Tamanho do texto

As companhias aéreas de baixo custo chegaram ao Brasil com boas opções de economia, mas nem tudo é como você imagina

O mercado das companhias aéreas de baixo custo chegou de vez ao Brasil. Em apenas doze meses, quatro low costs aterrissaram no território nacional: a chilena Sky, a argentina Flybondi, a norueguesa Norwegian e a chilena JetSMART.

Leia também: 6 dicas para realmente economizar nas companhias low costs

sky arrow-options
shutterstock
Empresas low cost chegaram com tudo no Brasil

Mas você sabe o que é uma low cost ? Segundo um estudo da plataforma Viajala com 32 milhões de usuários, 50,2% dos brasileiros nunca ouviram falar de low cost e 20,7% já ouviram falar, mas não entendem o termo. Então como aproveitar um serviço se o viajante nem o conhece?

Por esse motivo, o iG Turismo separou alguns conceitos básicos que é preciso ter em mente antes de experimentar os serviços da low cost:

Menos conforto e mais praticidade

Dá para imaginar que serviços com preços reduzidos tenham menos a oferecer do que os tradicionais. A ideia central das low costs é incluir apenas o transporte na passagem e não os serviços de bordo como bagagem, fones de ouvido ou lanches no avião. Além disso, as aeronaves costumam ser compactas e percorrem trechos menores.

Isso, no entanto, não quer dizer que a experiência é ruim, somente mais econômica. De acordo com o Barômetro do Viajala, os entrevistados que já utilizaram as empresas low cost indicaram as seguintes vantagens desse tipo de locomoção:

  • Pontualidade;
  • Opção para custas distâncias;
  • Praticidade;
  • Preços mais baixos.

Entretanto, quem opta por uma companhia low cost deve estar preparado para encarar alguns aspectos: 

  • Existe apenas uma classe (sem classe econômica, executiva ou primeira-classe);
  • As companhias trabalham com apenas um tipo de aeronave;
  • Não existem lugares marcados (tática para embarcar rápido);
  • A preferência é por usar aeroportos regionais e menos congestionados.
low cost arrow-options
shutterstock
Companhia aérea low cost tem aeronaves mais compactas e sem regalias

Ivan Sakr, representante da Sky Airlines no Brasil, define as low cost com três palavras. “Praticidade, preço e agilidade”. Mas se você quiser mais conforto ou benefícios, pode pagar por isso. Na empresa chilena, por exemplo, os passageiros tem uma espécie de “cardápio” para escolher os tipos de tarifas: zero, plus e full.

Na tarifa Zero o passageiro pode levar apenas uma bolsa de mão, já na Plus está inclusa uma bolsa de mão, uma bagagem de mão, uma bagagem de 23 kg no porão do avião e a seleção de assentos. Na tarifa Full o viajante tem todas as vantagens anteriores e ainda fará um check-in preferencial e terá a possibilidade de alteração de nome, data ou destino. Outros serviços como transporte de pet são cobradas à parte.

Economia

Como o próprio nome diz, as empresas low cost são mais econômicas, praticando preços bem abaixo das tradicionais. A viagem pode não contar, em linhas gerais, com lanches a bordo e outros benefícios, mas provavelmente sairá mais em conta. 

Leia também: Como saber se a passagem aérea já inclui bagagem despachada de mão?

A Sky Airlines, que foi uma das primeiras a chegar ao País, voa para cidades como Santiago, Buenos Aires e Lima e também faz trechos menos conhecidos como Temuco, Antofagasta e Mendoza . Para a capital do Chile, a viagem, saindo de São Paulo, custa R$ 490 + as taxas fiscais. O mesmo trecho feito por companhias tradicionais como Gol e Latam não sai menos do que R$ 1.000.