iG - Internet Group

iBest

brTurbo

Viagens para casais swinguers

17/12 - 16:38

Casais liberais: façam as malas! O Brasil já tem destinos exclusivos e outros adaptados para receber casais "swinguers" com segurança, charme, conforto e discrição.

Redação iG Turismo

Acordo Ortográfico

Ter a mala trocada sempre é ruim, dá dor de cabeça e ninguém quer sequer imaginar a situação. Mas, para um grupo de pessoas, “troca” não chega a ser uma palavra assustadora quando o assunto é turismo. É, sobretudo, o estímulo que faltava para preparar a bagagem e embarcar em uma viagem cheia de emoções fortes: o turismo swinguer.

Para a viagem, nada de bagunça: os interessados devem ser apresentados previamente e podem até passar por entrevistas (na maioria das vezes por telefone) para demonstrar que são um casal de verdade e que têm condições de participar do evento. Casais em crise, namorados ou relacionamentos instáveis podem levar a experiências às vezes desagradáveis.

“O nível de confiança, afeição e principalmente a atração entre o casal tem que ser grande, para que o previsível sentimento de ciúme dê lugar a uma profunda e duradoura excitação”, explica o casal organizador, que também é proprietário da agência de viagens que organiza os eventos.

“Quando uma viagem desta é programada pelo casal, a emoção, o carinho, a expectativa e a sensualidade começam antes mesmo do embarque, fortalecendo a cumplicidade entre o casal. É, sem dúvida alguma, um grande parque de diversões de prazeres e emoções, com montanhas russas emocionantes que terminam em calmos e serenos lagos”, definem.

Casal liberal ou swinguer?

O swing não é um conceito fixo. Por isso, é mais adequado falar em casais liberais. Muitos casais participam do evento apenas para aproveitar o clima de sensualidade e apimentar o relacionamento com seu parceiro, e não têm qualquer contato íntimo com outras pessoas. Eles são os chamados “voyeurs”, que convivem normalmente com os demais casais em todas as demais atividades propostas.

Com tanta liberdade são necessárias regras, mas elas são muito simples e claras. "A primeira é respeitar o limite do outro acima de qualquer coisa, situação ou sentimento. A segunda é que pessoas sozinhas não são aceitas nem como acompanhante de um casal. A última e mais importante é o anonimato: nomes reais são dispensáveis e fotos e filmagens terminantemente proibidas", explicam os organizadores das viagens.

Uma ideia original

A ideia de criar viagens especiais para casais liberais surgiu da necessidade de oferecer a esses casais um ambiente confortável, discreto e seguro. Com a explosão dos clubes para casais, sobretudo nas grandes cidades, os casais reais perderam espaço para homens sozinhos ou acompanhados de profissionais e casais de amigos ou jovens namorados, que apenas por curiosidade vão conhecer os clubes.

Historicamente, os casais liberais costumam ter mais de 30 anos, apesar disso não ser uma condição. "A maturidade do relacionamento é o que mais conta. Mas, ultimamente, a adesão de casais mais jovens tem nos surpreendido, pois demonstram que muito cedo seus casamentos já estão necessitando de uma ‘apimentada”, afirmam os organizadores.

Roteiros

Há poucos destinos liberais no Brasil: apenas algumas pousadas que evitam até que seus vizinhos saibam qual público atendem, para evitar reações preconceituosas.  Assim, nasceram os eventos fechados em hotéis convencionais.

Todas as viagens são planejadas pessoalmente pelo casal organizador. “Fazemos primeiro o reconhecimento da cidade, do hotel, isolamento em relação a vizinhos e um trabalho junto a direção e funcionários do hotel", explica o casal.

Se o hotel for aprovado em todos esses tópicos, é definida uma programação com atividades recreativas, festas temáticas e alguns "mimos", como lembranças, jantares à luz de velas, fondue à beira da lareira, passeios de escuna. "Não há destinos, nós criamos situações”, explicam os organizadores.

No Brasil, geralmente, os hotéis escolhidos ficam em praias nobres ou região de montanha. No exterior, há uma oferta muito maior de destinos liberais, principalmente no Caribe e na Europa. “O europeu principalmente é mais liberal, enquanto que o sul-americano é mais conservador e preconceituoso, daí a carência de destinos no Brasil”, explicam os organizadores.

Os eventos duram em sua grande maioria um final de semana, pois os casais geralmente não podem se ausentar por muitos dias. Para que as pessoas tenham certeza da idoneidade dos roteiros, todos são divulgados no site Casal First Tour.

O contato pela internet é o primeiro passo para os interessados, visando preservar o anonimato principalmente dos indecisos. Uma vez definido o interesse na participação de um evento, o casal já passa a ter contato com a agência de viagens oficial, de onde recebe toda a documentação nos moldes de um pacote turístico comum. 

Leia mais sobre: viagens no Brasil - resorst nudistas.

Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Contador de notícias