Tamanho do texto

Você largaria tudo para morar num ônibus? E com toda a sua família? Esse casal conta sua experiência de deixar a estabilidade para viver viajando

Não foram poucas pessoas que alertaram Whitney, de 29 anos, e seu marido Andrew Chardoulias, de 35, de que seria uma péssima ideia largar tudo em busca de uma aventura. Mas foi exatamente o que eles fizeram. Casa, emprego e tudo o que tinham foi deixado de lado em nome de uma viagem pela América com seus filhos.

Leia mais: Sexo, doença e novidades para temporada: o que bombou sobre cruzeiros em 2019

Whitney%2C Andrew e seus filhos. arrow-options
Reprodução/Metro.co.uk
Whitney, Andrew e seus filhos


De acordo com o portal Metro.co.uk , quando o casal apareceu com a ideia da viagem, algumas pessoas chegaram a dizer que seus filhos seriam sequestrados ou atacados por ursos. Apesar disso, eles não desistiram da ideia.

Whitney é apaixonada por viajar desde que começou a acompanhar famílias que vivem em ônibus convertidos pelo Instagram. Quando expressou sua vontade para seu marido, ele prontamente topou e os dois começaram a se organizar para a empreitada.

Além dos filhos do casal, Andrew tem mais duas filhas, Brenna e Bria, que moram com a mãe, mas podem juntar-se à aventura quando quiserem.

Parte interna do ônibus convertido em que vive a família arrow-options
Reprodução/Metro.co.uk
Parte interna do ônibus convertido em que vive a família


Os dois encontraram um ônibus à venda no eBay por 9.970 libras [quase R$ 53 mil] e renovado por 15.300 libras [R$ 81 mil]. Foi o suficiente para vislumbrarem a futura "casa móvel". Um terço dos pertences da família foram descartados e o resto das coisas ficaram na casa dos pais de Whitney. 

O ônibus precisava de alguns ajustes, mas agora conta com cozinha completa, sala de estar, brinquedoteca, banheiro com banheira, cama king size e três beliches, além do espaço para dormir no sofá. São 13,7 metros de comprimento e 2,4 metros de largura. Se não estiver viajando, o ônibus fica parado na fazenda dos pais de Whitney.

Leia mais: Viagem com crianças: quais documentos levar para evitar problemas

Durante o dia, o casal trabalha agora num negócio de criação de cães, chamado Cedar Bend Labradoodles. Mas, no próximo ano, a intenção é ensinar os filhos em casa para que possam viajar mais vezes.

"Sou mãe de quatro filhos, Quincy (7), Fletcher (4), Rowe (2) e River (1)", conta Whitney.  "Andrew era da Força Aérea e passamos quatro meses e meio em Biloxi, Mississippi, com nossa filha Quincy. Eu cresci no interior de Muscatine, Iowa, e nunca tinha visto o oceano ou a praia antes. O lugar que ficamos era bem na praia, eu gostei tanto que temia voltar para casa", diz.

"Eu tinha visto outras famílias no Instagram vivendo em um ônibus e viajando pelo país e fiquei com muita inveja. Lembro-me de dizer a Andrew que não queria ser velha e ficar desejando ter viajado mais. Contei a ele sobre os ônibus e perguntei a ele 'por que não nós?'", revela.

Ideia passou a ser bem aceita

Ônibus para o qual a família se mudou arrow-options
Reprodução/Metro.co.uk
Ônibus para o qual a família se mudou


Depois de muita resistência dos amigos e familiares, agora todos aceitam bem a ideia. Até agora, eles viajaram por mais de nove estados (Idaho, Wyoming, Nebraska, Colorado, Dakota do Sul, Illinois, Wisconsin, Minnesota, Kentucky e Indiana), o correspondente a oito mil quilômetros.

"O melhor disso tudo é ver nossos filhos experimentando coisas novas", afirma Whitney. "Para uma família numerosa, também tem sido muito bom para o nosso orçamento e acho que gastamos apenas cerca de 1.150 libras (R$ 6 mil) por mês", completa. Ela admite que recomendaria esse estilo de vida, mas que precisa haver bastante pesquisa e calma na decisão.

Leia mais: Refúgio no mato: 5 destinos para fugir da praia no Ano Novo

"Se você quiser morar em um trailer, ônibus, van ou pequena casa, não compre o primeiro que vir. Faça sua pesquisa e converse com as pessoas que já percorreram essa estrada antes e peça a um mecânico para olhar o veículo antes de fazer qualquer compra final", recomenda.