Tamanho do texto

Entender como funciona o metrô, quanto dar de gorjeta e outros detalhes vão facilitar - e muito - a sua "estreia" na Big Apple

Alguns destinos são clássicos e nunca saem do gosto popular e um deles é Nova York. A "Big Apple" atrai turistas que querem conhecer o Central Park, ver peças na Broadway, passar um dia no MET, visitar a Estátua da Liberdade... A lista é extensa. Entretanto, quem vai para lá pela primeira vez pode ter alguns receios. 

Times Square arrow-options
shutterstock
Vai para Nova York pela primeira vez? Veja dicas para não passar perrengue e ainda ecnomizar


Leia também: 10 novidades para você explorar nos cartões-postais de Nova York

Nova York  pode assustar à primeira vista. "Existe uma energia inegável em cada esquina e uma infinidade de eventos e atividades que não encontramos em nenhum outro lugar deste globo. Entretanto, é importante entender que toda essa agitação tem por trás milhões de pessoas de diversos países e culturas diferentes que se somam aos costumes locais – o que normalmente gera vários choques culturais, principalmente na comunicação", comenta Cris Vieira, expert em idiomas e cultura norte-americana. 

Mas para evitar maiores perrengues - e até evitar erros bobos no inglês - Cris dá dicas para quem vai para Nova York pela primeira vez. 

1. O metrô de Nova York

metro de ny arrow-options
shutterstock
Metrô de Nova York pode parecer confuso porque várias linhas passam na mesma plataforma, mas basta ficar atento

Diferente de cidades como Orlando, onde ajuda muito alugar um carro para se locomover, em Nova York isso é totalmente dispensável. O trânsito é bem caótico e você não precisa passar por isso. A dica aqui é usar transporte público.

A rede de metrô na cidade é extensa, mas pode apresentar uma pegadinha para quem não é local e está acostumado ao metrô de São Paulo, por exemplo. Na capital paulista, basta escolher o destino e pegar o trem que passa daquele lado da estação. Em NY, mais de um trem passa do mesmo lado da estação. 

O primeiro passo, segundo Cris, é saber se você precisa ir para Uptown ou Downtown. Depois, veja qual a cor e a letra do trem que vai para o seu destino e fique atento a essas informações ao esperar na plataforma para não embarcar para o lugar errado. No mesmo ponto passa o trem B e o trem C, por exemplo. "Fique atento ao número ou letra. Duas linhas de uma mesma cor podem te levar pra lugares completamente diferentes em Nova York", reforça a especialista. 

metrô em NY arrow-options
shutterstock
Em Nova York, preste atenção à cor e à letra do trem antes de entrar para não ir para lugar errado

Entretanto, não há motivo para pânico. "Todo mundo se desespera quando chega pela primeira vez em um metrô de Nova York. Mas, na verdade, ele é muito sinalizado - com raras exceções", comenta Cris. 

Ainda assim, prepare-se para encontrar algumas estações lotadas, sujas e antigas pelo caminho. Mas, no geral, tudo funciona. 

Se precisar pedir alguma informação a um local, lembre-se que, como ressalta Cris, o novaiorquino não usa muito a palavra "subway". Ele prefere dizer "train".

2. Novaiorquino não é tão frio quanto falam, mas vale alguns cuidados

ruas de ny arrow-options
shutterstock
Se precisar, peça ajuda para os novaiorquinos, mas lembre-se de algumas regras, como manter uma certa distância

E se tiver alguma dúvida, tente - de fato - pedir ajuda. Os novaiorquinos têm fama de frios, mas, como em todo lugar, há gente disposta a ajudar. Eles são, no geral, apenas mais diretos e objetivos.

"Esse rótulo que colocamos no americano se desfaz no momento em que você se vê agindo da mesma maneira prática que eles, pois isso é o que NY exige de você: foco no trabalho e nos objetivos", sugere a especialista. 

Mas não se abale se tentar falar inglês e receber uma resposta em espanhol enquanto tenta comprar alguma coisa ou pedir um lanche no fast food, por exemplo. Como há muitos latinos ou de família latina na cidade, é comum que os locais, quando notam que o brasileiro não domina a língua, fale em espanhol, bem mais próximo do português que o inglês. 

E aqui, mais uma dica da Cris é estar ciente de manter uma certa distância física das pessoas. "Novaiorquinos (entenda-se aqui todos os moradores de NY, mesmo que de outros países) mantêm uma distância física maior do que a dos brasileiros. E se esbarrar em alguém, diga 'sorry'. É o que se espera de todos aqui". 

