Cidade que encantou a família imperial mantém seu charme com casarões bem preservados, muita área verde e excelentes restaurantes

Palácio de Cristal foi trazido da França por Conde d'Eu
Flickr / Rodrigo Soldon
Palácio de Cristal foi trazido da França por Conde d'Eu
Localizada a apenas uma hora da capital do Rio de Janeiro, Petrópolis tem brilho próprio. Com um clima ameno e muitas belezas naturais, a cidade que encantou a família imperial também foi endereço de veraneio de personagens importantes da história brasileira, como Santos Dumont, Ruy Barbosa, Barão de Mauá e Joaquim Nabuco.

Com seu passado histórico bem preservado e uma infra-estrutura turística das mais modernas, a cidade recebe hoje visitantes de todos os tipos, desde a elite da sociedade fluminense, a casais apaixonados e grupos escolares.

A história da Petrópolis tem início em uma das viagens feitas por Dom Pedro I. No ano de 1822, durante uma travessia pelo tortuoso Caminho do Ouro, que ligava o Rio de Janeiro a Minas Gerais, o imperador se hospedou em uma fazenda da região serrana. Ficou encantado com o lugar e comprou a fazenda do Córrego Seco, além de outras propriedades do entorno.

Com a abdicação de Dom Pedro I, seu filho Dom Pedro II herdou as terras. Ele ordenou o assentamento de uma povoação naquele trecho de serra e a construção do seu palácio de veraneio, pronto em 1847. Desde então, durante quase todos os verões em que governou o Brasil, o imperador mudava-se com a sua corte para Petropólis.

A Cidade Imperial

Quitandinha é o maior palácio do País
Flickr / Rodrigo Soldon
Quitandinha é o maior palácio do País
O seu palácio de verão abriga hoje o Museu Imperial, que possui um amplo acervo sobre a monarquia no Brasil, com preciosidades como o trono e a coroa de Dom Pedro II e a pena utilizada pela Princesa Isabel para assinar a lei áurea. Da frente do museu, saem os passeios de charrete pelo centro histórico.

Petrópolis possui ainda outras construções históricas, que valem, no mínimo, uma foto. O Palácio de Cristal (1884), um palacete com armações de metal e paredes de vidro, foi trazido da frança por Conde d’Eu e a Princesa Isabel. Já o Palácio Quitandinha (1944) é o maior palácio do Brasil e foi construído para ser um cassino.

A curiosa Casa da Ipiranga (1884) tem pequenas diferenças entre as fachadas do lado esquerdo e direito que lhe renderam o apelido de "Casa dos Sete Erros".

Outra construção de destaque é a Casa de Santos Dumont planejada pelo aviador e construída na encosta do antigo morro do Encanto. Por sua localização, foi apelidada de “A Encantada”. Lá, dá para encontrar alguns objetos pessoais do aviador, como seu inseparável chapéu Panamá.

A belíssima catedral de São Pedro de Alcantara, logo na entrada, guarda o Mausoléu Imperial, com os restos mortais de Dom Pedro II e sua mulher Dona Tereza, Conde d’Eu e Princesa Isabel.

Requintes de rei

Além dos atrativos históricos, Petrópolis possui vários restaurantes de qualidade que a torna um polo gastronômico invejado por muita capital. Os estabelecimentos se concentram sobretudo no entorno da Cidade Imperial, em Itaipaiva, Côrreas, Nogueira e Araras. Não faltam também opções de hospedagem para "dormir como um rei".

Petrópolis também se destaca como polo comercial. Na rua Teresa e no bairro do Bingen, é possível encontrar centenas de confecções de vestuário de pequeno e médio porte.

Petrópolis, acima de tudo, está em uma localização privilegiada cercada de belezas naturais. A cidade sedia parte do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, que conta com trilhas, cachoeiras e piscinas naturais. Uma das mais bonitas, a cachoeira Véu da Noiva, a cerca de 40 minutos da portaria, era muito visitada por Dom Pedro II.

Para os mais aventureiros, é possível fazer a pé um percurso de cerca de 40 quilômetros pelo interior do parque, de Petrópolisa Teresópolis, ou no sentido contrário. São três dias de caminhada pesada, com subidas e descidas, em um local rico em áreas de escaladas, cachoeiras e piscinas naturais. O pernoite é em campings e hospedagens simples. É recomendável que o percurso seja feito com o acompanhamento de um guia.


ENDEREÇOS:

Museu Imperial: Rua da Imperatriz, 220 – Centro. Terça a domingo, das 10h às 18h. R$8.

Palácio de Cristal: Rua Alfredo Pachá, s/nº - Centro. Terça a domingo, das 9h às 18h. R$5.

Palácio Quitandinha: Avenida Joaquim Rolla, 02 - Quitandinha

Casa da Ipiranga: Rua Ipiranga, 716 - Centro. Quinta à Terça-Feira, das 12h às 18h. Visita guiada. R$6.

Museu Casa de Santos Dumont: Rua São Pedro de Alcântara, 60. Terça a domingo, das 9h30 às 17h. Visita guiada. R$5.

Catedral São Pedro de Alcântara: Rua São Pedro de Alcântara, 60. Diariamente, das 8h às 18h.


* O iG Turismo não se responsabiliza pelos preços divulgados. Sugerimos confirmar preços com agências e operadoras de viagens, bem como possíveis taxas extras e formas de pagamento.



Acompanhe as novidades do iG Turismo pelo Twitter .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.