Conhecidos como “city pass”, os tíquetes combinados nem sempre são uma boa opção para economizar nas viagens

Os passes turísticos podem ajudá-lo a economizar nos destinos, mas nem sempre
Reprodução
Os passes turísticos podem ajudá-lo a economizar nos destinos, mas nem sempre
Chegar numa cidade e entrar em atrações disputadas sem estresse. Utilizar ônibus e metrô sem ter de se preocupar com a tarifa ou onde comprar os bilhetes. Ganhar descontos em restaurantes, bares e lojas. Navegar suavemente num mar de vantagens sem se preocupar com ingressos, filas e outras dores de cabeça de viagem. É quase isso o que os city passes ou welcome cards prometem aos visitantes de cidades como Nova York , Londres , Berlim , Barcelona , Amsterdã e Paris . Mas até que ponto eles realmente valem a pena?

- Leia também: O que fazer para receber o IVA das compras feitas no exterior

Tudo depende de esmiuçar a fundo as ofertas, os preços fixos, considerar as atrações que acha indispensável visitar no local e colocar tudo na ponta do lápis. É preciso levar em conta também as vantagens oferecidas e até que ponto você vai utilizá-las - afinal, de que adianta ter 60 museus à disposição se você tem apenas três dias no destino? Aliás, não se impressione com números: alguns cartões listam dezenas de atrações pouco interessantes e passam batido por pontos-chave.

- Leia também: Como economizar em viagens

Outro fator importante é checar se não é possível aproveitar condições especiais rotineiras de cada cidade. Ainda que sejam os dias mais concorridos e com as maiores filas, muitos museus oferecem um dia por semana (ou por mês) onde se paga pouco - ou nada - para entrar. Em Paris, o Museu do Louvre e o Centro Georges Pompidou liberam as catracas no primeiro domingo de cada mês.

Já Londres tem a maior parte dos museus de graça diariamente. E aí cabe um alerta: o passe pode considerar até o aluguel de um audioguia como atração do pacote. A National Gallery e a Tate Modern, por exemplo, não cobram entrada, mas constam entre as 55 atrações do London Pass por conta do equipamento oferecido.

Ponto positivo

Em uma viagem a grandes metrópoles, o transporte público será seu maior aliado. Por isso, o uso irrestrito de ônibus e metrô por um período determinado é a principal vantagem desses passes. Caso os cartões que combinam atrações e transporte não sejam vantajosos, pergunte sobre os que oferecem apenas transporte: quase sempre, são bom negócio.


LONDRES

O London Pass vale a pena se você for entrar em clássicos de entrada cara como a Abadia de Westminster
Beatriz Prates
O London Pass vale a pena se você for entrar em clássicos de entrada cara como a Abadia de Westminster
O que é?

O London Pass dá direito a entrada livre em 55 atrações na capital inglesa. Pode incluir o Travelcard, passe de transporte com viagens ilimitadas entre as zonas 1 e 6 da cidade. É permitido utilizar o equivalente a até 80 libras (R$ 218) por dia, tendo como base os preços das atrações.

Vale a pena se...

For um completo novato em Londres e ficar mais de três dias na cidade. Ainda não conhece clássicos que têm entradas caras como a Torre de Londres (19,80 libras ou R$ 54), a Abadia de Westminster (16 libras ou R$ 44) e o Castelo de Windsor (16,50 ou R$ 45). Também vale se quiser visitar três grandes pontos turísticos por dia sem gastar muito com transporte, já que cada trecho de metrô custa 4 libras (R$ 10) e de ônibus, 2 libras (R$ 5). Ou se tem preguiça de filas e faro para caçar restaurantes e lojas que aceitam cupons de desconto.

Não vale a pena se...

Tiver menos de três dias na cidade e quiser priorizar o circuito dos grandes museus, como a Tate Modern e o British Museum, cuja entrada já é gratuita. Pretende conhecer muitas atrações em pouco tempo. Ou quiser só dar uma volta, respirar os ares londrinos e tirar uma foto à frente do Big Ben ou da London Eye.

- Leia mais notícias sobre Londres


PARIS

Os cartões valem a pena especialmente na alta temporada, quando as filas são quilométricas
Getty Images
Os cartões valem a pena especialmente na alta temporada, quando as filas são quilométricas
O que é?

Existem duas opções de cupons turísticos na capital francesa. O Paris Museum Pass dá acesso (sem fila) a mais de 60 museus e monumentos, como Arco do Triunfo, Louvre e Centro Pompidou, e tem disponibilidade de 2, 4 ou 6 dias - a partir de 39 euros (R$ 89). Já o Paris Visite vale para ônibus, metrô e trem dentro das zonas 1 a 3, para um período de 1 a 5 dias e custa a partir de 6 euros (R$ 14) para crianças e 11 euros (R$ 25) para adultos.

Vale a pena se...

Comprar os dois cartões e estiver na alta temporada, quando as filas são quilométricas. Não conhecer ainda os pontos-chave da cidade e quiser se locomover sem se preocupar com o valor de cada viagem.

Não vale a pena se…

For gastar mais tempo batendo perna nas lojas de grife do que nas atrações históricas. Ficar menos de cinco dias, pois os principais museus não abrem pelo menos um dia na semana. Não for usar muito o transporte público.

