Tamanho do texto

Qualidade de vida Cidades: que proporcionam qualidade de vida para a terceira idade

Entre os mais de 5.500 municípios brasileiros, as cidade de Blumenau, em Santa Catarina e São Caetano do Sul, em São Paulo, são as primeiras no ranking, respectivamente, em longevidade e desenvolvimento humano.

Blumenau, em Santa Catarina e São Caetano do Sul, em São Paulo são as primeiras do ranking de cidades com qualidade de vida para idosos
Getty Images
Blumenau, em Santa Catarina e São Caetano do Sul, em São Paulo são as primeiras do ranking de cidades com qualidade de vida para idosos

O resultado consta no Ranking do Atlas de Desenvolvimento, site de consulta ao Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), realizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que possui mais de 200 indicadores de desenvolvimento humano dos municípios e estados brasileiros com dados extraídos dos Censos Demográficos de 2010.

Blumenau

A cidade da região metropolitana de Itajaí, aparece junto com Balneário Camburiú, Brusque e Rio do Sul (todas no estado de Santa Catarina), como as primeiras no IDHM. O Índice de Blumenau chegou a 0,806, em 2010, número que coloca o município em uma faixa de desenvolvimento humano muito alta (IDHM entre 0,800 e 1).

O que mais contribui para o alto IDHM de Blumenau é longevidade (com índice de 0,894), seguido de renda (com 0,812) e de educação (com 0,722).

Blumenau, Santa Catarina
Flickr/Vitor Pamplona
Blumenau, Santa Catarina

Com o maior índice de longevidade e expectativa de vida de 78,6 anos de idade, Blumenau é a cidade onde se vive mais. E isso se deve ao fato de o município contar com programas como a Fundação Pró-Família, que tem como missão promover o bem-estar da família da cidade, proporcionando proteção à vida dos idosos e cuidados com sua saúde física e mental, o que lhes garante um envelhecimento digno e saudável.

Essa fundação possui um Centro de Referência em Atenção ao Idoso, programa que atende 6.323 inscritos que participam de mais de 40 atividades. Outro projeto de destaque, o Pró-Idoso promove ações a terceira idade em 118 núcleos e em grupos autônomos.

A Fundação Pró-família oferece ainda atendimento nas áreas de assistência social e saúde.

São Caetano do Sul

Localizada na região metropolitana de São Paulo, a cidade tem IDHM de 0,862, que também a situa na faixa de desenvolvimento humano muito alto. A dimensão que mais contribui para o IDHM do município é renda (com índice de 0,891), seguida de longevidade (com 0,887) e de educação (com 0,811).

São Caetano do Sul, São Paulo
Reprodução Facebook
São Caetano do Sul, São Paulo

Na cidade, a expectativa de vida é de 78,2 anos de idade e isso se deve aos investimentos em cuidados ao idoso, que conta com uma forte coordenadoria municipal da Terceira Idade, onde a população, a partir dos 50 anos de idade, dispõe de diversos serviços especializados em quatro Centros Integrados de Saúde e Educação (CISEs), além da Universidade Aberta para a Terceira Idade.

Integrada à Secretaria de Saúde, a CISEs tem por objetivo garantir a execução de políticas específicas para a preservação da saúde física e mental do idoso; promover e estimular estudos, pesquisas e campanhas visando melhorias das condições de vida desta parcela da população; interagir com os segmentos municipais, estaduais e federais, no sentido de fiscalizar o cumprimento da legislação referente aos direitos do idoso; e opinar nas decisões do governo que estejam ligadas aos interesses desses munícipes.

Por lá, parcerias intersecretariais garantem inúmeros atendimentos e serviços como aulas gratuitas de ginástica, pilates, alongamento, musculação, vôlei adaptado, hidroginástica, yoga, dança, artesanato, teatro e musicoterapia, além de aulas de inglês, espanhol, italiano, português, francês e alemão.

Outro diferencial está ainda em oferecer desde assistência jurídica, psicológica e nutricional, até serviços de embelezamento com cabeleireiro e manicure.

O programa Experiência em Ação, da prefeitura, visa oferecer oportunidade de trabalho para pessoas com mais de 65 anos de idade, nas unidades de saúde e de educação.