Em janeiro de 2007, eu só havia visitado destinos clássicos, como os Estados Unidos e alguns países da Europa, então resolvi que era hora de ir a um país mais exótico. Foi então que resolvi viajar para o Marrocos. Era a primeira vez que eu ia para uma região africana e muçulmana, e me lembro que isso me deixou bem ansioso.

Leia também: Histórias de um viajante: da Bielorrússia ao evento de música latina na Lituânia

undefined
Arquivo pessoal
Viajando de camelo pelas dunas do Saara, no Marrocos


Na época, eu estava morando na Inglaterra, então peguei um voo de Bristol até a cidade marroquina de Fés. Na fila da imigração do aeroporto, encontrei um casal de brasileiros que, por coincidência, ficaria dez dias no Marrocos e depois retornaria para a terra da rainha, ou seja, o mesmo roteiro que eu faria.

Eles estavam apreensivos, pois também era a primeira vez que visitavam a África , então decidimos juntar nossas inseguranças e embarcar nessa jornada juntos. Fomos no mês de janeiro, mas os melhores períodos para visitar o país é de março a maio e de setembro a novembro, para fugir do forte calor do verão e do frio do inverno.

Desbravando o destino

Começamos a visita por Fés , que possui a maior medina (aglomerado urbano dentro de muralhas) e o maior curtume (local onde se processa couro) do mundo. O passeio foi excelente o realizamos em dois dias.

undefined
Arquivo pessoal
Na viagem, Igor conheceu uma família berbere que explicou sobre a cultura local


Leia também: Histórias de um viajante: explore as Guianas, uma região com encantos naturais

Também conhecemos Marrakech –  a cidade mais turística do país –, Essaouira  – uma bela cidade costeira–, esquiamos em Oukaimeden  – a maior montanha do norte da África –, fomos a Ait-Ben-Haddou –  um dos maiores Kasbah (forte ou cidadela do Norte da África) do mundo – e em Erg Chebbi, no Saara, de onde eu continuo narrando essa viagem.

Deserto do Saara

Na minha opinião, as dunas de Erg Chebbi  são a melhor atração do destino. Para se ter uma ideia, elas medem 150 metros de altura e possuem uma cor laranjada, uma beleza natural impressionante, tanto que essa região é a mais visitada do Deserto do Saara.

O tour é realizado em dois dias e custou em torno de 40 euros (aproximadamente R$ 140). O passeio é feito de camelo e começou logo pela manhã. O almoço foi servido na casa de uma família berbere, na qual pude conhecer um pouco sobre esse povo nômade do deserto .

undefined
Arquivo pessoal
Acampamento no deserto do Saara


Quando chegou a tardezinha, voltei ao acampamento e pude admirar o pôr do sol nas enormes dunas da região. Além de passear de camelo e acampar no deserto, também tinha a opção de realizar sandboarding ou andar em carros 4x4 pelas dunas.

Leia também: Histórias de um viajante: saiba como foi visitar a Crimeia após um conflito

Se você tem vontade de visitar um país exótico fora das Américas e da Europa, recomendo muito esse destino. O país é incrível e possui belíssimas atrações turísticas, além de a população ser bem amigável e já estar acostumada com turistas de todo o mundo.

Ah, uma dica: não deixe de pechinchar os preços, pois geralmente no Marrocos todo produto é oferecido três vezes mais caro do realmente é. Basta ficar esperto e aproveitar ao máximo!  

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários