O advogado Charles Banner e sua família foram removidos de um voo em Londres
Andrew Valdivia / Unsplash
O advogado Charles Banner e sua família foram removidos de um voo em Londres

O advogado Charles Banner e sua família foram escoltados em um voo da British Airways, que saia de Londres, por policiais armados. O fato aconteceu depois de discutirem com os funcionários da cabine: os profissionais se recusaram a deixar a babá das crianças se juntar a eles na classe executiva.

Charles Banner deixou o avião acompanhado por seus dois filhos, de 1 e 4 anos, sua esposa, Tetyana Nesterchuk, e sua babá enquanto os oficiais observavam. A família ficou de castigo após embarcar no voo 2578 da BA do aeroporto de Heathrow para Turim, na última quinta-feira (10). 

A confusão começou após Banner ser informado de que a babá das crianças só havia recebido um assento na classe econômica. O advogado, no entanto, havia comprado todas as passagens para a classe executiva. Segundo a companhia aérea, a BA vendeu o voo em excesso. 

Quando Banner perguntou aos funcionários da cabine se a babá poderia acompanhá-los na classe executiva, porque ele e a mãe das crianças queriam trabalhar durante o voo de duas horas, o advogado afirma que a equipe do avião da BA foi rude com a família. 

O debate se acirrou quando o avião começou a sair da base, levando o piloto a dar meia-volta e insistir que só voaria até que Banner e sua família fossem removidos. O voo atrasou 90 minutos.

Banner disse ao MailOnline: “Se a BA tivesse me dito que a babá não poderia se sentar conosco antes, não teríamos viajado e poderíamos ter comprado um voo mais tarde. Mas só nos disseram isso quando chegamos ao portão de embarque”.

“Eu me comportei perfeitamente, mas estava desafiando a tripulação de cabine porque era a coisa certa a fazer. A mesquinhez e vingança da equipe causou isso. Eu estava sendo muito educado sobre a coisa toda”, afirma.

Leia Também

“Foi um evento muito perturbador para toda a família e a forma como fomos tratados foi terrível, em contraste com mais de 15 anos de experiências agradáveis ​​em voos da BA como cliente regular”, acrescenta.

Banner afirmou que, embora houvesse um assento vago perto dele na classe executiva, a equipe da cabine insistiu que a babá ainda não podia sentar nele e ajudar a cuidar de seus filhos, levando-o a informá-los de que havia feito uma reclamação oficial sobre sua conduta ainda no avião.

“Isso foi surpreendentemente muito perturbador e frustrante para todos nós, como teria sido para qualquer família nessa posição. Continuamos pedindo uma explicação e a tripulação continuou nos dizendo repetidas vezes em resposta que seríamos compensados, ignorando nosso pedido de explicação sobre por que o assento sobressalente não poderia ser usado”, explica

Depois de deixar o avião, Banner diz que foi forçado a reservar um hotel perto de Heathrow por causa de seus filhos pequenos, já que estava ficando tarde. A família então pegou um táxi para o aeroporto de Gatwick no dia seguinte e reservou novos voos para Turim com a Easy Jet.

Ele estima que todo o incidente lhe custou quase £ 4.000 (R$ cerca de 23 mil) e está exigindo compensação financeira da BA, bem como um pedido de desculpas completo. Ele prometeu nunca mais voar com a companhia aérea, mas admitiu que já recebeu duas desculpas verbais.

“A BA me deu vouchers como compensação, mas eu não os quero, quero um reembolso em dinheiro. Houve muitos custos indiretos para mim como resultado deste incidente”, alega.

Um porta-voz da BA disse: “Não toleramos comportamentos perturbadores e a segurança de nossos clientes e tripulação é nossa principal prioridade”.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários