Saiba como se locomover e conhecer os principais pontos turísticos e museus economizando ao máximo

Confira dicas para economizar em Londres
Getty Images
Confira dicas para economizar em Londres
Londres é uma cidade vibrante com história por todos os lados e uma cena cultural muito rica e variada. É também uma cidade onde os custos de vida são altos. Mesmo assim, é possível economizar aproveitando os programas gratuitos que você pode fazer na capital britânica e planejando a viagem com antecedência.

- Leia também: Prepare-se para ver as Olimpíadas de Londres


TRANSFER DO AEROPORTO

Os trens Heatrow Express e Heatrow Connect são uma opção mais econômica de transfer do aeroporto
Getty Images
Os trens Heatrow Express e Heatrow Connect são uma opção mais econômica de transfer do aeroporto
O transporte é um dos pontos que merece atenção. Desde a chegada do aeroporto, até o local de hospedagem é possível encontrar uma grande variação nos preços. Os vôos do Brasil chegam no aeroporto de Heatrow e de lá para o centro são aproximadamente 30 quilômetros. Há várias opções de transporte, sendo que a mais barata é o metrô, que custa 5,30 libras (R$ 14,31), e a mais cara, os tradicionais táxis londrinos, chamados black cabbies, que cobram até 60 libras (R$162) por uma viagem até a região central.

Há também trens (Heatrow Express e Heatrow Connect) e os transfers, que se você estiver com uma ou duas pessoas é uma opção que vale a pena. Até o centro, os preços variam 21 libras e 30 libras (R$ 56,70 e R$ 81) e você já pode deixar o serviço agendado. No site do aeroporto de Heatrow você encontra uma variedade de empresas.

- Leia também: Coma bem gastando pouco em Londres


TRANSPORTE DENTRO DA CIDADE

Os trens Heatrow Express e Heatrow Connect são uma opção mais econômica de transfer do aeroporto
Getty Images
Os trens Heatrow Express e Heatrow Connect são uma opção mais econômica de transfer do aeroporto
Uma vez em Londres, a maneira mais fácil de se locomover na cidade é pelo metrô, que é simples de entender e te leva em todos os lugares. O “tube”, com o é chamado, é dividido em nove zonas, mas a maior parte das atrações turísticas fica entre as zonas 1 e 2. Para andar de metrô você pode comprar um travelcard de papel ou um Oyster.

O Oyster é um cartão inteligente que funciona em dois sistemas, o “pay-as-you-go” no qual você carrega o cartão e vai gastando à medida que utiliza o transporte e o travelcard no qual você paga uma quantia fixa pelo número de dias e zonas que vai circular e anda de ônibus e metrô à vontade. O cartão do Oyster custa 5 libras (R$ 13,50) e depois de usá-lo você pode devolvê-lo e receber o dinheiro de volta. A diferença do Oyester para o travelcard, é que o travelcard é de papel e você não precisa pagar 5 libras. O Oyster vale mais a pena se você for ficar poucos dias em Londres. Os dois podem ser comprados em qualquer estação de metrô.

Agora, se você optar por comprar o travelcard de papel num guichê de uma estação de trem (St. Pancreas, Euston, Marylebone e outras), e não de metrô, você pode ter também descontos nos ingressos de atrações turísticas como a London Eye. É a promoção do 2For1 , na qual você paga um ingresso ao invés de dois. Mas, lembre-se, o travelcard, neste caso, precisa ser comprado no guichê da estação de trem.


INGRESSOS MAIS BARATOS

O London Pass dá acesso a 55 atrações pagas, como a Catedral de St. Paul
Getty Images
O London Pass dá acesso a 55 atrações pagas, como a Catedral de St. Paul
Ainda falando de descontos para atrações turísticas, se você quiser entrar em prédios históricos como a Abadia de Westminister, onde o príncipe William casou com Kate Middleton, é preciso pagar entrada.

