Parque nacional na Bahia tem cachoeiras, poços de água cristalina, grutas e cavernas

Com 152 hectares, o Parque Nacional da Chapada Diamantina é acessível por terra a partir de Salvador ou Vitória da Conquista e espalha-se pelos municípios de Lençóis, Andaraí, Mucugê, Ibicoara e Palmeiras . Também invade o minúsculo distrito serrano de Xique-Xique do Igatu

Trilhas pela Chapada Diamantina podem ser exploradas também de bicicleta
Getty Images
Trilhas pela Chapada Diamantina podem ser exploradas também de bicicleta

A principal cidade é Lençóis, repleta de casas coloniais do século 19 e ponto de partida para a maioria dos passeios. É onde os viajantes exigentes encontram hotéis charmosos, que mimam seus hóspedes com internet sem fio e carta de vinhos. É caso do Portal Lençóis, um dos mais refinados. Ele compete com a pousada Villa Lagoa das Cores, no Vale do Capão, que partiu para um lado zen. Ela oferece um spa holístico com massagens, banhos de ofurô e tratamentos à base de ervas colhidas diretamente de um herbário próprio.

Aos que buscam uma opção econômica, há alternativas como a Pousada Bosque do Lapão, que serve um apetitoso café colonial com pratos típicos do sertão baiano.

Trilhas levam a paisagens belíssimas, como a Cachoeira da Fumacinha
Getty Images
Trilhas levam a paisagens belíssimas, como a Cachoeira da Fumacinha

Aliás, se entre um passeio e outro você quiser provar a culinária regional, vale ir à vila de Mucugê, onde o restaurante Dona Nena é a pedida. E não pense que aqui só existe vatapá e bobó de camarão. O estilo slow travel internacional transparece, por exemplo, no restaurante Cozinha Aberta Etnia, com pratos que misturam as culinárias tailandesa, indiana e a marroquina. Tudo feito na hora pela chef Deborah Doitshinoff e servido em apenas cinco mesas do pequeno espaço cheio de estilo.

Grutas e águas cristalinas

Poço encantado tem profundidade de até 16 metros
Getty Images
Poço encantado tem profundidade de até 16 metros

Agora que você já sabe onde dormir e comer bem, vamos à atração principal. O forte na Chapada Diamantina são as trilhas, normalmente entre Lençóis e uma das outras localidades menores. Além dessas caminhadas mais longas, também existem aquelas para quem pretende gastar somente um dia na estrada. A Cachoeira da Fumaça e a Cachoeira do Sossego são bons exemplos. Acessíveis após três horas a pé, possuem aspectos únicos.

A Fumaça é uma das maiores quedas-d’água do país, com 380 metros de altura. Já a Cachoeira do Sossego (um pouco mais difícil de alcançar) revela a seus pés um poço de águas cristalinas (e geladas!), onde mergulhar é uma tentação.

Há ainda vários outros passeios de um dia, como o que leva à Cachoeira do Buracão , indicada para a prática de rapel. Ou para o Rio Mucugezinho, com seus poços e tobogãs naturais. E que tal o Povoado do Remanso, uma vila remanescente de ex-escravos de onde é possível sair para um passeio de barco com guias locais. Sem contar a Cachoeira do Mosquito , localizada em um sítio privado que não apenas permite a entrada de turistas como também serve deliciosos pratos regionais a eles.

Leia mais:
- Fernando de Noronha é paraíso terrestre
- Conheça a Chapada dos Veadeiros

Chapada Diamantina oferece os cenários para as fotos mais bonitas
Getty Images
Chapada Diamantina oferece os cenários para as fotos mais bonitas

Como dá para perceber, variedade é o que não falta. Ainda assim, há passeios que são unanimidade. Vide a caminhada pelo Vale do Pati . Trata-se de uma das mais longas e belas. O roteiro dura em média cinco dias, passando por cerca de 80 quilômetros. O turista se defronta com uma paisagem formada por paredões de rocha colorida e dorme em casas de moradores, famosos por receber com gentileza e boa conversa.

Existem igualmente rotas alternativas para a Cachoeira da Fumaça e da Fumacinha, que demandam dois e três dias, respectivamente. Quem quiser conhecer outras vilas a pé pode percorrer, por exemplo, o caminho que vai de Lençóis a Andaraí , passando por Caeté-Açu ou rumar para Capão , andando por 25 quilômetros. Pode parecer sacrificado, mas, no caminho, você para e toma deliciosos banhos nos poços de águas limpinhas e agradáveis.

Cachoeira do Buracão é indicada para a prática do rapel
Getty Images
Cachoeira do Buracão é indicada para a prática do rapel

Por fim, o Morro do Pai Inácio oferece quatro diferentes trilhas (inclusive para quem curte bicicleta) em direção o seu cume, a 1.120 metros de altitude. É a “cereja” do bolo na chapada, o passeio mais recompensador, graças ao visual lá do alto.

Achou que é trekking demais? Relaxe. A Chapada Diamantina não é só subida e descida. Dá para visitar pontos turísticos sem grande esforço, como o cemitério bizantino em Mucugê. Ele é coalhado de igrejinhas e capelas góticas pintadas de branco, iluminadas durante a noite.

