Animais de estimação são quase membros da família, certo? Então é justo que a família inclua os bichos no roteiro

Certificado Zoosanitário Internacional é necessário para viajar com o pet
Reprodução/Link Animal
Certificado Zoosanitário Internacional é necessário para viajar com o pet

Algumas companhias aéreas permitem que os donos viajem com o seu animal na poltrona, dependendo do tamanho. Nesses casos, o proprietário tem que avisar que vai levar o animal na hora de reservar a passagem e pagar excesso de bagagem, mesmo que o passageiro não tenha ultrapassado o limite permitido. A American Airlines é uma das companhias que oferece o luxo, mas, para usufruir, é preciso fazer uma reserva antecipada, já que cada avião pode levar apenas sete animais na cabine. Em casos especiais, como o de deficientes visuais acompanhados de cães-guia, não são cobradas taxas extras na passagem.

Em geral, os animais viajam mesmo junto com as demais bagagens, em caixas especiais em que eles ficam em pé e conseguem até se mover (é necessário que o bicho consiga dar uma volta em seu próprio corpo).

Mais:
- Guia para a primeira viagem de avião
- Guia de boas maneiras no avião

Pessoas em viagem para o exterior precisam ter o Guia de Trânsito Animal (GTA) e o Certificado Zoosanitário Internacional (CZI). Qualquer veterinário credenciado no Ministério da Agricultura pode emitir o GTA. Já o CZI é emitido apenas pelos profissionais que atuam nas Delegacias Federais da Agricultura dos aeroportos internacionais. O dono também precisa estar com a carteira de vacinação do animal. Só podem viajar sem a vacinação em dia animais com menos de quatro meses. Se o animal tiver tomado a primeira vacina, só pode viajar depois de 30 dias da dose.

A GTA, que ainda não é necessária para transportar peixes ornamentais e demais animais de pequeno porte, como hamsters, deixou de ser exigida, desde julho de 2006, para viagens pelo Brasil com cães e gatos, mas os donos dos animais devem portar todos os documentos em dia (como as vacinas, por exemplo, e o Certificado Sanitário, com a raça, nome, origem do animal contendo pedigree, caso ele tenha, emitido pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de origem).

Cuidados especiais

Dono deve evitar dar comida pesada ao bicho pelo menos 12 horas antes do voo
Divulgação/Pet Retrato
Dono deve evitar dar comida pesada ao bicho pelo menos 12 horas antes do voo

Além de ter certeza que a caixa transportadora está confortável para o animal, é espaçosa e com boa circulação de ar, o dono deve evitar dar comida pesada ao bicho pelo menos 12 horas antes do voo. O ideal, segundo os veterinários, é oferecer apenas água.

Em viagens de carro, cujo GTA também é obrigatório, não é permitido levar o animal na parte traseira externa do veículo. O motorista levará multa se também transportar o animal no seu colo ou entre ele e a porta. Recomenda-se que o transporte seja feito em bagageiros, separados do banco traseiro por grades apropriadas. Caso o carro não tenha esse local, o bicho pode ir no banco de trás, de preferência com um cinto de segurança especial para animais, disponíveis em pet shops nos tamanhos P, M e G.

Se achar melhor não levar o animal, em nome do seu conforto e até mesmo do bichano (em caso de viagens longas e cansativas, ou lugares muito quentes), os hotéis para animais são uma opção viável. Esses locais aceitam qualquer animal doméstico, desde que esteja com a vacinação em dia. O ideal é que o dono conheça antes o lugar e que sejam levados para o hotel objetos e a comida com os quais o bicho está acostumado.

Leia também:
- Saiba o que você pode ou não levar na bagagem de mão
- Etiqueta para viagens com crianças

Acompanhe as novidades do iG Turismo pelo Twitter

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.