Tamanho do texto

Repleto de "doces" gigantes e espaços interativos, museu abre as portas nesta quinta e promete ser o lugar mais "instagramável" e feliz do Brasil

Pelos próximos dois meses,  São Paulo  ficará um pouco mais doce. A capital paulista recebe a partir desta quinta-feira (20) o Museu Mais Doce do Mundo, espaço que promete proporcionar "momentos felizes" aos fãs de marshmallows, sorvetes e brigadeiros e se tornar o lugar mais "instagramável" do Brasil.

piscina
Mayara Aguiar/iG São Paulo
Piscina de "marshmallow" é a primeira atração que o visitante encontra ao entrar no Museu Mais Doce do Mundo

O Museu Mais Doce do Mundo  teve sua primeira edição em Lisboa, capital de Portugal, e é idealizado pela portuguesa Carla Santos. Por lá, as pessoas poderão conferir 15 ambientes, divididos em dois andares, que contam com "doces" gigantes e instalações feitas para despertar as memórias afetivas por meio de cores, cheiros, tatos e sabores.

Com o lema "Diga Sim à Felicidade", a proposta do evento é fazer com que todos tenham experiências alegres e usem os espaços para fazer fotos para o Instagram. "Essa é a minha rede social favorita", pontua Carla. Ela diz que a ideia surgiu enquanto usava o aplicativo e viu que já existia algo similar nos Estados Unidos, mas nada igual na Europa.

Carla Santos
Mayara Aguiar/iG São Paulo
Carla Santos é a idealizadora do Museu Mais Doce do Mundo

Em Portugal, com o nome de The Sweet Art Museum , o projeto abriu em 31 de maio e durou até setembro. "Era para ser só três meses, mas tivemos que prolongar. Recebemos por volta de 25 mil pessoas, com praticamente todas as sessões esgotadas. E muitos brasileiros visitaram. Eles adoraram. Então, pensamos: por que não fazer a nova edição aqui?", explica Carla.

Ao entrar, o visitante já encontra logo uma piscina de "marshmallow" – e duas boias que tornam as fotos ainda mais divertidas. O cheiro do confeito também é bem característico no espaço. Em seguida, frases que remetem à felicidade podem ser vistas. Um cenário com donuts também se destaca. Há ainda um local todo revestido com espelhos com a palavra "sweet".

museu
Mayara Aguiar/iG São Paulo
Sala de quindim foi feita exclusivamente para a edição do Brasil e oferece uma atividade interativa aos visitantes

A sala do quindim, por sua vez, foi feita exclusivamente para a versão brasileira. Lá, além de tirar fotos ao lado dos doces , é possível passar por uma experiência interativa, que simula, através da tecnologia, a criação do doce. O objetivo é produzir a maior quantidade possível dentro do tempo estabelecido. No final, dá para saber o número exato produzido.

No caminho para subir as escadas, há desenhos feitos pela grafiteira mineira Maria Raquel, criadora do personagem Bolinho. A profissional sempre foi apaixonado por doces e, desde 2009, começou a desenhar bolinhos. Ao conhecer seu trabalho, a organização do projeto a convidou para fazer parte.

Maria Raquel
Mayara Aguiar/iG São Paulo
A grafiteira Maria Raquel, de Belo Horizonte, foi convidada pela organização do evento para fazer "desenhos doces"

"Recebi um e-mail com o título O Museu Mais Doce do Mundo e já fiquei louca pensando o que é era. O nome já me deixou empolgadíssima. Achei que tinha tudo a ver comigo e com o meu trabalho e veio a ideia de pintar. O espaço é maravilhoso. E deu tudo certo. Vim fazer as pinturas", aponta Maria, que finalizou os desenhos em apenas dois dias.

Mais atrações 'instagramáveis' do local

Já no espaço dedicado ao brigadeiro, no segundo andar, o visitante encontra uma atividade que deixa os cabelos e os pelos do corpo arrepiados. Ao lado, pode-se aproveitar os sorvetes que estão espalhados pelo local para tirar fotos em diferentes poses e, assim, compartilhá-las no Instagram.

Em seguida, ainda há a oportunidade de fazer registros em uma moto, como se a estivesse dirigindo, com direito até a ventilador para simular o vento nos cabelos por conta da velocidade. Ver uma esteira de cookies saindo do forno, tirar fotos com unicórnios, sentar em um sofá com o letreiro "Se Juntos Causam, Imagina Juntos" são outras atrações oferecidas.

museu
Mayara Aguiar/iG São Paulo
Ainda no local, o visitante pode tirar um foto neste sofá, que conta com a frase "Se Juntos Causam, Imagina Juntos"

A empresa Aúna é a responsável por trazer o projeto ao Brasil. Segundo a diretora Luzia Canepa, o evento foi um sucesso em Portugal e os brasileiros também mereciam uma experiência assim. Depois de São Paulo, é a vez do Rio de Janeiro receber o museu. O local conta com a parceria de marcas como Bauducco, Leite Moça, Itubaína, Multiplan, Perfumaria Puig, Docile e Huawei.

Confira mais fotos:


Informações sobre o Museu Mais Doce do Mundo

Os ingressos - R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia-entrada) - estão disponíveis pelo site www.eventim.com.br ou na própria bilheteria do local. Ao comprar o bilhete, o visitante seleciona o horário que deseja. O roteiro é feito em grupos de até 20 pessoas. Menores de 14 anos precisam estar acompanhados dos pais ou responsáveis. 

O Museu Mais Doce do Mundo abre nesta quinta-feira e fica até dia 18 de agosto, das 11h às 21h de terça-feira a domingo. O espaço fica na rua Colômbia,  n° 157, no Jardim América. A cada ingresso vendido, o local doará R$ 0,50 para a instituição Renovatio, que promove exames de vista e doação de óculos de grau para crianças e adolescentes.