Tamanho do texto

Cair na estrada levando os pequenos pode ser menos complicado do que se imagina

Mochilar com as crianças exige planejamento
Getty Images
Mochilar com as crianças exige planejamento
A bibliotecária Maria Emília, 45, de Mato Grosso, é mochileira há 30 anos. Sem saber ao certo o que faria, convidou a neta Maria Clara, de 2 anos, para ir com ela à Bolívia. As duas foram para a rodoviária de Cuiabá encarar uma viagem de 17 horas de ônibus, da capital mato-grossense até La Paz. Loucura? Maria Emília preferiu classificar a empreitada como uma grande aventura.

Diferentemente das demais viagens que a bibliotecária já havia feito com a mochila nas costas, essa exigiu um planejamento especial. O primeiro passo foi consultar um pediatra sobre a questão da altitude, já que a Bolívia está a mais de 3 mil metros do nível do mar. “As crianças se adaptam muito bem. Melhor do que os adultos”, explicou o especialista. Com o aval do médico, ela começou a montar o roteiro.

Depois de pesquisar sobre albergues na região, optou por ficar na casa de conhecidos e em hoteizinhos em conta. “Não encontrei um hostel bacana para me hospedar.”

O passo seguinte foi pontuar o que havia de bom para fazer nas cidades de La Paz, Sucre e Santa Cruz de la Sierra, por onde passariam.

No final das contas, a jornada das duas Marias foi um sucesso, em parte, graças ao planejamento da avó, em outra, porque o “time” de Maria Clara foi respeitado. “Os adultos têm de entender que o ritmo de uma viagem assim é totalmente diferente. A garotada leva mais tempo para sair da cama, se alimentar, andar e até para ver e entender as coisas novas pelo caminho”, explica Patrícia Papp, autora do livro “Crianças a Bordo: Como Viajar com os Filhos sem Enlouquecer”.

Patrícia virou profunda conhecedora do assunto depois de levar seus dois rebentos, Pedro, de 6 anos, e Luiza, de 1, para Dubai e Tailândia. Mochileira na juventude, ela mudou o estilo depois que virou mãe, mesmo assim não perdeu a alma aventureira. “Chegar a uma cidade sem lugar definido para ficar, com os filhos cansados e com fome, não dá. Deixe o espírito ‘easy rider’ para quando estiver sozinha. Esquematize tudo, sempre”, aconselha.


Quem vai mochilar com crianças deve prever maior número de pausas e lanches na mochila
Getty Images
Quem vai mochilar com crianças deve prever maior número de pausas e lanches na mochila
Se alguns detalhes não são levados em consideração em uma mochilada convencional, quando levar um acompanhante que depende de você, a história é outra. Por exemplo, no albergue que vai ficar tem uma cozinha com pelo menos fogão ou micro-ondas para aquecer a papinha, fazer uma sopa ou preparar algo no meio da madrugada? Certifique-se que há infraestrutura mínima.

O ideal é procurar locais que são adaptados para receber a criançada. Assim, você não vai correr o risco de ficar sem dormir com as festas promovidas pelos outros alberguistas, conseguirá um quarto adequado com banheiro privativo e quem sabe até uma área de lazer.

Mochileira de carteirinha, Ana Cláudia Amaral continuou na estrada mesmo depois do nascimento de Enzo. Na primeira turnê com o filho, ela e o marido montaram um roteiro de 15 dias passando pelo Chile e Argentina. Mesmo com as críticas da família, o casal não se intimidou. Eles pesquisaram na internet roteiros e lugares para se hospedar. “Foi a experiência mais maravilhosa que passamos juntos. Enzo só tinha 3 anos e até hoje fala sobre isso”, revela a mãe coruja, que passou a contar todas suas peripécias pelo mundo com o filho no blog criancasnabagagem.blogspot.com.

Os pais deixaram de lado passeios pelas vinícolas no Chile e os shows de tango em Buenos Aires por considerarem inadequados. “Isso fica para uma viagem a dois.”

Quanto aos albergues, tiveram uma experiência incrível em Santiago – um hostel com ótimas instalações e área verde para o Enzo brincar – e vivenciaram uma grande roubada na capital argentina. O quarto era cheio de poeira, o chuveiro pinga-pinga e ainda por cima sem água quente. “Aqui é feio, mamãe”, reparou o minimochileiro. Nem isso abalou o bom humor dos viajantes, que sabem que imprevistos sempre acontecem.

Acompanhe as novidades do iG Turismo também pelo Twitter .