Tamanho do texto

Igor Galli é considerado a pessoa mais viajada do mundo para sua idade e é colunista do iG Turismo. Nesta semana, ele conta a experiência de escalar o Elbrus, maior montanha e vulcão do continente europeu

Uma das coisas que mais amo fazer na vida é escalar e meu sonho é completar as Seven Summits (os maiores picos de cada continente). Quando estava em uma viagem pela Europa fiz questão de conhecer o Elbrus, a maior montanha e vulcão desse continente, com 5.642 metros de altura.

Leia também: Histórias de um viajante: sufoco por dormir na rua em uma cidadezinha da Noruega

Igor Galli conta a experiência de escalar a maior montanha da Europa
Arquivo pessoal
Igor Galli conta a experiência de escalar a maior montanha da Europa


Financeiramente, a escalada da Europa é a mais barata de todas as que formam os Seven Summits e é considerada a segunda mais fácil de escalar, ficando atrás somente do Kilimanjaro – localizado na África.

Elbrus fica na região do Cáucaso, quase na fronteira com a Geórgia. A maioria das pessoas opta por realizar a subida através de um tour, começando no aeroporto Mineralnye Vody, e no meu caso não foi diferente. Na época, contratei a Pilgrim Tours, por ser uma agência boa e barata.

Detalhes da aventura

O período que pode ser realizada a escalada na montanha  vai de junho a primeira semana de setembro, e por eu ter chegado à região quase no final desse período, reservei o último tour da temporada. O tempo que se leva para realizar essa aventura varia de oito a 10 dias. Resolvi fazê-lo em apenas oito dias por questão de tempo e grana.

Para subir o Monte Elbrus são necessários de oito a dez dias
Arquivo pessoal
Para subir o Monte Elbrus são necessários de oito a dez dias


Estava feliz com meu grupo formado por 16 pessoas, todos já com experiências em várias outras montanhas do nosso planeta. Passamos três dias nos agrupando, alugando equipamentos e nos acertos finais.

Leia também: Histórias de um viajante: imprevisto no Kuwait resulta em viagem para Maldivas

Nosso acampamento base, o Barrels Huts, estava localizado a 3.800 metros de altitude. Depois de passarmos mais dois dias aclimatizando, era hora de ir ao topo da montanha. Para alcançar o pico e voltar para o acampamento base foram necessárias 16 horas de caminhada, o que é extremamente difícil.

Desafios durante o percurso

Acordamos à uma hora da madrugada e a temperatura atingia os -20°C. Ventava e fazia muito frio. Lembro que quando o sol nasceu já estava congelando. Na montanha, andávamos em fila indiana. Um passo atrás do outro, tudo bem devagar.

O grupo do viajante teve que escalar em fila indiana
Arquivo pessoal
O grupo do viajante teve que escalar em fila indiana


Infelizmente pegamos um mal tempo quando estávamos quase no topo. O guia estava quase desistindo de continuar a escalada. Cinco pessoas do meu grupo já tinham desistido, ou seja,  1/3 havia abandonado a aventura. Eu já estava viajando há alguns meses e, mesmo sem ter treinado para escalar a montanha, não queria desistir.

Desistir ou continuar?

Chegou uma hora que não tinha mais força no meu corpo. Toda energia já havia se esgotado. Por duas vezes tive que trabalhar minha mente para manter meu corpo firme. Com fé, orei muito também pedindo forças para continuar. Por fim, bem devagar e não muito consciente, consegui chegar ao topo.

Estava muito feliz! Porém, não conseguia expressar minha felicidade por causa do cansaço. Por volta das 16h, chegamos de volta ao acampamento base, apenas tirei meu agasalho de três camada e fui direto para cama. Dormi até às 9h do outro dia.

Igor conseguiu chegar ao topo do Monte Elbrus e se orgulha de ter completado o desafio
Arquivo pessoal
Igor conseguiu chegar ao topo do Monte Elbrus e se orgulha de ter completado o desafio


Esse foi mais um feito na minha vida eu tinha completado. Hoje me sinto muito mais forte, tanto fisicamente como mentalmente e espiritualmente. Elbrus, na Europa, foi a primeira montanha do Seven Summit que consegui chegar ao topo, agora que venha as próximas seis. Para ver mais histórias do viajante, acompanhe a coluna de Igor Galli no iG Turismo .