Cidades serranas proporcionam clima agradável, natureza exuberante e boa gastronomia para os amantes do inverno

Com a aproximação do inverno no Brasil, começam os desfiles de casacos pelas cidades serranas. Se o verão é a estação mais celebrada, os dias frios também têm seus atrativos. Qual seria, afinal, a graça de comer um bom fondue sob um calor de 40º C? Confira algumas opções de destino e veja o que cada uma dessas cidadezinhas têm a oferecer.

Campos do Jordão (SP)
A cidade mais alta do Brasil, Campos do Jordão talvez seja o mais agitado dos destinos de inverno no País. São 235 restaurantes e bares disponíveis para os cerca de 700 mil turistas que visitam a cidade durante a estação. A arquitetura é inspirada em países frios da Europa, o que reforça a alcunha de “Suiça brasileira”. Quase todo o agito se concentra no bairro de Capivari. Os restaurantes Matterhorn e Ludwig são boas opções para provar diferentes tipos de fondue. O lugar para badalar é o bar da cervejaria local, Baden Baden, quase uma instituição na cidade. Quem aprecia belas vistas pode subir aos morros do Elefante, de Itapeva ou Pedra do Baú.   

Leia também: Campos do Jordão é destino certo nos dias frios

Com 235 bares e restaurantes, Campos do Jordão é o mais agitado dos destinos de inverno
Flickr/Rodrigo_Soldon
Com 235 bares e restaurantes, Campos do Jordão é o mais agitado dos destinos de inverno

Monte Verde (MG)
Monte Verde é acolhedora, tem arquitetura charmosa e boa gastronomia. Quase uma versão menos pretensiosa de Campos do Jordão, a cidade é bem menos lotada na alta temporada. A Avenida Monte Verde, que começa no portal e vai até a Vila da Fonte, reúne as principais atrações. Bares, restaurantes, lojas de artesanato e roupas suficientes para um fim de semana sem tédio se espalham por ali. Natureza e clima europeu permeiam toda a cidade. Aproveite para fazer trilhas pela montanha.


Gonçalves (MG)
Cidade da Serra da Mantiqueira a 190 quilômetros de São Paulo, Gonçalves é para os que buscam tranquilidade e contato com a natureza. A Pedra de São Domingos, a 2.050 metros de altura, oferece visão de 360 graus da região, assim como a Pedra Bonita, com 2.120 metros de altitude. As trilhas são repletas de natureza virgem, riachos e cachoeiras. Outra atração é a comida mineira típica, feita nos fogões a lenhas dos restaurantes locais.


Lavras Novas (MG)
Uma estradinha rústica de terra, sem proteção, leva a Lavras Novas, a 19 quilômetros de Ouro Preto.  O pequeno distrito, que data de 1716, existe basicamente em função do turismo. Casinhas coloridas ajudam a compor o cenário majestoso orquestrado pelas vistas propiciadas pela montanha. Restaurantes de comida caseira e lojinhas de artesanato se acumulam em volta da Igreja Nossa Senhora dos Prazeres, no centro. Quadricíclos, motos e bicicletas podem ser alugados nas pousadas para quem quiser curtir a região de forma mais intensa.

Leia também: Belo Horizonte se estabelece como destino cultural

Petrópolis é para os que buscam conhecer passado glorioso do País
Flickr / Rodrigo Soldon
Petrópolis é para os que buscam conhecer passado glorioso do País
Petrópolis (RJ)
A topografia montanhosa deste refúgio a apenas 65 quilômetros do Rio de Janeiro é apenas uma das atrações. Em meados do século 19, Petrópolis foi sede do palácio de verão da família real. Muitos dos que passam pela cidade vão justamente em busca desse passado glorioso, repleto de mansões e palacetes.

Lojas de artesanatos e bons restaurantes ajudam a complementar a experiência dos viajantes.


Visconde de Mauá (RJ)
Mesmo durante o verão, esta cidade encravada na Serra da Mantiqueira tem clima europeu à noite. No inverno, é possível resistir às baixas temperaturas provando o gostinho especial da gastronomia local, participando de passeios a cavalo ou apenas escutando o barulho das águas (o local é cheio de cachoeiras e riachos).


Canela (RS)
Pequena cidade de influências alemã e italiana reserva para o visitante atrativos naturais e culturais. Destaque para o Parque do Caracol, onde se encontra uma queda de água de 131 metros e onde é possível fazer um nostálgico passeio de Maria Fumaça. O Castelinho Caracol (uma das primeiras construções da cidade, transformada em museu), a Catedral de Pedra e o Parque da Ferradura são outras atrações. No Alpen Park, é possível deslizar em um trenó alpino de 950 metros de extensão, fazer arvorismo, praticar rapel, tirolesa e escalada. 

