você quer economizar, a ideia é alugá-los nas lojas da cidade mesmo, que geralmente fazem pechinchas.

Nick Como, de 40 anos e residente de Salt Lake City, afirma: "Se você vem de fora da cidade, use as lojas de aluguel em Salt Lake City. O equipamento básico é bom para iniciantes e intermediários." Ele acrescenta que quando sua esposa ainda estava aprendendo o esporte, eles conseguiram um aluguel de pouco mais de US$ 100 para toda a temporada.

Serviços de entrega de equipamentos também têm se tornado cada vez mais comuns e apresentam boas taxas. Nick disse que fez um orçamento para três dias de aluguel de equipamento que seria entregue em um hotel no início de janeiro, em South Lake Tahoe, na Califórnia, que ficou a partir de US$ 39 no site skibutlers.com.

4. Comprar um ingresso para meio dia

Se a sua ideia não é esquiar durante sete horas, não há necessidade de comprar o ingresso para um dia inteiro. Um bilhete teleférico de meio dia garante três a quatro horas de esqui e custa menos.

Leia mais: "Pé na bunda", desabafo e bebedeira: as histórias que marcaram os ares em 2019

Frequentador dos resorts menores do Colorado, Rappold alerta: "Mesmo nos meus melhores dias, raramente esquio das nove às quatro".

Ele diz que no resort Wolf Creek Ski Area, os bilhetes de dia inteiro custam US$ 76 e os de meio dia custam US $ 60. Já no Monarch Mountain, os preços são de US$ 94 por um dia, US$ 72 por meio dia e US$ 38 das 14h às 16h.

5. Fazer por merecer a descida

Evitando as filas dos teleféricos, muitos fãs de esqui sobem as montanhas para descê-las esquiando. A maioria das áreas dessa prática é gratuita, mas algumas delas cobram uma taxa mínima.

Os que sobem a montanha a pé dizem que estão "fazendo por merecer a descida" e dizem se tratar de um exercício barato e intenso. "Não é preciso todo o planejamento e a preocupação com avalanches como no esqui backcountry tradicional, porque é no resort", segundo Caroline Tory, 29 anos, de Aspen.

Obs.: os esquis e as botas são diferentes do padrão para a descida, por isso deve-se ser específico na hora de alugá-los.

6. Comprar e preparar sua comida

Como as refeições na montanha são muito caras, o conselho é levar seu próprio almoço. Susan Medville, de 46 anos e moradora de Pemberton, diz que ela e sua família sempre levam algum petisco. Pizzas ou wraps de amendoim e geleia são algumas das opções, que eles costumam comprar na Peak 2 Peak Gondola entre as montanhas Whistler e Blackcomb. 

Já Serrano, que é snowboarder, diz que ao viajar, sua primeira parada é o supermercado local.  "Faço questão de experimentar um restaurante quando viajo, mas preparar suas refeições e trazer seu próprio almoço todos os dias é uma grande economia."

Ben Moisen, de 26 anos, que é esquiador, fotógrafo e cinegrafista, também aconselha comprar bebidas. "As garrafinhas de bolso quebram um galho e podem ser enchidas com qualquer bebida barata para manter você aquecido".

7. Vasculhar lojas de artigos usados

Alguns revendedores online como GearTrade ou SidelineSwap podem ser ótimas opções para quem quer roupas de inverno a preços bons. Nas cidades de esqui, como Aspen, por exemplo, também há lojas de artigos usados. Exemplo disso são a Replay Sports e a Susie's Limited Consignments, que muitas vezes oferecem artigos de qualidade.

Leia mais: Explore a Argentina em um roteiro totalmente inspirado em Lionel Messi

O Re-Use-It Center também pode servir para os que querem adquirir bastões de esqui a preços melhores. Segundo esquiadores da região, o estado deles não importa muito para a prática.