Quer mais expressões culturais? Em Andaraí, a Galeria de Arte e Memória de Igatu abriga obras de artistas locais – muitas delas à venda. Também oferece um delicioso café com crepes e sorvetes caseiros. De volta a Lençóis, diversos casarões históricos abrem-se à visitação, como a antiga morada do coronel Horácio de Mattos e a Casa de Cultura Afrânio Peixoto – dois testemunhos em tijolo e barro dos séculos passados no interior da Bahia.

A Chapada Diamantina é conhecida pelas cavernas. A de maior fama é a Torrinha , com uma grande diversidade de formações espeleológicas, como as agulhas de gipsita e as flores de aragonita, formadas após centenas de anos de transformações na rocha. Essa gruta disputa os olhares dos viajantes com outra, a Lapa Doce , terceira caverna do país em tamanho, que se estende por quase 18 quilômetros.

Outro local que vale a visita é o Poço Azul , com profundidade que varia de 3,5 a 16 metros. Ali é possível enxergar o fundo através da água límpida. Ao lado da Gruta da Pratinha e da Gruta Azul, ele forma um complexo no qual se pode praticar esportes como tirolesa e canoagem, além de mergulhar e apreciar os fenômenos de refração da luz solar dentro da água, provocando brilhos multicoloridos que inspiraram os nomes dos lugares.

Leia também:
- Guia da Chapada Diamantina
- Top 10: lugares para conhecer sozinho

Onde passear na chapada diamantina

Roteiro pelo Vale do Pati dura em média cinco dias
Getty Images
Roteiro pelo Vale do Pati dura em média cinco dias


Galeria de Arte e Memória de Igatu
R. Luís dos Santos
Tel. 75 3335-2510
Exposições de quadros produzidos por pintores regionais e venda de algumas obras. Aproveite para provar o melhor crepe da Chapada e os sorvetes caseiros servidos no local.
Funciona diariamente, das 9h às18h.
Preço: R$ 2

Trilha por cima da Cachoeira da Fumaça
Fora da Trilha - Rua das Pedras, 202, Lençóis
Tel. 75 3334-1326
Um dia de passeio por trilhas a 7 km do Vale do Capão ou 48 km de Lençóis.
Saídas em grupos de quatro integrantes, no mínimo. Inclui transporte, guia e seguro.
Preço: a partir de R$ 80 por pessoa

Roteiro das Grutas
Extreme EcoAdventure - Rua Almirante Barroso, s/nº, Lençóis
Tel. 75 3334-1727
Visitas à Torrinha; Pratinha; Gruta Azul e Morro do Pai Inácio. Inclui refeições em restaurante por quilo. Saídas em grupos de quatro integrantes, no mínimo
Preço: a partir de R$ 125 por pessoa

Trilha por baixo da Cachoeira da Fumaça
Extreme EcoAdventure - Rua Almirante Barroso, s/nº, Lençóis
Tel. 75 3334-1727
Cerca de 70 km entre Lençóis e Andaraí, o passeio feito por trilhas tem duração de até três dias. Inclui transporte de carro; alimentação completa com café da manhã, lanche e jantar; guia; barraca; isolante térmico e saco de dormir.
Saídas em grupos de quatro integrantes, no mínimo.
Preço: a partir de R$ 120 por pessoa (por dia)

Trilha ao Vale do Pati
Fora da Trilha - Rua das Pedras, 202, Lençóis
Tel. 75 3334-1326
Com duração mínima de três e máxima de cinco dias, a trilha ao Vale do Paty apresenta um espetáculo particular com piscinas naturais, grutas e cachoeiras, por isso, exige disposição física. Inclui transporte de carro; alimentação completa com café da manhã; lanche e jantar; guia e pernoite na casa de nativos. Preço: 3 dias, a partir de R$ 450; 4 dias, R$ 600 ou 5 dias R$ 750 por pessoa.

Onde ficar na Chapada Diamantina

Hotel Portal Lençóis 
Rua Chácara Grota, s/nº, Lençóis
Tel. 75 3334-1233

Pousada Villa Lagoa das Cores
Vale do Capão, Palmeiras, s/nº, Lençóis
Tel. 75 3344-1114

Pousada Bosque do Lapão
Rodovia BA 850, km 1, Lençóis
Tel. 75 3334-1342

Onde comer na Chapada Diamantina:

Restaurante Dona Nena 

R. Direita do Comércio, 140, Mucugê
Tel. 75 3338-2123
Funcionamento: diariamente, das 11h às 17h
O point é imperdível para quem visita a região por oferecer a melhor comida caseira preparada, em fogão à lenha, pela famosa dona Nena. O difícil é resistir à combinação de arroz, feijão, farofa de manteiga, abóbora e ensopados de carnes. Sistema self-service.

Cozinha Aberta Etnia Slow Food
Rua da Baderna, 111
Tel. 75 3334-1321
Funcionamento: diariamente, das 12h30 às 23h. Fecha em maio e outubro.
Como o nome já diz, os clientes observam o preparo dos caprichados pratos em um ambiente integrado entre a cozinha e as mesas, tudo sem pressa.

Leia mais sobre a Chapada Diamantina:
- O coração da Bahia, desenhado por montanhas
- Os tesouros da Chapada Diamantina

* O iG Turismo não se responsabiliza pelos preços divulgados. Sugerimos confirmar preços com agências e operadoras de viagens, bem como possíveis taxas extras e formas de pagamento.  

Acompanhe as novidades do iG Turismo pelo Twitter .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.