3. Dá, sim, para comprar ingressos bem baratos para a Broadway

tkts arrow-options
shutterstock
TKTS é uma ótima opção para comprar ingressos mais baratos para espetáculos no mesmo dia. No local há informações sobre as peças com entradas ainda disponíveis e o valor dos descontos

Broadway é o local que reúne diversos teatros, com espetáculos dos mais tradiocionais, como "Rei Leão" ou " Fantasma da Ópera", aos alternativos e menores, do chamado "Off-Broadway". Você pode comprar seu ingressos com antecedência ou deixar para fazer isso no dia das apresentações e conseguir descontos bem significativos. 

Leia também: 10 passeios em Nova York para quem não quer gastar

Uma opção é comprar os tickets nos guichês da TKTS. Como lembra Cris, o mais conhecido fica atrás da tradicional escadaria da Times Square. "Não são todas [as peças] que estão disponíveis e pode mudar de um dia para o outro, mas vale muito a pena", completa.

Se a ideia é só ver um musical de perto, essa é uma excelente opção. Entretanto, se tiver um espetáculo que faça questão de ir sem excessão, como "Fantasma da Ópera", garanta o ingresso antes mesmo. 

Cris ainda dá mais uma sugestão: os rush tickets. Eles são vendidos na bilheteria do próprio teatro e também não incluem os espetáculos mais tradicionais, mas garantem economia para quem está aberto a explorar as opções em cartaz. "Tudo que você precisa fazer é chegar no teatro às 10 da manhã e aguardar na fila pra comprar. Você pode conseguir ingressos por $40", afirma. 

4. Nada de pressa nos restaurantes

taça de vinho arrow-options
shutterstock
Ao chegar a qualquer restaurante, espere ser atendido antes de se sentar em alguma mesa

"Nunca chegue e vá sentando. Não só em NY, mas no país todo, a gente tem que esperar pela mesa", alerta Cris. "Às vezes, quando o restaurante está vazio, eles até falam pra gente 'anywhere you like' (qualquer lugar que você quiser), mas a regra é sempre esperar para ser levado até a mesa", continua a especialista. 

Além disso, lembre-se que muitos restaurantes da cidade pedem que se faça reserva, principalmente para o jantar. 

5. Gorjeta é um assunto muito sério em Nova York

gorjeta arrow-options
shutterstock
Não deixe de dar gorjeta em Nova York. Regra vale para restaurante, hotéis, salão de beleza e táxi

"Esse tema merece ser explicado separadamente, pois é um tópico muito sério. Por uma simples razão: aqui os garçons e garçonetes depenem da gorjeta para viver", fala Cris. "Não é como no Brasil que os garçons têm carteira assinada. Aqui, você vai perceber que a maioria é estudante, ator, pessoas que estão lutando para conseguir pagar o aluguel. Portanto, é uma ofensa gravíssima não deixar gorjeta ", destaca. 

O normal é deixar 20% (ou então dobrar o valor do imposto cobrado na conta, pra facilitar). "Agora, se você não gostar do serviço pode dar 15% ou 10%, mas não dar nada é realmente ofensivo", ressalta Cris.

Segundo a especialista, a regra se aplica a restaurantes, táxis, salão de beleza e hotéis. 

6. Não tenha medo de falar inglês

pessoa pedindo um café arrow-options
shutterstock
Deixe a vergonha de lado e tente conversar em inglês durante a viagem para Nova York

Cris, que que também é fundadora da escola de inglês American Ways, localizada em Manhattan, encoraja o turista a se arriscar no inglês durante a viagem para Nova York .

"Se você está preocupado com o seu sotaque aqui em NY, deixa eu te dizer duas coisas: Não há nada errado em ter sotaque. Ele diz quem somos e faz parte das nossas origens. A pronúncia, sim, deve ser clara, mas sotaque é até bem charmoso. E com milhões de pessoas vindas de tantos países diferentes, você acha mesmo que vai ser o único com sotaque? Então, relaxa". 

Leia também: Conheça pontos turísticos pouco explorados por turistas em Nova York

Mesmo assim, vale tomar alguns cuidados: 

  • Você não tem que falar inglês como uma metralhadora pra mostrar fluência. Fale devagar e dê acabamento às palavra em inglês. 
  • Se não entendeu o que a pessoa falou, peça para que ela repita, sem se sentir mal.
  • Se a pessoa se irritar porque não está entendendo o que você está falando, diga “I’m sorry, but English is not my first language.”(desculpe, mas inglês não é minha primeira língua).
  • Se a pessoa mostra resistência por conta do seu sotaque, não desista! Digamos que essa pessoa seja o vendedor do bilhete do trem, diga a ela “Excuse me, I need your help, but you need to let me finish what I’m saying first.” (desculpa, eu preciso da sua ajuda, mas você precisa me deixar terminar de falar primeiro). Mostre autoconfiança – esse é o segredo pra ser respeitado por aqui. Palavra de quem já passou por isso antes