Tamanho do texto

As viagens para o Nordeste que tiverem sido afetadas pelas manchas de óleo nas praias podem ser remarcadas ou reembolsadas junto às agências

Turistas que agendaram viagens para o Nordeste em  destinos afetados pelas manchas de óleo podem recorrer a um acordo com a agência de turismo contratada para o cancelamento ou reagendamento do roteiro.

Manchas de óleo na areia de uma praia no Nordeste arrow-options
Divulgação
O Procon se prontificou a ajudar os turistas cujas viagens para o Nordeste foram afetadas pelas manchas de óleo

Mas, como as circunstâncias podem variar muito de acordo com as datas das viagens para o Nordeste e com as políticas das agências contratadas, é natural que surjam algumas dúvidas sobre como garantir uma compensação pelo imprevisto.

Para responder a esta questão, o Procon -SP esclareceu alguns pontos a respeito do cancelamento ou reagendamento dessas viagens para as praias contaminadas com óleo , os quais você confere a seguir:

  1. Não existe responsabilidade objetiva dos fornecedores - como as agências de viagem não são as causadoras do problema enfrentado pelos turistas, elas não têm a obrigação de indenizar seus clientes;
  2. Apesar da indenização não ser obrigatória, o Procon estimula que as partes cheguem a um acordo - segundo o órgão de defesa do consumidor , os fornecedores devem procurar atenuar o prejuízo dos consumidores, seja remarcando as viagens para o Nordeste ou restituindo os valores pagos por aqueles que desistirem do roteiro;
  3. O Procon está aberto para ajudar os consumidores - o objetivo do órgão em meio a este processo é servir de apoio àqueles que foram presos de surpresa pelas manchas de óleo, considerando inadequada a postura dos fornecedores de ignorarem os prejuízos gerados aos consumidores.

Leia também: Alugar casa ou reservar hotel? Veja qual o melhor tipo de estadia em Orlando

Para justificar seu posicionamento, o Procon-SP citou os princípios básicos dos artigos 4 e 6 do Código de Defesa do Consumidor, sobre os quais você pode aprender mais clicando aqui .

O órgão também explicou que o turista não pode ser prejudicado na transação pois ele não tem culpa do ocorrido. E, mesmo que a empresa também não tenha culpa, o problema enfrentado com as viagens para o Nordeste se trata de um risco do negócio.