Com o rápido avanço do novo coronavírus em diversos países pelo mundo, vários países decidiram fechar as suas fronteiras, impedindo a entrada de estrangeiros como uma forma de desacelerar a propagação da doença. Com isso, uma simples visita à família nas férias pode virar um verdadeiro caos. 

Leia também: Intercambista conta sobre quarentena na Espanha: "Ficamos em alerta total"

ilustração de um aeroporto movimentado arrow-options
Pexels
Mariana foi impedida de voltar para a França após o país decidir fechar as sua fronteiras

Enquanto há relatos de brasileiros que viajaram e não ainda conseguiram voltar para casa, há também quem veio para cá e não consegue voltar ao seu país de origem, como Mariana A., estudante de psicologia que veio com o noivo, que é francês, visitar a família no Brasil e acabou presa por aqui. 

A França foi um dos países que decidiu fechar as suas fronteiras . O presidente Emmanuel Macron decretou que as fronteiras francesas fossem fechadas no dia 17 de março e permanecessem assim por um período de 15 dias.

Mariana, que veio ao Brasil para visitar a sua família, voltaria para a França no dia 29 de março, porém optou por adiantar a data da volta assim que ficou sabendo sobre o fechamento das fronteiras na França.

Mesmo adiantando o seu retorno para o dia 20 de março, a estudante de psicologia foi impedida de entrar no voo para voltar para casa.

Leia também: 6 parques de diversão que adiaram suas novas atrações para 2021

Viajante sentada no chão, com uma expressão de frustração. arrow-options
shutterstock
A brasileira tentará embarcar novamente para a França.

''Quando fui embarcar para voltar para a França, a companhia aérea não permitiu que eu embarcasse no avião'', relata Mariana. ''Apenas estrangeiros casados com franceses ou com carta de residência no país tinham a permissão de voltar para a França'', completa.

Mariana, que iria se casar  no mês de abril, conta que ela e o noivo procuraram por ajuda especializada para saber quais procedimentos eles deveriam tomar. ''Entramos em contato com advogados especializados para saber o que fazer, além de consultar a embaixada da França no Brasil'', diz a estudante de psicologia.

Leia também: Sem conseguir voltar ao país, brasileiros temem ficar sem hospedagem e dinheiro

''No site da embaixada da França no Brasil está dizendo que pessoas com união estável seriam excepcionalmente consideradas como união civil, o que possibilitaria a minha volta para o país'', completa.

Temendo não conseguir voltar para o país a tempo, Mariana e seu noivo, que tinham o casamento marcado para o mês de abril, tiveram que adiar a data da união entre os dois. ''Nosso casamento civil foi adiado para junho'', diz Mariana. ''O fechamento das fronteiras na França vai durar, no mínimo, um mês, e não sabemos como vai ser aqui no Brasil, já que o coronavírus ainda não chegou no seu pico'', explica.

Apesar de não ter conseguido voltar para a França, Mariana conta que tentará voltar ao país novamente. ''Tentarei embarcar novamente para a França neste sábado'', conta. ''Vou com uma quantidade enorme de documentos para embarcar, comprovando que meu noivo é realmente francês e que temos um contrato de união estável'', completa.

Idas e vindas de brasileiros

Enquanto Mariana sofre ao ser vista como uma turista estrangeira tentando entrar na França, muitos brasileiros estão presos em outros países e buscam ajuda para voltar para cá.

Leia também: Coronavírus: onde buscar ajuda para voltar para casa se a fronteira fechar?

O Itamaraty, que é o orgão responsável pelas relações exteriores do Brasil, e a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) criaram formulários online que facilitam a identificação de brasileiros que ainda estão retidos no exterior. O formulário feito pela ANAC conta com treze perguntas, enquanto o do Itamaraty conta com oito.

Entre as treze perguntas do formulário feito pela ANAC , a agência reguladora mapeia a localidade do viajante e se ele está em grupo. O questionário também pergunta a cidade para onde o interessado deseja retornar para o Brasil e qual a sua companhia aérea.

Diferente do formulário feito pela ANAC, o  formulário feito pelo Itamaraty  questiona se o indivíduo ou o grupo de indivíduos possui alojamento, e se há a possibilidade de extender a estadia.

    Veja Também

      Mostrar mais