Centro comercial Caminito no bairro La Boca, em Buenos Aires
ArtTower/Pexel
Centro comercial Caminito no bairro La Boca, em Buenos Aires

A Argentina é uma das nações líderes neste campo. Tal foi definido pelas autoridades da Feira Internacional de Turismo (Fitur) de Madrid em 2020, quando foi premiado como "país pioneiro na promoção internacional e no desenvolvimento federal do turismo LGBT". É escolhido porque tem a característica mais importante que este grupo busca: segurança.

Embora seja uma condição que qualquer turista considera imprescindível no planejamento e execução de sua viagem, para as pessoas LGBT é uma questão de vitalidade , pois, infelizmente, em muitos países do mundo ainda são considerados criminosos.

Pela possibilidade de se depararem com contextos hostis, essas pessoas investigam as leis existentes sobre questões LGBT+ antes de viajar e, nesse sentido, a Argentina se destaca como um destino onde foram promulgadas normas de ponta: a Lei do Casamento Igualitário  - sancionada em 2010- e a Lei de Identidade de Gênero de 2012.

Este tipo de turismo foi afirmado como um fenômeno mundial: segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT) representa mais de 10% das chegadas; com uma estimativa de 15% dos gastos totais com viagens internacionais. Desta forma, o desenvolvimento do turismo LGBTQIA+ é um fator fundamental para que os países aumentem seu turismo receptivo.

Os turistas LGBT+ que vão à Argentina chegam, normalmente, pela capital, Buenos Aires, que abriga milhares de alternativas para desfrutar a região sob essa perspectiva. A proposta "Buenos Aires Livre e Diversificada" inclui o Festival Internacional de Tango Queer: uma reversão da música original do Río de la Plata, onde os papéis de gênero não definem a dança, mas sim a igualdade entre os casais. Eles podem ser apreciados em bares, ao ar livre e, além disso, ter aulas com professores renomados.

Outra opção é a Marcha do Orgulho, que acontece em novembro e é reconhecida pelo grande público: estima-se que cerca de meio milhão de pessoas participem a cada ano. Na cidade também é possível visitar espaços emblemáticos de grande tradição, como o cruzamento das avenidas Santa Fé e Pueyrredón no bairro da Recoleta, que no final do século passado funcionava como ponto de encontro da comunidade. Claro que naquele bairro como em Palermo tem bares LGBT muito lotados. Entre eles, destacam-se Peuteo, Sitges, Maricafé e Pride Café.

Embora 65% sejam atraídos por Buenos Aires, há muitas outras áreas argentinas que apostam neste tipo de turismo com serviços treinados e leis regionais que garantem a segurança do viajante. Ao longo desta linha estão Mendoza no oeste, Puerto Madryn no sul do país e Iguazú no norte.

A província de Mendoza é a segunda que mais recebe turistas LGBT depois de Buenos Aires. O que mais seduz é a festa da "Vendimia para Todxs", que acontece em março e é uma festa paralela à tradicional colheita. Lá, este segmento pode desfrutar dos vinhos, da gastronomia e das festas da região andina, sentindo-se à vontade.

Outra referência LGBT em todo o país é a província de Chubut, com seu município de Puerto Madryn. A cidade possui o Espaço Diversidade que permite o "Casamento Express", opção que apenas dois dos dez países do mundo oferecem com legislação para o casamento de estrangeiros não residentes. Por isso, chegam muitos turistas que não conseguem se casar em seu país de origem. Embora seja válido apenas na Argentina, alguns o fazem pelo próprio ritual e outros porque com esse ato podem lutar com mais ênfase por seus direitos em seu país de origem.

Por fim, Puerto Iguazú, na província de Misiones, também é um dos destinos preferidos dos turistas da comunidade LGBT. A grande atração é o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as cataratas. A cidade possui um grande número de hotéis e cabanas onde o turista pode se hospedar próximo ao parque e até mesmo na própria selva.

Você viu?


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários