iG - Internet Group

iBest

brTurbo

36 horas em Nova Iorque
Apesar de Nova Iorque ter sido paralisada pela crise financeira recentemente, sem ninguém saber direito quão grave ela seria, essa cidade tem uma ponto importante a seu favor: seu poder de recuperação.

Seth Kugel - NYT

Acordo Ortográfico 

- O essencial de Nova Iorque
- Desbrave os parque de Nova Iorque

Sim, os nova-iorquinos estão preocupados com os planos de aposentadoria e as prestações das hipotecas, mas eles ainda têm uma porção de boas razões para não ficar em casa assistindo a CNBC - que vão desde novos restaurantes, com cardápios mais criativos do que nunca, até lugares descolados povoando mais uma parte do Brooklyn.

VEJA A GALERIA DE FOTOS DE NOVA IORQUE

Sexta-feira

16h - A arte do Lower East Side


Nos últimos anos, a região do Lower East Side vem se estabelecendo como o endereço de algumas das galerias mais badaladas da cidade, mas os turistas acabam tendo dificuldades em encontrar os melhores lugares. Entretanto, em uma iniciativa conjunta do BID (Business Improvement District) e do GalleryBar, o bairro agora conta com um mapa, lançado no dia 24 de setembro, que traz a localização e o website de 54 galerias e instituições artísticas da região – desde lugares relativamente consolidados, como o Clemente Soto Velez Cultural and Educational Center, até os mais novos, como a Gallery Nine5, inaugurada este ano.

20h - Três estrelas, parte 1

Até o momento, o critico de restaurantes do New York Times, Frank Bruni, só concedeu três estrelas a cinco restaurantes inaugurados em 2008 na cidade. Dentre eles está o italiano Scarpetta (355 West 14th Street; 212-691-0555), cuja grande atração é o renomado chef Scott Conant, uma autoridade em molhos de tomates.

23h - Drink sofisticado

A cobertura do Peninsula Hotel passou por uma vistoria este ano. Depois de ganhar espreguiçadeiras chinesas nos pátios e arte contemporânea chinesa nas paredes, o espaço foi reinaugurado em maio com o nome de Salon de Ning (700 Fifth Avenue; 212-956-2888).

É claro que beira o absurdo dar nome a um bar de alto padrão em homenagem à figura fictícia de uma socialite e colecionadora de arte da Shangai dos anos 30 - madame Ning. Entretanto, se você tiver sorte e conseguir uma das poucas mesas com vista para o jardim de esculturas do MOMA – o Museu de Arte Moderna de Nova Iorque – e pedir um Ninglet de gin e licor de baga de sabugueiro, você irá esquecer os truques publicitários e irá apreciar o lugar pelo que ele realmente é: não uma volta nostálgica à China dos anos trinta, e sim um retrato da Nova Iorque sofisticada de 2008.

Sábado

11h - Brunch latino

Em 2007, o chef MaximoTejada introduziu a culinária latina sem regras no restaurante Rayuela (165 Allen Street; 212-253-8840), situado no Lower East Side. Ele levou adiante seu estilo e agora pode também ser encontrado a dois quarteirões dali, no restaurante Macondo (157 East Houston Street; 212-473-9900), onde serve pratos pan-latinos, com inspiração de comida de rua, em um ambiente animado que reflete a energia do centro da cidade. As opções vão de churros de chocolate à moda espanhola, quinua peruana com salada de polvo até o prato típico do café da manhã dos fazendeiros da República Dominicana: mangu acompanhado de queijo, ovos e salaminho fritos. Pedir um coquetel é uma ótima idéia, mesmo que você não tenha costume de beber antes do meio-dia: os drinques – pequenos, mas bem em conta (US$7,50) - são perfeitos para o brunch e são preparados com criativas combinações tropicais, como goiaba com uísque de centeio ou tamarindo com tequila.

