Tamanho do texto

O ator e jornalista Claudio Junior viajou com um grupo de amigos de Los Angeles a São Francisco e explica

Como diria Lulu Santos: "garoto eu vou pra Califórnia, viver a vida sobre as ondas, vou ser artista de cinema, o meu destino é ser star". Nosso convidado da semana na coluna é o ator e jornalista Claudio Junior, que viajou com um grupo de amigos de Los Angeles a São Francisco e nos conta com exclusividade como foi a experiência. 

Claudio Junior é ator e jornalista
Arquivo pessoal
Claudio Junior é ator e jornalista

A distância realmente assusta: são 500 milhas, ou 800 km, para quem escolhe o caminho à beira mar. Mas a recompensa é de surpreender qualquer um. Sabe aqueles dias ensolarados que a gente só vê em filme de Hollywood? Eles realmente existem e te acompanham com uma paisagem de arrepiar. 

A primeira dica é já alugar um carro no Brasil por alguma dessas locadoras famosas dos Estados Unidos, o custo é bem mais barato do que a tarifa de balcão. Um carro confortável vale muito mais que um carro conversível (não pode esquecer que as malas vão junto com você por todo o percurso). Hotéis também saem bem mais barato quando reservados com antecedência. Então, separe a caneta e anote todas as dicas do percurso.

Roadtrip: de Los Angeles à São Francisco

Separe dois ou três dias para fazer esse trecho de carro. Iniciando a rota, a saída de Los Angeles é pela praia, passando pelo Pier Santa Mônica e Venice, que é um dos lugares mais underground de toda a viagem. Lá a gente encontra gente diferente pra todos os lados. Hippies, rappers, gays, surfistas, atletas, crianças (que vão brincar no parque do Pier) e tantas outras infinidades de tipos. Vale a pena passear de bike pelo calçadão que liga as praias, ou sentar para tomar um sorvete e absorver a energia do lugar. Se você der sorte, vai conseguir ver focas em volta do Pier. Esses lugares são aconselháveis para o dia de chegada, assim você descansa após o longo voo até Los Angeles. Durma em algum hotel pela região e comece a viagem na manhã dia seguinte, para fluir melhor.

Santa Monica e Venice
Arquivo pessoal
Santa Monica e Venice

Pela estrada US-101, a segunda parada obrigatória é a praia de Malibu: mesmo não tendo todo o glamour que a gente acredita ter, por causa da série "SOS Malibu", é um lugar onde você verá mansões maravilhosas à beira mar e uma galera bonita malhando na praia.

Seguindo, não deixe de parar nos point views (escape para parar o carro na orla) que existem ao longo da estrada. Você verá as mudanças de paisagem, deixando a cidade para trás e começando a aventura, de fato, pela Rota 101. No nosso caso, numa dessas paradas, encontramos um rochedo imenso com uma trilha . No final dessa trilha estava tendo uma gravação de ninguém menos que Woody Allen. Para nós, foi surreal, mas para eles é supernatural.

Continuando o trajeto, pare em Santa Bárbara, uma cidade linda, limpa e muito charmosa. Mas, como nosso objetivo era chegar a tempo de ver o pôr do sol em Pismo Beach, seguimos viagem. A partir dalí, entramos em uma Highway (auto estrada) que não beira a praia, mas, em compensação, passa por muitos quilômetros de plantações de uva das vinículas da região. Chegando em Pismo Beach - conhecido pelos americanos como um dos pontos mais bonitos para se ver o pôr do sol na Califórnia, presenciamos um "desenho de Deus". O lugar é magnifico e, o que vimos, conseguimos registrar na foto abaixo.

Pismo Beach
Arquivo pessoal
Pismo Beach

Agora vem a maior dica: deixamos para escolher um hotel na estrada: não faça isso! Os valores aumentam 300%. Uma das únicas cidades da serra que tem hotel é Gorda, e a próxima cidade fica há 200 km de distância. O preço pra nós saiu bem salgado, mas reservando antes, você terá essa vista e esse café da manhã por um preço bem camarada. 

Café da manhã em Gorda
Arquivo pessoal
Café da manhã em Gorda

Com esse café da manhã acima, entendemos porque o nome da cidade é Gorda! É maravilhoso!

Seguindo estrada, depois de parar em mais uns quinze point views, no meio de uma serra fechada, é chegado o ápice da viagem: Big Sur. Começando pela cor do mar, muito semelhante ao mar caribenho, cercada de rochedos e uma vegetação de cores vivas. A estrada é recheada de faróis (aqueles de pescadores) e grandes pontes que interligam a serra, como a "Bixby Bridge", construída em 1931. Um pouco mais à frente, estão o parque estadual Julia Pfeiffer e o cartão postal da cidade, McWay Falls, uma cachoeira que desenboca no mar em um visual de arrepiar.

Bixby Bridge e McWay Falls
Arquivo pessoal
Bixby Bridge e McWay Falls

A praia formada em McWay Falls é, na verdade, um acidente geográfico. Antigamente, neste mesmo lugar, a cachoeira tinha sua queda nas pedras, mas, após uma grande tempestade, a areia da praia ao lado foi toda depositada no local, que ganhou uma nova praia. Por se tratar de uma reserva ecológica, não se tem acesso à praia, a vista é feita de dentro do parque que beira o local.

Seguindo viagem, próximo destino é Carmel. Resumidamente, essa cidade é o mais próximo que podemos chegar do bosque da chapeuzinho vermelho, ou a floresta de "Alice, no País das Maravilhas". Casas lindas com maravilhosos jardins com árvores de ramificação que parecem veias sanguíneas. Vale conhecer o parque estadual Point Lobos; além da beleza da vegetação e das lagoas, se você der sorte, verá baleias, golfinhos e focas. Nós demos sorte e vimos duas baleias passeando pelo local e se exibindo para os turistas em alto mar. O centro da cidade é muito charmoso e ótimo para almoçar e jantar, com restaurantes divinos em toda a avenida principal.

Carmel
Arquivo pessoal
Carmel

A cidade vizinha, Monterey é conhecida por ter o maior aquário do mundo. Reserve metade do dia para esse passeio ao aquário, ele é realmente gigante! Alguns tanques, na verdade, são o próprio mar cercado por vidros com uma variedade de cardumes incrível. Os tickets saem por U$ 39 e podem ser comprados lá na hora mesmo.

Monterey
Arquivo pessoal
Monterey

De Monterey a São Francisco falta pouco. O trajeto é novamente pela Highway, dando adeus às paisagens naturais e espaço à urbanização de São Francisco. Logo na chegada à cidade, já se percebe um ar bem diferente. As pessoas parecem não ligar muito para esteriótipos, nem para vida alheia (o que é uma glória). Mas para falar sobre as peculiaridades de São Francisco e a vida agitada de Los Angeles, deixamos para um próximo episódio. Essas duas cidades têm muito o que contar.

_______________________________________________________________________

Roberto Rodrigues
Arquivo pessoal
Roberto Rodrigues

* Roberto Rodrigues é jornalista, empresário, bon vivant, adora viajar, conhecer lugares pessoas, é fã de gastronomia e frequenta os melhores botecos, pubs, bistrôs do mundo.

Completamente apaixonado por Las Vegas, Miami, New York e Europa, ele divide aqui no iG, toda quinta, suas experiências e dá dicas de como tirar proveito em viagens, seja no Brasil ou exterior.