Apesar de o consumo de álcool ter diminuído nos países desenvolvidos, muitas pessoas continuam a beber muito vinho. O enoturismo - o turismo voltado aos vinhos - tem crescido em países produtores da bebida ao redor do mundo.

Leia também: Qual a diferença entre mala de mão e de cabine?

vinho
Pixabay
O transporte de vinho nas malas despachadas ou de mão precisa ser cuidadoso

Argentina, Portugal, França, Itália e Chile são muito conhecidos pela produção de vinho e atraem diversos turistas para essa finalidade. Mas também existem países “diferentões” que são boas opções de enoturismo como a África do Sul, a Grécia e os Estados Unidos.

Se você pensa em visitar algum desses países e quer trazer uma garrafa para casa, é importante entender qual o melhor método de transporte do vinho na mala. Colocar na mala despachada ou na mala de mão? Quantos litros são permitidos por pessoa?

Para responder essas questões, o iG Turismo procurou especialistas que poderão te ajudar a organizar a sua próxima viagem de enoturismo .

Com quantos litros de bebida alcoólica pode entrar no Brasil?

Você já deve imaginar que praticamente toda compra feita no exterior passa pela Receita Federal dos aeroportos. De acordo com as diretrizes da corporação, um brasileiro pode entrar no país portando até 12 litros de bebidas alcoólicas.

Para os amantes de vinho, essa conta fecha em 16 garrafas por pessoa, já que cada garrafa tem 750ml. Porém, além da quantidade há também um controle financeiro. As compras internacionais não podem passar de 500 dólares (R$ 2.461, na cotação atual*).

Como trazer os vinhos na mala?

vinho
Reprodução
Dá para transportar garrafa de vinho em bagagem apropriada ou com plástico bolha

Antes que você viaje para os destinos de enoturismo é importante saber as regras do transporte. Alguns deles, inclusive, aprovam que garrafas de vinho sejam colocadas na mala de cabine/de mão.

Essa prática é mais comum entre os países sul-americanos. Argentina, Chile e Uruguai permitem até 5 litros de vinho por pessoa. Já a África do Sul aprova 2 litros por pessoa, sem a opção de pagar taxas. Importante ressaltar que esse é o limite da mala de mão, na bagagem despachada o peso precisa estar dentro do padrão de 23 kg.

A jornalista e dona do blog Viagens e Rotas , Ana Elisa Teixeira, recentemente viajou para o Uruguai e dá algumas dicas para quem quer trazer a bebida alcoólica com cuidado.

"Sempre embalo os vinhos que trago em todas as viagens com plástico bolha que, às vezes, levo quando sei que vou comprá-los. Coloco no fundo da mala de viagem. É importante sempre informar a companhia aérea que está levando vinho para colocar como bagagem frágil por precaução. Outra opção é optar por caixas avulsas, mas aí terá que pagar como bagagem extra", explica.

Se você não encontrou plástico bolha na viagem, a sommelier Stephani Vaz, da empresa Evino, ensina um truque. "Costumo 'vestir' as garrafas com as minhas meias e depois enrolar em alguma peça de roupa fofinha. Até hoje, dez anos depois, carrego muitos vinhos na mala e nunca quebrei nenhuma garrafa", conta a profissional.

Mas ainda tem uma 4ª opção de transporte dos vinhos em aeroportos. "Se você é de fato um apreciador, vale a pena investir em malas próprias para o transporte seguro", indica a influenciadora digital Pati Lemos. A bagagem apropriada só comporta garrafas e é mais resistente na parte de fora. Os preços variam de acordo com a quantidade suportada.

Por que é mais vantajoso comprar vinho fora do Brasil?

O Brasil tem um dos impostos sobre bebidas alcoólicas mais caro do mundo, então é mais vantajoso comprar fora. A influencer Pati Lemos lembra da diferença que teve ao comprar uma garrafa em Portugal.

"Um 'Quinta da Pacheca Tinto Superior 2017', custa em torno de nove euros (R$ 49, na cotação atual**) em Portugal. No Brasil, não sairá por menos de R$ 180. Vale ou não vale a pena?", questiona ela.

Leia também: 3 dicas para medir e pesar a bagagem de mão

Mas onde é melhor comprar vinho ? De acordo com a especialista Stephani Vaz, os melhores países para a prática de enoturismo são a Espanha, França, Itália, Uruguai, Nova Zelândia, EUA (Califórnia) e Portugal. "A compra é sempre mais barata direto dos importadores como, por exemplo, a Evino. A relação qualidade e preço também é muito melhor", finaliza.

* valores pesquisados em 12 de março com o dólar a 4,87

** valores pesquisados em 12 de março com o euro a R$ 5,47

    Veja Também

      Mostrar mais