Diversas pesquisas recentes apontam que o brasileiro quer voltar a viajar . Segundo dados do Airbnb, os turistas nacionais buscam lugares próximos das capitais e tanto  locais do interior quanto as praias estão em alta

Entretanto, depois de meses de isolamento e pandemia, o olhar do turista para as hospedagens pode ter mudado. Redes de hoteis e resorts Brasil e mundo a fora reforçaram sistema de higienização e buscam reconquistar a confiança seguindo diversos protocolos em relação ao uso de máscara e limpeza das mãos . Plataformas como o Airbnb também adotaram políticas rígidas de limpeza. E agora, onde é melhor se hospedar? 

Para ajudar, o iG Turismo mostra as diferenças entre os tipos de hospedagens mais comuns. Veja os detalhes: 

Hotel

hotel
Pixabay/Reprodução
Hotel é a hospedagem clássica, e há uma gama gigante de opções, tipos de serviços e preços para o turista escolher

Essa é a hospedagem mais comum, com os mais variados preços, estilos e regalias. O hotel pode ou não oferecer alimentação (café da manhã, meia pensão ou pensão completa), conta com recepção 24 horas e algumas opções de lazer. 

Essa é a opção para quem busca conforto - nada de precisar arrumar a cama, por exemplo - e também quer conhecer e passear pelo destino. Se a ideia é passar o dia fora, vale optar por um hotel mais econômico, com uma cama confortável para recuperar as energias para o dia seguinte. Não são raros os casos de turistas que optam por hoteis cheios de atividades - e pagam mais por isso - e ficam o dia inteiro nos passeios. Coloque isso na balança antes de definir o seu hotel. 

Grandes redes como Accor, Atlantica e Nacional Inn costumam oferecer um serviço padrão e podem ser o ponto de partida para a escolha do hotel para sua viagem. 


Resort

Casa Grande Hotel
Divulgação
Casa Grande Hotel, no Guarujá, litoral de São Paulo, se encaixa na categoria resort

Já se a ideia for curtir o hotel, fazer refeições no local e aproveitar uma série de atividades, vá para um resort. Muitas vezes, o resort já é o destino. Geralmente são empreendimentos com boa infra-estrutra, amplos e mais distantes dos centros das cidades.

É uma ótima ideia para viagens com crianças pequenas , por exemplo, já que muitos contam até com cardápio exclusivo para os bebês e crianças, além de uma lista extensa de atividades monitaradas para eles. 

E uma curiosidade: enquanto os hotéis podem ser classificados no Brasil de uma a cinco estrelas, os resorts tem classificação a partir de quatro estrelas. 

Entretanto, todo conforto e regalia tem um preço. Hospedar-se em um resort nem sempre é barato, mas se a ideia é relaxar ou curtir em família naquele ambiente, pode valer a pena. 


Hotel boutique

hotel emiliano
Divulgação
Uma das suítes do Hotel Emiliano, em São Paulo. Uma diária em novembro custa a partir de R$1450*

Para quem busca os regalias e os luxos de grande hotel ou resort, mas sem toda aglomeração ou tumulto, vale procurar um hotel boutique. Geralmente são empreendimentos menores, que reúnem elementos de arte e um serviço exclusivo. 

Segundo dados do Ministério de Turismo, o conceito de hotel boutique foi trazido para o Brasil nos anos 90 pelo empresário Carlos Alberto Fernandes Filgueiras. Hoje, já está espalhado por todo o país. 

Pousada

pousada
Divulgação
No clima rural, a pousada Chalé das Flores em Sertãozinha é bem aconchegante

Para os turistas que gostam de um ambiente mais aconchegante e até mais em conta, vale optar pelas pousadas. De acordo com o Sistema de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass), trata-se de construções com, no máximo, 30 quartos e 90 leitos. Além disso, não podem ser um prédio, mas, sim, construções horizontais. 

Pousadas podem contar com quartos, chalés ou bangalôs e também podem ser classificadas de uma a cinco estrelas, como os hoteis. Geralmente há serviço de alimentação no local. 

Airbnb

O aluguel de casas e espaços pelo Airbnb é mais uma opção. Segundo pesquisa da plataforma, as viagens em família já estão em alta e são uma tendência para 2021. "Em muitos casos, são famílias em busca de um refúgio fora da cidade grande, e, ao mesmo tempo, com boa infraestrutura (como conexão à internet, etc), para conciliar férias com a família e trabalho em home-office", disse o Airbnb em levantamento divulgado no final de outubro. 

Alugar um casa tem o lado bom de acomodar diversos membros da família, mas não há serviços de arrumação ou alimentação, por exemplo, pontos que devem ser levados em conta ao escolher esse tipo de hospedagem. 

Hostel

hostel
Divulgação
Hostel geralmente conta com quartos compartilhados e um preço mais acessível

Para uma viagem ainda mais econômica, o hostel é a pedida. Muitas vezes, os quartos podem ser coletivos e os banheiros compartilhados, mas alguns estabelecimentos oferecem dependências privativas e podem ser uma boa alternativa para conhecer destinos paradisíacos com bom custo-benefício.

Na dúvida, busque por redes conhecidas e bem avaliadas, como HostelWorld e Hostelling International, que abrigam centenas de estabelecimentos credenciados no Brasil e no mundo. 

*preço consultado em 8/11/2020 no Google Travel

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários