Tamanho do texto

A montanha russa Ice Breaker, no SeaWorld Orlando, terá 28 m de altura

O parque aquático SeaWorld Orlando está construindo uma nova atração que será um pesadelo para quem tem estômago fraco. A montanha-russa Ice Breaker, que será inaugurada na primavera americana de 2020 (entre março e junho), terá uma inclinação de 100˚ na queda e altura máxima de 28 metros.

Leia também: Novo parque aquático de Orlando promete experiência digital e interativa

Arte representativa da Ice Breaker arrow-options
Reprodução/Twitter/SeaWorld_News
A montanha-russa do SeaWorld Orlando terá uma queda com inclinação de 100 graus e 28 m de altura

E para acrescentar um pouco mais de emoção ao passeio, ela também fará uma "gangorra" com os passageiros. Ao longo do trajeto, a Ice Breaker impulsionará seus carros quatro vezes, tanto para trás como para frente, segundo o site oficial do SeaWorld Orlando .

Leia também: Descubra quais são as 10 montanhas-russas mais rápidas do mundo

Os diferenciais da nova montanha-russa do SeaWorld Orlando 

Além de ter uma queda na qual os passageiros ficarão 100˚ além da vertical, a montanha-russa também trará um loop de 24 metros de altura, segundo o jornal americano  USA TODAY . "O mais legal dessa experiência é que existem corcovas integradas aos trilhos", acrescentou o diretor de atrações do SeaWorld Jonathan Smith ao USA TODAY

Smith se refere às pequenas lombadas ao longo do trajeto, que servem para criar uma sensação de estar flutuando - semelhante ao efeito gerado dentro de um carro quando ele passa muito rápido por um quebra-molas.

Apesar disso, o objetivo é fazer dela o mais receptiva possível para turistas de todas as idades que visitam o parque aquático . Segundo o jornal americano, ela exigirá uma altura mínima de apenas 1,2 metros e atingirá uma velocidade de 83 km/h.

Leia também: Montanha-russa de 146 km/h será atração de parque nos EUA em 2020

Segundo o site do SeaWorld Orlando , a Ice Breaker ficará em frente à seção Wild Arctic e fará parte de uma parceria do parque com o Alaska SeaLife Center, uma instituição dedicada ao resgate e reabilitação de animais marinhos do Alaska que também funciona como centro de pesquisas e aquário público.