Atrações imperdíveis e truques para se dar bem na primeira viagem à capital da China

Espanto pode ser a definição do primeiro impacto provocado por Pequim no viajante. A capital chinesa que exala história - muitas vezes lembrada pelo comunismo implantado por Mao Zedong em 1949 ou pelo massacre da Praça da Paz Celestial 40 anos mais tarde - também esbanja vigor. A cidade está mais para cenas de capitalismo explícito e destino cosmopolita do que para odes ao socialismo.

Na cosmopolita metrópole se reconhecem marcas globais e tradições milenares
Getty Images
Na cosmopolita metrópole se reconhecem marcas globais e tradições milenares

Conhecer Pequim é testemunhar a transformação de uma cidade. Um local onde se reconhecem marcas globais como Mcdonald's e Starbucks ou Zara e GAP, mas também se preserva a cultura chinesa do tai chi chuan, do chá, do jogo de tabuleiro chamado majong, do andar pelas ruas vestindo pijamas.

Pequim é mundo, mas é também peculiar. Essa mistura encanta o turista. Aliás, caso não seja descendente de asiáticos, será muito clara a sua condição de laowai, ou “gringo”, como eles se referem aos estrangeiros. Você provocará curiosidade e talvez até seja convidado a posar para fotos com outros turistas chineses, que querem levar para casa lembranças de amigos vindos de fora.

Esta curiosidade se revela em cordialidade, e ainda que a língua seja uma barreira quase instransponível para os não iniciados, sempre haverá alguém disposto a ajudar. A linguagem universal dos gestos garante a compreensão. Cada vez mais os chineses falam inglês, mas nem todos muito bem, e muitas vezes o sotaque forte pode atrapalhar. Os pontos turísticos têm sinalização em inglês, bem como o metrô – que leva virtualmente para qualquer ponto da cidade.

Muitos chineses usam a bicicleta para se locomover em Pequim
Getty Images
Muitos chineses usam a bicicleta para se locomover em Pequim
Pequim se organiza por meio de anéis viários, e dentro destes, os quarteirões são dispostos como um tabuleiro de xadrez. É fácil seguir mapas, pois há poucos becos ou ruas sinuosas – a exceção fica por conta dos bairros mais antigos. Só tenha em mente que se locomover em Pequim exige tempo.

Os principais pontos turísticos estão distantes um do outro, e o trânsito pesado pode atrapalhar. Para quem optar pelo táxi as tarifas são baratas, se comparadas ao Brasil. Tenha sempre em mãos cartões com os endereços em caracteres dos locais a que deseja ir. Muitos chineses não reconhecem os endereços em letras romanas. Esqueça os ônibus, a sinalização é toda em mandarim e é praticamente impossível descobrir os itinerários, se você não fala a língua.


Acompanhe as novidades do iG Turismo também pelo Twitter .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.