Depois de usufruirmos da melhor estrutura na areia, chegava o dia de irmos para o bangalô na água, aquele bangalô símbolo das Maldivas, que estão em todas as fotos e que deixa todo mundo com vontade de visitar esse paraíso. Nós queríamos ter as duas experiências nesse hotel das Maldivas , a final ir até lá e não ficar em um bangalô na água não seria uma viagem completa.

undefined
Arquivo pessoal
Bangalô na água

Assim como todo o cuidado especial do nosso Bulter Shinan, nossas malas foram direcionadas para o nosso novo quarto rapidamente. Ele apenas bateu na nossa porta avisando que nossa nova estadia estava nos esperando. Fizemos o trajeto do quarto da praia até o bangalô na água com o carrinho de golf, principal meio de transporte da ilha. Passamos por quase todos os outros quartos do hotel e percebemos que os bangalôs na água são bem mais isolados.

undefined
Arquivo pessoal
Chegando ao bangalô 38

Até então não tínhamos usado muito os carrinhos de golf para nos locomovermos na ilha, mas com esse bangalô mais longe, esse transporte seria bem vindo principalmente para fugirmos do calor e ganharmos tempo. Já estávamos no deck de madeira sobre a água. Que vista linda. Ele nos direcionou para o quarto 38, abriu a porta e tomamos aquele espanto.

Quarto do bangalô

Sinceramente já esperávamos algo muito bonito, confortável e único. Mas daquele tamanho? Com toda aquela estrutura? Ficamos admirados. O quarto é totalmente privativo e sossegado. Claro que todas as janelas são de vidro para se usufruir da vista da melhor maneira possível. Logo que entramos nos deparamos com um piso de vidro na sala. Gisella logo sentou e não queria mais sair do chão de vidro que nos fazia flutuar sobre a água.

undefined
Arquivo pessoal
Chão de vidro do bangalô

Podíamos ficar horas admirando o mar sob os nossos pés. Assim como no outro quarto da praia, serviço de café, água cortesia, sistema totalmente eletrônico, duas TVs, piscina privativa e Jacuzzi fazem parte do quarto, além de, claro, o acesso exclusivo ao mar, com a sorte de nosso quarto estar virado para o pôr do sol. No momento que entramos no quarto tivemos a certeza que a viagem estava se completando ali.

undefined
Arquivo pessoal
Aproveitando a vista do chão de vidro do bangalô

A cama do quarto era gigante! Deitamos rapidamente e mais uma vez a vista nos surpreende. Da nossa cama é possível ver o nosso deck e toda a vista do mar sem fim. Durante a noite as nossas únicas companhias eram as estrelas na imensidão de céu , se misturando com a beleza do mar. O que mais gostávamos de fazer era deitar no deck da piscina e admirar as estrelas por horas, simplesmente não fazendo nada, só curtindo o visual e esperando para ver uma estrela cadente.

Bangalô na água

undefined
Arquivo pessoal
Vista da Jacuzzi do bangalô

Continuando nosso passeio pelo quarto já era a hora de ir até o banheiro. Quantas portas e janelas num único quarto. Uma jacuzzi branca enorme localizada no meio do banheiro com uma janela com mais uma vista para o mar. Da porta do banheiro é possível chegar ao deck da piscina privativa, que para deixar a paisagem ainda mais bonita, essa era uma piscina de borda infinita. De lá é possível ver e admirar toda a vinha marinha, peixes, corais, tubarões e arraias que ficam passeando ao nosso redor.

undefined
Arquivo pessoal
Deck do bangalô

O Fernando adorou ter um deck no quarto. Bastava dar um tempinho e ele saia correndo para mergulhar. Tem uma escada que liga o deck ao mar e facilita ainda mais o acesso ao mergulho. Como o hotel disponibiliza máscaras e pé de patos o mergulho fica ainda mais atrativo.

Outro ponto forte de estar no bangalô na água é admirar o pôr do sol, que faz um show a parte impossível de não prestar atenção e admirar. A beleza é tanta que é possível esquecermos das outras atividades que o hotel oferece. Diferente da experiência do quarto na praia onde ficamos por 5 dias, os bangalôs sobre a água trazem uma outra perspectiva do hotel. No primeiro momento achamos que seria cansativo sair do quarto e andar por pelo menos 10 minutos até chegar na ilha do hotel, mas depois descobrimos que o objetivo é justamente esse. Não precisa nem sequer deixar o quarto para curtir as belezas desse lugar . Podemos dizer que são dois hotéis separados!

undefined
Arquivo pessoal
Visto do mar para o bangalô

O bangalô sobre a água é maior e também mais caro. A diferença de preço acaba beirando os 30% a mais, então muitos casais acabam fazendo o mesmo que nós, escolhendo ficar na praia por mais dias e passar pelo menos umas duas noites na água. Achamos que a experiência de ficar nos dois bangalôs vale mesmo para aqueles casais que podem e estão dispostos a pagar para ficar uma semana sobre a água, pois experimentando as duas opções é possível conhecer dois lados diferentes do hotel.

Viagem em família

undefined
Arquivo pessoal
Mergulhando no bangalô

Para quem ainda tem a ideia de levar a família para esse lugar, algo que não sabíamos que era tão comum, até chegarmos lá, o hotel oferece bangalôs com mais de um quarto. Ficamos surpresos em encontrar tantas famílias com crianças curtindo esse paraíso, um lugar que achávamos que era quase que totalmente frequentando por casais.

Com certeza o bangalô na água é cheio de luxo e de desejo, pintando a imagem típica de uma passagem pelas Maldivas . Quem não sonha em viajar e poder usufruir dessa maravilhosa experiência. Nos dois últimos dias nesse hotel, curtimos muito mais a estrutura do quarto do que todo o resto do hotel.

undefined
Arquivo pessoal
Bangalô a noite

Durante o dia, o mergulho e o banho de sol na piscina eram as atividades favoritas, as vezes acompanhados por um serviço de quarto. Só as vezes, pois o custo por ali é bem salgado. Durante a noite, observávamos as estrelas e o único barulho que se podia ouvir eram as ondas do mar atendo nas colunas que sustentam os bangalôs. Para quem gosta de silêncio, natureza, ar puro e muito romantismo, esse é o lugar.

*Gisella e Fernando De Borthole são autores do site Sonho & Destino e escrevem semanalmente no iG Turismo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários