A melhor maneira de comprar no exterior

Por iG São Paulo

Texto

Melhor levar um cartão pré-pago ou dinheiro vivo? Vale a pena usar o cartão de crédito? Confira um guia definitivo para comprar no exterior sem sustos

Thinkstock/Getty Images
Com a moeda valorizada, mais brasileiros viajaram ao exterior

O programa favorito do turista brasileiro no exterior não é segredo para ninguém: compras, compras, compras. Ávidos por produtos de qualidade a preços menos assustadores do que os impostos em território nacional, os brasileiros estão entre os que mais gastam – e os números apontam para um ritmo crescente da prática.

Os gastos de brasileiros fora do país aumentaram mais de dez vezes nos últimos dez anos. Segundo dados divulgados no início do ano pelo Banco Central, a média que era de R$ 2,48 bilhões em 2003 passou para 23,13 bilhões em 2013.

A dúvida, no entanto, é: qual a melhor maneira de fazer compras durante a viagem? A primeira dica para quem está com uma viagem planejada é não deixar a compra do dólar para a última hora. “Se a pessoa tem um dinheiro guardado, o melhor é já ir comprando a moeda estrangeira o quanto antes, assim não há risco de o real desvalorizar dias antes da viagem, acabando com todo o planejamento financeiro”, explica Keyler Carvalho Rocha, professor do Laboratório de Finanças da Fundação Instituto de Administração (FIA/USP).

O viajante tem basicamente três opções: dinheiro vivo, cartão de débito pré-pago e cartão de crédito. Atualmente o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é de 6,38% para compras com cartão de crédito ou com cartão pré-pago no exterior. Enquanto, quem compra moeda estrangeira, paga uma alíquota de 0,38%. Fizemos as contas para você comparar quanto vai gastar em uma compra de US$ 1 mil.

Quer pagar quanto?

- Cartão de crédito
US$ 1.000,00 x 0,0638 (6,38% de IOF) = 63,80
US$ 1.063,80 x 2.36 (taxa de câmbio média do dólar) = R$ 2.510,56

- Cartão de débito pré-pago
US$ 1.000,00 x 0,0638 (6,38% de IOF) = 63,80
US$ 1.063,80 x 2.36 (taxa de câmbio média do dólar) = R$ 2.510,56

- Dinheiro vivo
US$ 1.000,00 x 0,0038 (0,38% de IOF) = 3,80
US$ 1.000,38 x 2,40 (dólar turismo) = R$ 2.400,91

Thinkstock/Getty Images
Cartões de crédito e débito são opções mais práticas e seguras

Como levar dinheiro ao exterior
Como a máxima de não colocar todos os ovos em uma única cesta também se aplica às compras no exterior, conheça as várias maneiras de pagar suas despesas. Sem voltar com o peso das dívidas.


Cartão de débito pré-pago
São uma boa alternativa para viagens mais longas, mas perderam atrativo por conta do aumento do IOF. Fáceis de usar, os cartões de débito pré-pagos são uma evolução dos antigos traveller checks. Eles funcionam como os celulares pré-pagos: você carrega com o montante que pretende gastar, que geralmente é em dólar americano, libra esterlina ou euro. Se a moeda usada no destino da viagem for diferente, a conversão é feita no momento da compra ou da retirada no caixa.

“Além da segurança e praticidade de não ter que andar com dinheiro vivo no bolso, a vantagem é que você fixa um limite de gastos e não se preocupa com a flutuação cambial”, afirma o professor José Carlos Luxo, da FIA. Em caso de perda ou roubo, o cliente pode bloquear o cartão e utilizar um extra.

Mas fique atento, ao inserir uma quantia, o cliente paga uma taxa. E ao sacar dinheiro no caixa eletrônico, incide outra cobrança que varia de acordo com cada empresa.

- Dinheiro vivo
O dinheiro em papel voltou a ser vantajoso com o aumento do IOF tanto no cartão de crédito quanto no cartão pré-pago. É a única alternativa que segue com o imposto de 0,38%. Leve em conta, no entanto, que será necessário desembolsar um pouco a mais na conversão.

“Para viajar, as pessoas físicas compram o dólar turismo, cuja cotação é mais cara do que o comercial e o paralelo. Pesquise as taxas cobradas nas casas de câmbio e bancos, e saiba que só é possível levar no máximo US$ 10 mil”, recomenda o professor de finanças pessoais Samy Dana, da Faculdade Getúlio Vargas (FGV-EESP).

Redobre a prudência, já que o valor não será restituído em caso de perdas e roubos. Uma dica: nunca ande com um bolo de dinheiro nem com notas muito altas, pois é difícil conseguir troco.

Cartão de crédito
O cartão de crédito é opção quando os gastos superam o previsto. Além da taxa de 6,38% de IOF, o câmbio geralmente fica acima tanto do dinheiro vivo quanto do cartão pré-pago. Além disso, você não sabe exatamente quanto está gastando, pois será cobrado o câmbio da data de fechamento da fatura, e não do dia da compra. Também é bom evitar saques sucessivos de dinheiro no caixa eletrônico já que o cliente paga uma taxa a cada operação, que varia de acordo com o banco.


Quer saber mais sobre viagem? Siga a gente no Twitter


Texto

notícias relacionadas