NOVA YORK

O City Pass vale a pena se você for marinheiro de primeira viagem
Getty Images
O City Pass vale a pena se você for marinheiro de primeira viagem
O que é?

O mais popular dos passes de Nova York é o City Pass . Depois de usá-lo a primeira vez, o tíquete vale por nove dias - entre as atrações, Empire State, MoMA, Guggenheim, Metropolitan e navegação até a Estátua da Liberdade e Ellis Island. Preço: US$ 89 para adultos ou US$ 64 para crianças. Já o New York Pass , de proposta semelhante, tem opções de 1 a 7 dias - mas os preços (a partir de US$ 80) não são tão atrativos.

Vale a pena se...

For marinheiro de primeira viagem na Big Apple e quiser conhecer as principais atrações, já que a soma dos valores das entradas para adultos com o City Pass em todos esses pontos turísticos é de US$ 117,62 (R$ 203).

Não vale a pena se...

Quiser conhecer apenas três das atrações contempladas ou tiver pouco tempo na metrópole.

BERLIM

O Welcome Card inclui transporte mais acesso à Ilha dos Museus (Museuminsel)
Getty Images
O Welcome Card inclui transporte mais acesso à Ilha dos Museus (Museuminsel)
O que é?

Há dois tipos de cartões na capital alemã. O Berlin WelcomeCard , mais usado, oferece vantagens para descobrir a cidade e circular livremente utilizando todo tipo de transporte público por um período de 2 a 5 dias. Apesar de não garantir gratuidade total nas mais de 200 atrações que engloba, concede reduções que variam entre 25% e 50 %. Já o Berlin Pass oferece 50 atrações em seu pacote, além de transporte público e ônibus de turismo.

Vale a pena se…

Tomando como base o cartão de 72 horas: enquanto o Berlin Pass sai por 82 euros (R$ 187) para adultos e 39 euros (R$ 89) para crianças, o Welcome Card - que inclui transporte mais acesso à Ilha dos Museus (Museuminsel) - custa apenas 34 euros (R$ 77). Uma ótima opção, já que você vai usar muito o transporte público, especialmente o metrô.

Não vale a pena se...

Ficar apenas um dia na capital alemã ou se não pretende fazer grandes deslocamentos. Em geral, o Welcome Card é mais vantajoso, mesmo que você queira visitar o Checkpoint Charlie, museu localizado na antiga fronteira entre Berlim Oriental e Ocidental, incluído apenas no Berlin Pass: a entrada custa apenas 12,50 euros.

AMSTERDÃ

O city pass de Amsterdã não proporciona grandes economias. Na foto: Museu Van Gogh
Getty Images
O city pass de Amsterdã não proporciona grandes economias. Na foto: Museu Van Gogh
O que é?

Além de transporte ilimitado pela rede de trams (espécie de metrô de superfície), o I Amsterdam City Card dá acesso a 30 atrações e descontos de 25% em outros 100 lugares, como bares e restaurantes. Um dia sai por 40 euros (R$ 91) e dois, 50 euros (R$ 114).

Vale a pena se...

Não quiser se preocupar em fazer contas e não se importar em pagar a mais por algumas atrações-chave. Não gostar muito de caminhar ou tiver dificuldades de locomoção.

Não vale a pena se...

Somar os ingressos para as quatro principais atrações pagas. Museu Van Gogh (14 euros ou R$ 32), Museu Rembrandt (10 euros ou R$ 23), Rijksmuseum (14 euros ou R$ 32) e Casa de Anne Frank (9 euros ou R$ 20) custam juntos 47 euros (R$ 107). Poderia até ser vantajoso se o cartão não excluísse as duas últimas atrações - e se a cidade não fosse tão convidativa a andar a pé - ou de bicicleta.

BARCELONA

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=turismo%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1597697173614 &_c_=MiGComponente_C O que é?

Há dois passes disponíveis na cidade, o Barcelona Card e o Art Ticket, ambos disponíveis no site barcelonaturisme.com . O primeiro vale 26 euros (R$ 59) por dois dias e dá direito a circular ilimitadamente em transporte público, além de desconto de 20% nos principais museus e pontos turísticos. Já o segundo, que custa 28,50 euros (R$ 65), garante entrada em sete museus.

Vale a pena se...

Compre os dois cupons para fazer seu tempo e dinheiro renderem. Se estiver focado em conhecer museus e disposto a caminhar, você economizará algumas viagens de metrô e ônibus, além de quase 30 euros (R$ 68) comprando só o Art Ticket. Se for perambular pela cidade e não abre mão de outros ícones como a Basílica da Sagrada Família e a Casa Batlló, vá apenas de Barcelona Card.

Não vale a pena se...

Conhece os principais museus ou se tem menos de dois dias na cidade, já que cada museu não custa tão caro se pago individualmente. Por exemplo, o Museu Picasso e a Fundação Joan Miró cobram 11 euros (R$ 25) e 10 euros (R$ 23), respectivamente. Até visitando a Casa Batlló (18,50 euros ou R$ 42)- compensa mais pagar avulso.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=turismo%2FMiGCompLinks_C%2FMiG_Detalhe&_cid_=1597697174767&_c_=MiGCompLinks_C Tem outras dicas imperdíveis de viagens? Deixe para a gente na caixa de comentários


Acompanhe as novidades do iG Turismo também pelo Twitter

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.