Seja a passeio ou a trabalho, viajar de avião na pandemia passou a ser uma realidade para muitas pessoas. Principalmente nos últimos meses, em que o setor turístico tem feito adaptações para  incentivar o turista a voltar a viajar de maneira segura. No entanto, o avião  segue sendo como um dos principais motivos de preocupação para quem fez o isolamento social por tanto tempo.


mulher lendo no avião
shutterstock
Viajar de avião na pandemia: veja o que é verdade e o que não é



Pensando nisso, o iG Turismo conversou com o presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), Eduardo Sanovicz, para tirar dúvidas sobre as afirmações mais recorrentes sobre as viagens de avião. Veja se vale a pena preparar as malas ou continuar em casa - lembrando que a pandemia ainda não acabou.

A filtragem de ar do avião consegue combater partículas da Covid-19.

Verdade. Todas as aeronaves são equipadas com filtros hepa , capaz de trocar o ar que circula dentro do avião a cada 3 minutos, puxando o ar de cima para baixo. “O ar é sugado para baixo e é trocado, eliminando 99,97% de todas as microbactérias”, explica Sanovicz. “Esse filtro é o mesmo encontrado em centros cirúrgicos e são absolutamente esterilizados”, acrescenta.

Viajar de avião é mais seguro que viajar de carro.

Verdade. Sanovicz explica que viajar de avião na pandemia é muito mais seguro do que qualquer outro meio de transporte, como carro, ônibus, perua e barco. Isto porque, além do funcionamento de filtros de ar, as aeronaves contam com protocolos nacionais e internacionais que garantem a segurança dos passageiros e da  tripulação do check-in ao desembarque. No Brasil, esses filtros são validados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

Posso tirar a máscara durante o voo porque o ar é filtrado.

Mito. Independentemente da filtração do avião ser capaz de combater microbactérias, a orientação é de que os passageiros e a tripulação devem utilizar a máscara adequadamente , desde a entrada no aeroporto até a chegada ao destino. “Assim, o passageiro preserva a si mesmo e às pessoas ao seu lado”, salienta Sanovicz.

A segurança é maior se os passageiros estiverem em lugares intercalados.

Mito. Segundo o presidente, esse tema foi levantado em outros locais, principalmente na Europa. “Nós não temos nenhum dado mostrando que isso é necessário. Portanto, é seguro ocupar  assentos marcados sem a necessidade de reduzir o número de passageiros na aeronave”, diz.

Ativar a ventoinha do assento ajuda a circular o ar e, por isso, torna o ambiente mais seguro.

Indiferente. Já que o filtro já faz o trabalho de combater as partículas da Covid-19 no avião, ligar a ventoinha fica à critério do passageiro. “Sem a ventoinha tudo funciona do mesmo jeito. e as pessoas se sentirem mais confortáveis ao ligar tudo bem. Se não, tudo bem também”, explica Sanovicz.

Vai viajar de avião na pandemia? Se informe!

Sanovicz alerta que passageiros que vão  viajar de avião na pandemia devem entrar no site da companhia aérea escolhida para ler o protocolo estabelecido pela empresa. “Existem regras desde a chegada ao aeroporto, como check-in remoto, o uso de máscara e a higienização das aeronaves ”, explica o presidente da ABEAR. Mantenha-se informado!

    Veja Também

      Mostrar mais