Com quase 900 blocos de rua programados para 2020, a cidade de São Paulo recentemente entrou para a lista dos queridinhos do carnaval .

festa arrow-options
shutterstock
Carnaval em são paulo

Multicultural, a festa busca agradar até aos que não gostam tanto da tradição: pop, rock, pagode e até o eletrônico estão entre os ritmos que podem ser encontrados sem dificuldades nas ruas e no sambódromo. 

De acordo com a plataforma de viagens Decolar.com, as pesquisas de passagens e hospedagens para o carnaval em São Paulo  superaram festas tradicionais como o carnaval de Salvador, com espera de mais de 15 milhões de pessoas para a folia de momo. 

Leia mais: Carnaval: 62% devem gastar até R$500 nos quatro dias de folia

Para curtir da melhor maneira, porém, é importante ficar atento à agenda e perfil dos blocos. Centro, Pinheiros e a região da Zona Sul são pontos onde, tradicionalmente, os blocos mais famosos se concentram, o que facilita o acesso pelo transporte público. 

Os blocos Sargento Pimenta, que traz uma nova roupagem aos clássicos dos Beatles; Bicho Maluco Beleza, que conta com o cantor Alceu Valença; Minhoqueens, que atrai o público LGBT ao Centro da cidade e o bloco afro Ilú Obá de Min são algumas das agremiações mais procuradas nos quatro dias de folia. 

Além dos chamados “bloquinhos”, que ganharam as ruas da cidade nos últimos anos com orquestras de sopro, baterias de samba e, muitas vezes, pequenos trios elétricos, a capital conta com o sambódromo do Anhembi.

No sambódromo , a Liga das Escolas de Samba de São Paulo, com cerca de 30 agremiações, desfilam durante os quatro dias com sambistas e carros e alegóricos. As vendas presenciais de ingressos para o desfile do grupo especial - nos dias 21 e 22 de fevereiro - já começaram e vão de R$90 (arquibancada) a R$10 mil (camarote). 

Em qualquer programação, porém, o fluxo de movimento é o mesmo: sábado e domingo de carnaval são os dias mais cheios e contam com atrações principais. Isso acontece porque, diferentemente de algumas capitais, a segunda e terça-feira nem sempre são feriados nos estabelecimentos paulistanos. 

Quanto custa viajar? 

Para se hospedar na capital paulista, os preços seguem o padrão da maioria das grandes cidades do país sem grandes alterações na temporada, com opções de albergues entre R$ 50 e R$ 200 por diária e hotéis que vão desde os econômicos (R$250 a diária em localização privilegiada) aos mais luxuosos, que cobram em média R$1.300 pela acomodação de casal.  

Leia mais: Rio de Janeiro se prepara para 50 dias de carnaval

Já o valor das passagens aéreas para a capital paulista, de acordo com pesquisa feita no dia 28 de janeiro, já mostram alterações devido a alta procura. Para ir de Brasília para São Paulo entre os dias 21 e 26 de fevereiro, por exemplo, será necessário desembolsar no mínimo R$510. Já para quem sai do Rio de Janeiro no mesmo período, o valor vai para R$916. O trecho entre São Paulo e Recife, no Nordeste, custa R$1.960 nos dias de carnaval.

Para experimentar as delícias da cidade sem gastar muito, a dica é procurar descontos em aplicativos de ofertas locais, como o Peixe Urbano. Grandes restaurantes como Applebee's, Coco Bambu, Pizzaria Monte Vero, Chalezinho, Quintal do Espeto, entre outros estão com preços mais em conta na plataforma. Quem quiser estender o bloco para um bar, também é possível encontrar porções, cervejas e drinks por valores mais baixos.                                                     

Fuja dos perrengues em São Paulo

carnaval arrow-options
shutterstock
Blocos de rua crescem em São Paulo

Megalópole, São Paulo não é diferente no carnaval. Não é difícil encontrar blocos que reúnem, por exemplo, número próximo a um milhão de foliões nas ruas. Embora seja uma festa grandiosa, o dado aponta para a possibilidade de multidões desconfortáveis e muitas filas, inclusive nas estações e metrô. 

Uma dica importante para evitar perda de tempo e tumultos é comprar bilhetes de ônibus e metrô, se possível, um dia antes do início da festa. Caso você possua o bilhete único da cidade, não esqueça de checar quantas passagens ainda possui e recarregá-lo se necessário.

Ainda sobre transporte, outra dica que vale para a maioria das festas no carnaval : ainda que os seus planos não envolvam bebidas alcoólicas, evite locomover-se pela cidade de carro. Além das ruas fechadas que podem travar o trânsito em determinados pontos, a quantidade de pedestres aumenta por motivos óbvios. 

Outro ponto que não deve ser esquecido nas festas de rua é que, embora já seja comum o uso de maquinetas de cartão de crédito e débito pelos vendedores ambulantes, a melhor alternativa ainda é o uso de dinheiro em espécie, que dificulta golpes e - quando trocado - facilita compras mais rápidas no meio da multidão. 

Especial sobre carnaval no iG Turismo

As dicas sobre o carnaval em São Paulo abrem uma série sobre a folia em diversas cidades pelo Brasil. Ao longo da semana vamos dar dicar de como aproveitar e quanto gastar para passar o carnaval no Rio de Janeiro, em Salvador, em Olinda e em Belo Horizonte. 

    Veja Também

      Mostrar mais