Neste caso uma opção pode ser o London Pass, que pode ser comprado do Brasil. Ele dá acesso a 55 atrações pagas entre museus, estádios de futebol, zoológico e prédios que contam a história da Grã-Bretanha como a catedral de St. Paul e a Tower Bridge. O passe pode ser comprado para um, dois, três ou seis dias, custa US$ 66 (aproximadamente R$ 118) e dá o direito de furar a fila em algumas das atrações.

Para quem quer experimentar a cena cultural de Londres e seus famosos musicais há a alternativa do Theatre Passport. O passe também pode ser comprado do Brasil e no dia da apresentação é trocado por um ingresso nos melhores assentos disponíveis dos musicais londrinos como Priscila, a rainha do deserto e Thriller. Este passe custa US$ 35,50 (aproximadamente R$ 63).

- Mais informações no site

ATRAÇÕES TURÍSTICAS E MUSEUS GRATUITOS

Mas Londres também oferece uma variedade incrível de passeios que você pode fazer sem gastar nada. Eles vão desde a troca da guarda da rainha, que atrai milhares ao Palácio de Buckingham todos os dias às 11h30, aos museus gratuitos, parques e passeios pelos mercados da cidade.

Os museus gratuitos são para todos os gostos. O British Museum é o maior deles com um acervo de 7 milhões de objetos. "Ir ao British Museum é como visitar todos os países do mundo em um só lugar, principalmente voltar no tempo para visitar as antigas civilizações", diz o brasileiro Marrey Junior. Quem se interessa por arte, pode ter uma aula de história na National Gallery onde há obras de Leonardo da Vinci, Michelangelo, Monet e outros. Já a Tate Modern é mais voltada à arte moderna com trabalhos de Picasso, Miró, Matisse e outros.

Na Exhibiton Road no bairro de Kensington estão três museu gratuitos que vale a pena conhecer. Dois deles são sucesso garantido se você estiver viajando com crianças: o Natural History Museum e o Science Museum. O Natural History fica num prédio espetacular e tem a galeria dos dinossauros com réplicas dos animais. Já o Science Museum tem quatro andares de exibições interativas e galerias de aviação, exploração espacial – onde está a nave Apollo 10 –, e revolução industrial. Também na Exhibition Road, o Victoria and Albert Museum é descrito como o maior do mundo em arte decorativa e design. Para as Olimpíadas o museu terá uma exibição especial sobre a evolução do design britânico desde os “Jogos da Austeridade", que aconteceram em 1948.

Outro museu que não cobra entrada e é gratuito é o Imperial War Museum, que conta a história das guerras mundiais. “A qualidade do acervo é ótima. Fiquei muito impressionado com a reprodução, com sons e iluminação das trincheiras da Primeira Guerra Mundial e também com a simulação do abrigo de proteção de bombardeios aéreos da Segunda Guerra”, conta o brasileiro Celso Camargo. Na área de Greenwich é possível conhecer o “marco zero” da Terra no Royal Observatory e também a história da marinha britânica no National Maritime.


OUTRAS ATRAÇÕES GRATUITAS

Passeio gratuito e interessante, os mercados londrinos valem uma visita. Na foto: Covent Garden
Getty Images
Passeio gratuito e interessante, os mercados londrinos valem uma visita. Na foto: Covent Garden
Fora dos museus, não deixe de ir aos mercados de Covent Garden, Borough Market (que abre às quintas, sextas e sábados), Portobello Market (sábados) e Brick Lane Market (domingos). São passeios divertidos, cheios de cor e aromas, aonde você vai se misturar também com quem mora na cidade.

E durante o verão, aproveite os parques londrinos para fazer uma pausa para relaxar e também pequeniques. Na região mais central você pode passear pelo St.James e o Green Park, perto do palácio de Buckingham. Há também o Hyde Park, o maior de Londres, e o Regent Park.


Tem dicas de como economizar em Londres? Compartilhe com a gente na caixa de comentários

Para mais dicas de viagens, siga o iG Turismo no twitter: @igturismo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.