Tamanho do texto

A isenção de visto para entrar no Brasil se estende para chineses que vierem ao país com fins turísticos e de negócios, mas a medida não é recíproca

Em Pequim, o presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta feira (24) a isenção de visto para entrar no Brasil para os chineses que vierem ao país a negócios ou para fazer turismo. A intenção do presidente é estender a medida também aos indianos.

Leia também: Saiba quais países não exigem visto para brasileiros

Turista segurando passaporte chinês para embarcar arrow-options
shutterstock
Chineses que vierem ao país a turismo ou negócios não precisarão mais de visto para entrar no Brasil

A medida, entretanto, não tem reciprocidade, e segue na linha daquelas adotadas por EUA, Canadá, Japão e Austrália. Isso significa que, embora viajantes chineses não precisem de visto para entrar no Brasil , os viajantes brasileiros continuam a precisar de visto para ir à China .

Leia também: Descubra quais os países que exigem visto de turismo ao brasileiro

Os impactos da isenção de visto para entrar no Brasil

Quanto ao impacto da medida sobre a economia brasileira, em especial sobre o setor de turismo , o presidente afirmou não ter uma estimativa exata do incremento da atividade no Brasil.

Contudo, ele citou Cabo Verde, arquipélago africano cujo turismo corresponde a 25% do PIB, como um exemplo a ser seguido. "Queremos chegar a pelo menos 10% do PIB. Hoje acho que é de apenas 6%", afirmou.

Leia também: Veja quais os países que exigem visto de negócios aos brasileiros

E, embora os chineses venham pouco para cá a fim de aproveitar as atividades turísticas brasileiras - apenas 70 mil das 149 milhões de viagens ao país em 2018 foram feitas por habitantes da China -, a isenção de visto para entrar no Brasil pode beneficiar os negócios entre os dois países, visto que os chineses são os principais parceiros comerciais do Brasil.