Valdemir Cunha, fotógrafo especializado em natureza e viagens, ensina truques para voltar com as melhores recordações das férias

Câmera em mãos, o cenário perfeito de férias e um sem número de cliques. Ao olhar as fotos tiradas, no entanto, as imagens decepcionam e não fazem jus à beleza do lugar. Obter fotografias dignas de cartão-postal exige, de fato, atenção e olhar, mas não é preciso ter uma máquina superpotente ou as habilidades de um profissional.

“As fotografias que eu mais gosto são as mais simples, mas tiradas na hora certa de luz, com paciência para pegar o melhor ângulo, respeitando as capacidades e limitações da sua câmera”, diz Valdemir Cunha , fotógrafo especializado em natureza e viagens, cujas fotos ilustram a matéria.

Prestes a lançar seu mais novo livro, "Brasil Natural" (Editora Origem), que reúne as melhores imagens captadas em sete regiões brasileiras, Cunha conversou com o iG Turismo e deu dez dicas para fotógrafos amadores tirarem bons cliques na viagem.

Fernando de Noronha foi umas das sete regiões brasileiras retratada pelo fotógrafo Valdemir Cunha para o livro Brasil Natural
Valdemir Cunha
Fernando de Noronha foi umas das sete regiões brasileiras retratada pelo fotógrafo Valdemir Cunha para o livro Brasil Natural

1- Conheça seu equipamento

Para tirar boas fotos, não é preciso ter uma máquina profissional. No entanto, é importante conhecer bem o seu equipamento. “Hoje, as máquinas digitais comuns têm bastante recursos. É bom ler o manual da sua câmera para conhecê-los, mas eu também não tenho muita paciência. Dá para aprender na tentativa e erro, ir brincando com as funções”, diz Cunha.

2 - A luz ideal

A melhor luz do dia para fotografar é do nascer do sol até as 9 da manhã e das 4 da tarde até o pôr do sol. “Além de fazer bem para sua pele, você vai ter uma luz mais suave e ver os lugares com uma iluminação mais bonita.”

3 - Contra a luz

Se você não tem muito domínio da máquina fotográfica, melhor evitar fazer fotos contra a luz. Para quem não sabe mexer, ao posicionar a pessoa contra o sol, as chances de ela sair escura demais são grandes. “Procure deixar o sol atrás de você ou meio de lado”, avisa Cunha. Às vezes, três ou quatro passos para a esquerda ou para a direita resolvem o problema.

4 - Em movimento

Não adianta fotografar de dentro do carro ou em um barco com muita velocidade. A não ser que você tenha uma máquina com regulagem para essas coisas. Mas, nesse caso, você provavelmente já saberá o que fazer. “Se você estiver em movimento, vale arriscar. Afinal, você não está pagando mais nada. Só não espere a oitava maravilha do mundo”, alerta o fotógrafo.

Abuse dos reflexos das águas e dos espelhos para fazer imagens inusitadas da viagem - Foto do Pantanal no período da cheia
Valdemir Cunha/Brasil Natural
Abuse dos reflexos das águas e dos espelhos para fazer imagens inusitadas da viagem - Foto do Pantanal no período da cheia
5 - Pesquise seu destino

Pesquisar o seu destino e conhecer as atrações do lugar que está indo pode render boas fotos. Leia a respeito e veja fotografias para saber o que esperar. Aquela cachoeira bonita pode estar pertinho do seu hotel e você nem sabe.

6 – Preste atenção antes de fotografar

Antes de sair disparando sem parar, preste atenção no que está fotografando. “As pessoas prestam pouca atenção nos detalhes. Esquecem de ver se quem está sendo fotografado está sorrindo, de olho fechado, de boca aberta, antes de apertar o botão.”

7 – Tente fotos diferentes

Para conseguir aquela foto diferente dos demais turistas, não tenha medo de brincar com sua máquina fotográfica. Vale tentar coisas inusitadas como colocar a lente dos óculos escuros na frente da lente da câmera para testar efeitos de cor. O mesmo pode ser feito com copos translúcidos ou papéis coloridos com alguma transparência. “Preste atenção também nos reflexos, tanto em espelhos como na água, isto sempre rende imagens diferentes”, sugere Cunha.

8 – Proteja a sua máquina

Ao viajar, especialmente para destinos de praia, é preciso estar atento para não deixar entrar água, areia, nem deixar a câmera ao sol por muito tempo. “Sem cuidados, a vida útil da câmera vai embora e você terá prejuízo econômico”, alerta o fotógrafo. Para protegê-la, não é necessário levar uma bolsa fotográfica. Opção mais simples são alguns saquinhos impermeáveis, à venda em lojas especializadas. Se quiser tirar fotos debaixo d’água, há as chamadas caixas-estanque, que permitem você mergulhar a até cinco metros de profundidade.

9 – Guarde bem suas fotos

Ao voltar de viagem, lembre-se de arquivar bem as fotos. Procure fazer um backup das fotografias favoritas em um CD ou um HD externo. Se der um problema no seu computador, você não as perde. “Fazer álbum de fotos está virando algo do passado, mas eu acho legal selecionar e imprimir algumas. Você terá uma bela lembrança de viagem sem o risco de perder suas fotos, como acontece no digital”, comenta.

10 - Como escolher uma máquina

Se você não tem o interesse de vender suas imagens, não precisa se preocupar em comprar uma máquina com o máximo de megapixels. As câmeras hoje têm entre oito e dez megapixels, tamanho suficiente para a grande maioria dos casos. “Se você quer fotos descomprometidas, até celulares, como o iPhone 4, que tem câmera de 8 MP, já resolvem a sua vida. Além do mais, há vários aplicativos para celulares que permitem a pessoa brincar com diferentes estéticas, criando filmes e fotos legais”, diz Valdemir.


Serviço:

Brasil Natural
Autor: Valdemir Cunha
Editora: Origem
Número de páginas: 216
Onde encontrar: à venda em livrarias das principais capitais do Brasil a partir de novembro de 2011
Preço sugerido: R$ 98,00

Acompanhe as novidades do iG Turismo pelo Twitter .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.