Aventura exige desprendimento e espírito aventureiro, mas paisagens naturais recompensam o esforço

Saindo do Deserto do Atacama, são três dias de viagem em 4x4 para chegar até o Salar de Uyuni
Getty Images
Saindo do Deserto do Atacama, são três dias de viagem em 4x4 para chegar até o Salar de Uyuni
Verdade seja dita, conhecer o maior deserto de sal do mundo não é para qualquer um. O viajante precisa ter um certo espírito aventureiro e abrir mão de condições mínimas de conforto. Em uma travessia tradicional pelo Salar do Uyuni , seis viajantes sacolejam por três dias na parte de trás de um veículo 4x4, cruzando estradas imaginárias de terra.

Camila Sayuri
No Salar, os turistas sentem-se isolados na imensidão branca
O deserto, localizado na região de Potosí, está a 3.650 metros de altitude. Durante o percurso chega-se a 4.850 metros (comparando: o Pico da Neblina, o ponto mais alto do Brasil, está a 2.993 metros acima do nível do mar). A cabeça dói, a náusea incomoda e nem muita folha de coca mascara o mal-estar provocado em corpos ainda não aclimatados à altitude . Tem ainda a brusca inversão térmica . No inverno, o calor forte e seco do dia pode cair a -20ºC durante a noite – e os pernoites são em alojamento simples, sem calefação.

Por que então o lugar atrai milhares de turistas de diferentes partes do mundo todos os anos? A resposta vem fácil para quem já se aventurou. A paisagem recompensa, o lugar fascina. Na imensa superfície de 12 mil km 2 alucinantemente branca, os turistas de olhos embasbacados procuram entender esta região vasta, plana e sem nenhum sinal de vida. O lugar impressiona ainda mais durante a época de chuvas , de dezembro a março, quando uma fina capa de água cobre o chão de sal, refletindo como um espelho o céu azul.

Não é tudo. O Salar do Uyuni é um dos pontos altos da viagem, mas está longe de ser o único. As agências de viagens costumam oferecer o tour de três dias saindo de San Pedro do Atacama , no Chile, chegando em Uyuni, na Bolívia, ou o caminho inverso. Com quatro dias volta-se à cidade de partida. O roteiro de viagem costuma ser o mesmo e o modelo do carro também. O pacote pela agência Atacama Mística, com transporte, alimentação e hospedagem, sai por cerca US$ 120.

O primeiro dia

Partindo de San Pedro, são descobertos vários cenários até o momento de colocar os pés no sal puro. A primeira parada é na Laguna Blanca , um lago de água embranquecida, próxima à Laguna Verde , com água cor esmeralda, aos pés do vulcão Licancabur. Segue-se então rumo às piscinas termais , onde os visitantes relaxam por trinta minutos na água quentinha, a cerca de 30º C. A próxima parada é no ponto mais alto da viagem, os gêiseres Solar de Mañana , um conjunto de poços de água sulfurosa fervente com suas enomes colunas de fumaça.

A fome aperta e o almoço tardio costuma ser às margens da Laguna Colorada , o belo lago de cor avermelhada, repleto de flamingos. Não espere um banquete, os próprios motoristas costumam montar na traseira do jipe a refeição. Algo simples, como o arroz com atum enlatado, salada e uma fruta que comemos. O alojamento fica próximo à Laguna. A luz, proveniente de um gerador, mantém o local iluminado apenas das 19h às 21h. Mas o corpo reclama de cansaço e já é hora de dormir.

O segundo dia

A viagem de 4x4 recomeça com parada para ver a Árbol de Piedra
Getty Images
A viagem de 4x4 recomeça com parada para ver a Árbol de Piedra
A viagem recomeça cedo no segundo dia. O destino é o deserto de Siloli , que possui diferentes formações rochosas esculpidas pelo vento, sendo a mais famosa a Árbol de Piedra , ou Árvore de Pedra. Visita-se também a Laguna Hedionda , um belo lago repleto de flamingos que lhe renderá lindas fotos das aves rosada.

A hospedagem da noite é em um dos chamados hotéis de sal , em San Juan. De longe, parece uma casa singela de paredes brancas e teto de palha. Um olhar mais cuidadoso revela que tudo ali – parede, chão, móveis – é feito de sal. Uma experiência que lhe prepara para a visita ao Salar de Uyuni .

O terceiro dia

A Isla Incahuasi impressiona pelos cactos gigantes
Getty Images
A Isla Incahuasi impressiona pelos cactos gigantes
Vale a pena madrugar para ver o amanhecer no deserto de sal e ver em 360º o céu ganhar cores fortes. As máquinas não param de disparar. E haja criatividade nas fotos. Aproveitando os efeitos de ilusão de ótica, os turistas saltam e brincam em poses cômicas.

O jipe volta a percorrer a enorme planície branca e, mais uma vez, o deserto lhe surpreende. Chega-se à Isla Incahuasi , ou Ilha do Pescado, uma ilha toda cercada por sal que abriga cactos gigantes que podem chegar a medir 10 metros de altura.

No iníco da tarde, o jipe chega a Uyuni. É o fim da viagem tanto para os que permanecem na cidade boliviana como para os que retomam sem paradas a San Pedro de Atacama. Ao fim, fica na cabeça este outro lado da Bolívia, um dos países mais pobres da América do Sul, com paisagens únicas no continente.

Quer mais dicas de viagens? Siga o iG Turismo no twitter: @igturismo



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.