15h - Renascimento controverso

No mês passado, o espaço até então conhecido com American Craft Museum foi reinaugurado, ganhando um novo endereço e um nome imponente: Museum of Arts and Design. O novo espaço de 16460 metros quadrados (2 Columbus Circle; 212-299-7777) e fachada de ladrilhos cerâmicos e vidro foi ridicularizado por muitos críticos de arquitetura. Faça seu próprio julgamento e depois dê uma olhada nas exposições, como a “Second Lives”, que reúne trabalhos de artistas contemporâneos que transformaram objetos comuns – como listas telefônicas – em arte.

19h - Três estrelas, parte 2

Com que frequência você tem a oportunidade de comer em um restaurante três estrelas sem fazer reserva e sem gastar os olhos da cara? Jean-Georges Vongerichten, cujos restaurantes podem custar muito mais do que os olhos da cara, se juntou aos festejados restauranteurs japoneses Yoshi, Masa e Taka Matsushita para abrir o Matsugen (241 Church Street; 212-925-0202), que tem uma mesa coletiva de 32 lugares reservada para quem chegar. Dentre os destaques, experimente o macarrão soba fresco em três opções de espessura e molhos variados (a maioria deles sai por menos de US$20) e o tofu da casa (US$10) como entrada.

22h - A caminho do Brooklyn

Dentre as melhores tendências dos últimos anos estão os bares dedicados à arte dos coquetéis, que ajudaram os nova-iorquinos a esquecer uma década de ressacas de martinis mal feitos. Em 2008 essa moda atravessou o East River, levando o Clover Club (210 Smith Street, Cobble Hill; 718-855-7939) para o Brooklyn. Mardeira escura, banquetas estofadas em couro e teto revestido de latão evocam um clima tradicional sem deixar o ambiente pesado. E a melhor parte disso: os drinques, como o black maamba, saem por US$10 ou US$11, uma surpresa agradável para qualquer um acostumado a desembolsar a mesma quantia por um simples gin-tônica em Manhattan.

Meia-noite -Pedágio para os descolados

Esta não seria a Nova Iorque do século 21 se uma nova área do Brooklyn não tivesse se tornado o mais novo ponto de badalação dos descolados. Inaugurado em setembro, o Bell House (149 Seventh Street, Gowanus; 718-643-6510) dá um empurrãozinho para introduzir o bairro de Gowanos– com suas indispensáveis ruas pouco iluminadas e galpões industriais – como o mais novo candidato. Difícil definir o ecletismo das bandas que se apresentaram no local durante o mês de inauguração, que teve desde os estilos burlesque e hip-hop até as guitarras neozelandesas do Veils, tocando em um salão cavernoso com capacidade para 400 pessoas.

Domingo

12h - Hamburguer ao meio-dia

Apesar do nome sugestivo, você não vai precisar de cinco guardanapos para se enxugar depois de entrar no Five Napkin Burger (630 Ninth Avenue; 212-757-2277) e saborear a especialidade da casa: um suculento hambúrguer servido com molho de alecrim ao alho e cebolas caramelizadas. Faça algo pelo meio ambiente e, ao invés de usar guardanapos, lamba os dedos!

15h - Revival teatral

A crítica especializada fez declarações entusiasmadas sobre a remontagem do musical “South Pacific” e da peça “Boeing-Boeing”, e os dois acabaram recebendo o prêmio Tony – “South Pacific” ficou com o prêmio de melhor remontagem de musical, enquanto “Boeing-Boeing” foi premiado como a melhor remontagem de uma peça e o melhor ator principal. 

"South Pacific," o clássico de Rodgers e Hammerstein, está em cartaz no Vivian Beaumont Theater do Lincoln Center (ingressos vendidos pela empresa Telecharge através do número 212-239-6200). "Boeing-Boeing" está em cartaz no Longacre Theater (Ingressos também no Telecharge).

Veja também:

- 36 horas em Bangcoc
- 36 horas em Chiang Mai
- 36 horas em Lima
- 36 horas em Liverpool
- 36 horas em Nápoles
- 36 horas em Nova Déli
- 36 horas no Cairo

Leia mais sobre:
Nova Iorque - turismo nos EUA - 36 horas.

Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG




publicidade



Contador de notícias