Cascata do Caracol é uma das principais atrações de Canela
Flickr/Marcelo Alves
Cascata do Caracol é uma das principais atrações de Canela




Bento Gonçalves (RS)
A cidade que recebe cerca de 800 mil visitantes anualmente tem na produção local de vinho um de seus principais atrativos. A grande maioria das vinúcolas fica aberta para visitação e fornece tours guiados – além de degustação da bebida. O Vale dos Vinhedos, no limite do município com Garibaldi e Monte Belo do Sul, proporciona vista cênica das vinícolas da região. Pra conhecer um pouco mais da história da cidade, que no passado foi um polo de imigração italiana, o Museu Histórico Casa do Imigrante reune cerca de 3.000 fotos e 1.400 artefatos sobre o tema. Já quem busca aventura, pode aproveitar o trajeto de 12 quilômetros do Rio das Antas para fazer rafting. O passeio dura cerca de duas horas.


Gramado (RS)
A cidade mais conhecida da Serra Gaúcha está cada vez mais sofisticada. Palco do Festival Brasileiro e Latino de Cinema, a queridinha do inverno é também a cidade a mais bem estruturada da Região das Hortênsias. E vem investindo em grandes eventos para atrair um público ainda maior. Entre os passeios, o Parque Knorr, no centro, possui 72 mil metros quadrados de bosques e flores. Outras atrações são a Igreja de São Pedro, o Lago Negro e o Minimundo, uma cidade em miniatura, com réplicas de construções europeias.

Mais: Gramado esbanja charme europeu

Gramado é a queridinha do inverno no Rio Grande do Sul
perjano2 / Flickr
Gramado é a queridinha do inverno no Rio Grande do Sul

São Joaquim (SC)
Situada no Planalto Serrano de Santa Catarina, a 1.350 metros de altura, São Joaquim é uma das cidades mais frias do Brasil, registrando média mínima de 4,7°C durante o mês de julho. É, inclusive, uma das únicas regiões do País que, de vez em quando, registra precipitação de neve. Lagos e lagoas chegam a congelar. Para se esquentar, uma boa pedida é visitar a vinícola Villa Francioni. Um guia explica os detalhes da produção do vinho, que pode ser degustado  no fim do tour. É possível também fazer arvorismo, escalada e rapel pela região. Mas atenção, prepare-se para ruas lotadas e congestionamento. No inverno, a cidade enche de turistas.

Palácio Celso Galvão, em Garanhuns
Patrick-br
Palácio Celso Galvão, em Garanhuns
Garanhuns (PE)
Cidade natal do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, Garanhuns é conhecida como a "Suiça pernambucana" por conta do clima ameno da região. No inverno, a temperatura média é de 18,6°C, mas pode baixar para até menos de 10°C. A cidade está localizada no Planalto da Borborema e fica a 228 quilômetros de Recife.

A natureza farta faz de parques como o dos Eucaliptos e o Pau-Pombo os principais pontos turísticos do município. Destaque também para o Festival de Inverno de Garanhuns, evento musical que existe desde 1991 e já levou para a cidade nomes populares da música brasileira como Skank, Paulinho da Viola e Dominguinhos.


Triunfo (PE)
Com altitude média de 1.004 metros, Triunfo é a cidade mais alta do território pernambucano. O ponto mais alto é o morro Bico de Papagaio, que tem 1.260 metros de altura e proporciona bela vista de toda a região. Construções do século 19 e início do século 20, como o Cine Teatro Guarany, dão à cidade ar nostálgico. Grutas e cachoeiras podem ser visitadas pela região.


Alto Paraíso de Goiás (GO)
A 230 quilômetros de Brasília a cidade localizada na Chapada dos Veadeiros ficou famosa pelo misticismo. Para alguns, o fato de a latitude de Alto Paraíso ser a mesma de Machu Picchu, no Peru, é suficiente para atrair extraterrestres e discos voadores. Muitos procuram a região também em busca de terapias naturais e espirituais. Com média de 1.300 metros de altura, Alto Paraíso é a mais alta do Estado goiano e, consequentemente, tem uma das temperaturas mais baixas. A natureza é exuberante, com cachoeiras, vales e minas de cristais em meio às montanhas. A estrutura de hotéis e campings para abrigar os turistas tem crescido anualmente. 


Leia também:

- Os picos mais altos do Brasil
- Os tesouros da Chapada Diamantina

Acompanhe as novidades do iG Turismo pelo  Twitter 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.