Com boa infraestrutura, capital pernambucana encanta turistas com praias de águas esverdeadas e construções históricas

Recife é, sobretudo, uma cidade bonita que encanta turistas com suas praias de águas esverdeadas e construções imponentes que transpiram história.

As águas esverdeadas da praia de Boa Viagem, em Recife
Getty Images
As águas esverdeadas da praia de Boa Viagem, em Recife
Não é difícil se deixar levar pela ótima infraestrutura turística que o local oferece e se esquecer de vasculhar um pouquinho mais. Mas aqui vai um recado: Recife vai muito além dos quiosques e bares de Boa Viagem, e suas construções superam em beleza os arranha-céus que dominam a praia “de paulista”.

Para sentir Recife, é preciso percorrer seus inúmeros canais e pontes entender que há algo ali de “Veneza Brasileira”. É preciso entender a importância dos rios Capibaribe e Beberibe, a influência portuguesa e holandesa na arquitetura de suas casas e igrejas e, se der sorte, participar de algum festival de ciranda.

Principais atrações:


Instituto Ricardo Brennand
Alameda Antônio Brennand, s/nº, Várzea

Castelo São João funciona como museu de armas e artes decorativasdos séculos 15 e 20
Divulgação
Castelo São João funciona como museu de armas e artes decorativasdos séculos 15 e 20
Acredite: Recife tem um castelo em estilo medieval. É o Museu de Armas Castelo São João que, há mais de 50 anos, coleciona armas, artes decorativas, tapeçarias, esculturas e mobiliário dos séculos 15 e 20 provenientes de todas as partes do mundo.

A atenção maior recai sobre o núcleo de armaria – uma das maiores coleções do mundo. Na Pinacoteca o visitante pode conferir exposições nacionais e internacionais e apreciar o acervo com a maior coleção particular de pinturas de Frans Post, “o primeiro paisagista do Novo Mundo”, no mundo. A Biblioteca do Instituto Ricardo Brennand dá ênfase em História do período Brasil-holandês.


Officina Brennand
Propriedade São Cosme e Damião, s/nº, Várzea

A antiga olaria do início do século 20 se transformou numa das mais interessantes expressões de arte do Brasil. Um conjunto arquitetônico original em constante processo de mutação: um verdadeiro museu a céu aberto, com obras expostas nos inúmeros jardins em variadas formas. Símbolos fálicos, formas eróticas e críticas sociais. Enquanto você faz uma visita, pode topar com o autor, Francisco Brennand (tio do também excêntrico Ricardo Brennand).

Recife antigo

Marco zero e edifícios históricos no Recife antigo
Getty Images
Marco zero e edifícios históricos no Recife antigo
Você vai ficar impressionado com o trabalho de restauração do centro antigo de Recife. Comece o passeio no Marco Zero da Praça Rio Branco, enfeitado por uma rosa dos ventos de Cícero Dias. Visite a Torre Malakoff, a Sinagoga Kahal Zur Israel (uma das primeiras das Américas), o Forte do Brum e a antiga Bolsa de Valores de Pernambuco e Paraíba (hoje Centro Cultural da Caixa).

Museu da Cidade do Recife - Forte das Cinco Pontas
Bairro de São José, próximo à antiga Rodoviária de Santa Rita

A última construção holandesa (1630) no Recife é um dos monumentos mais representativos da arquitetura colonial e, apesar do nome, tem apenas quatro pontas – resultado de uma reconstrução feita após a luta para expulsar os europeus. Hoje é o Museu da Cidade do Recife, com importante acervo iconográfico recolhido em Pernambuco e Portugal.

Capela Dourada
Rua do Imperador, s/nº, Santo Antonio

A capela da ordem franciscana, dentro do complexo de edifícios do Convento e Igreja de Santo Antônio (que inclui também o Museu Franciscano de Arte Sacra), é uma bela representação da arte barroca no Brasil. O altar e as talhas são folheadas a ouro, com pinturas nas paredes e no teto. Há também inúmeros painéis de azulejos portugueses com cenas campestres.

Palácio Campo das Princesas
Praça da República, s/nº, Santo Antônio

É possível conhecer a sede do Governo do Estado de Pernambuco todas as quintas, sextas e domingos. Construído em 1841 em estilo neoclássico, recebeu o nome em homenagem às filhas de Dom Pedro II, que visitou Pernambuco em 1859. Em frente ao palácio, há um baobá, que pode ter servido de inspiração a Saint Exupéry ao passar pela cidade antes de escrever “O Pequeno Príncipe”.

Ponte Velha

Conhecida também como 6 de Março (remetendo à Revolução Pernambucana de 1817), esta ponte em estilo colonial construída em 1921 liga os bairros de São José e Santo Antônio ao bairro da Boa Vista. A estrutura de ferro teria substituído uma ponte de madeira sobre o Capibaribe construída por Nassau em 1643. Em 1976 e 2005 sofreu reformas e hoje ostenta gradis, postes de ferro fundido, lampiões e passeios laterais em ladrinhos conservados – semelhantes aos originais.



Casa da Cultura
Rua Floriano Peixoto, s/nº, Santo Antonio

A antiga Casa de Detenção do Recife terminou de ser construída em 1867, como uma dos mais modernos modelos de penitenciária da época. Em formato de cruz, ocupa uma área de 8400 metros quadrados, e funcionou como cadeia por 118 anos. O prédio foi tombado pela Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (FUNDARPE) em 1980 – sete anos depois de ser fechado.

Durante três anos de restauração e adaptações, a construção passou a funcionar como a Casa da Cultura. As antigas celas foram transformadas em lojas de artesanato, livrarias e lanchonetes. Uma cela permanece exatamente como foi deixada pelos presos. E, no pátio externo, são realizados show e manifestações populares. Visita obrigatória para quem quer conhecer Recife.

Teatro de Santa Isabel


Inaugurado em 1850, faz Pernambuco entrar numa nova fase cultural. Em 2002, o teatro reabriu as portas após um longo período de obras para ser referência em termos de grandes espetáculos. É um dos 14 teatros-monumentos do País, reconhecido como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, com arquitetura neoclássica do início do século 19. É uma verdadeira viagem no tempo – cheia de conforto e sofisticação.


Acompanhe as novidades do iG Turismo pelo Twitter .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.