Conheça a capital britânica dos londrinos e a entenda pela ótica dos imigrantes brasileiros

Assim como o Rio de Janeiro é simbolicamente dividido entre norte e sul, ambos os lados abençoados pelos braços do Cristo Redentor, em Londres, no Reino Unido, há uma divisão ainda mais acentuada, mesmo sem nenhum monumento de grande visibilidade para representar a região habitada por londrinos e aquela “dominada” pelos imigrantes que vieram com a mesma certeza: ficar e se dar bem em uma das cidades mais cosmopolitas de todo o mundo.

No caso da capital britânica, a divisão é nítida no eixo leste-oeste, separado por um  com estabelecimentos de compras, o Palácio de Buckingham, o Big Ben, Trafalgar Square e outros atrativos que de certa maneira camuflam o cordão invisível que separa a cidade.

Veja também: Londres 2012: Sete curiosidades sobre a Grã-Bretanha

Centro Londes atrai milhões de turistas durante todo o ano e camufla outros aspectos da cidade
Thinkstock
Centro Londes atrai milhões de turistas durante todo o ano e camufla outros aspectos da cidade

Londres pelos londrinos
Joe O’Connor tem apenas 21 anos de idade e uma opinião bastante formada sobre ser londrino e conviver com as mais diferentes culturas que se encontram, harmoniosamente ou não, pelos quatro cantos da cidade britânica. “Moro na periferia norte, zona 6, é praticamente uma fazenda. Quando vou ao centro, evito passar de Old Street, que é onde está a divisão. O lado de lá é abarrotado”, diz o garoto que se prepara para entrar na universidade.

Dave Fongo, amigo de Joe, já mora na zona 2 de Londres, do lado oeste, nobre e com pouca incidência de imigrantes. “Eu acho ótimo ir a pubs em Notting Hill, Chelsea e até mesmo em London Bridge. Perdi a vontade de frequentar Brick Lane e outros lugares descolados, pois por lá sou minoria, entende?”, desabafa o rapaz de 25 anos de idade, que cursa música em uma universidade ao norte de Londres.

“Eu jamais iria na Fabric”, ressalta, citando uma das baladas mais famosas de Londres, com diversos andares com música eletrônica. O “problema” da boate é o público ser majoritariamente estrangeiro. “São turistas, estudantes, gente que está aqui para curtir Londres de uma maneira diferente e um pouco autodestrutiva”, explica Dave, frustrado.

O Big Ben, o relógio mais famoso do mundo, localizado em uma das torres de sustentação da Casa do Parlamento, é como um Cristo Redentor. Precisa ter paciência para conseguir uma foto exclusiva ao lado da torre, pela quantidade de turistas que frequentam a região, vizinha da Abadia de Westminster, a principal e mais importante da capital inglesa.

Além do metrô, ônibus são boas maneiras de se trasportar pela cidade. Ao menos fora dos horários de pico
Thinkstock Photos
Além do metrô, ônibus são boas maneiras de se trasportar pela cidade. Ao menos fora dos horários de pico
Nos arredores, além dos escritórios comerciais, começam a aparecer os bairros tipicamente londrinos, que seguem a oeste e ao norte. Uma boa dica é começar por Notting Hill, o famoso bairro do filme “Um Lugar Chamado Notting Hill”, para apreciar a arquitetura, as livrarias e cafés. Tudo muito britânico.

Earl’s Court também é boa dica para sentir a atmosfera londrina, com casinhas ajeitadas, pubs locais nos quais é muito difícil um atendente ter sotaque que não seja britânico. Para fazer compras, o caminho é o shopping Westfield de Shepherd’s Bush, que tem as butiques mais sofisticadas e fica ao lado do prédio central da BBC, a maior rede televisiva do Reino Unido.

Leia também: Vá às compras em Londres, de metrô

Para passear e fazer piqueniques, vá ao Holland Park, que fica ali pertinho. Há pavões, pequenos esquilos e outros animais vistosos que combinam com a flora igualmente exuberante. O parque é rodeado por mansões inglesas, que valem no mínimo um milhão de libras (R$ 3 milhões). Por lá é muito difícil ver muçulmanos, hindus e coreanos, que dominaram o lado leste (e não menos interessante) de Londres.

Quer mais pompa? Para a balada, Mayfair é o bairro dos londrinos endinheirados. Até o Príncipe Harry é frequentador dos clubes noturnos que selecionam quem vai entrar pela aparência e influência na alta sociedade britânica. Mas, não custa arriscar.

A região da Harrods, em Knightsbridge, concentra casas de chá, lojas de luxo e o império da família Al Fayed. Embora os londrinos dominem os arredores, eles evitam a própria Harrods, por estar sempre lotada de turistas. Emily Gaisborg, recém-formada em design de moda, elege a King’s Road, onde Pippa e Kate Middleton adoram fazer umas comprinhas, como o local ideal para passear, relaxar e visitar a bela Saatchi Gallery, intimista e com boas propostas de novos artistas contemporâneos.

Região de Harrods concentra casas de chá, lojas de luxo e o império da família Al Fayed
Thinkstock
Região de Harrods concentra casas de chá, lojas de luxo e o império da família Al Fayed

“Na King’s Road tem todas as marcas que preciso e é perto da minha casa em Chelsea. Basta dar um pulo em Sloane Square e tenho tudo ao meu redor.” No entanto, a jovem de 27 anos lamenta: “Gostaria de ir mais a Covent Garden, adoro a Royal Opera House, mas me irrito com a quantidade de turistas”.

Para quem gosta de passeios à beira do rio, partir de Embankment em direção à London Eye é a melhor opção para captar a atmosfera londrina. Não deixe de reparar na imponente Somerset House, que abriga exposições o ano todo e é a casa da Semana de Moda de Londres duas vezes ao ano, em fevereiro e setembro.

Rio Tâmisa divide Londres em duas partes bastante distintas
Thinkstock
Rio Tâmisa divide Londres em duas partes bastante distintas
Do outro lado do Rio
Dica de ouro para amantes das artes, cinema e boa gastronomia é passar pelo Southbank Centre. Sabatinas, seções gratuitas de cinema húngaro (por exemplo), vernissages, exposições e tudo mais relacionado ao movimento artístico levam ao Southbank Centre a nata da sociedade das artes, jovens talentos e estudantes ávidos por novidade e conhecimento.

Mais: Tintim na Inglaterra

Além dos espaços internos, é uma bela opção para passear à beira do rio, fazendo paradas para um vinho branco gelado (no verão) ou uma bela garrafa de vinho tinto seco (no inverno), sentado em um dos bancos em frente aos inúmeros restaurantes da “praça de alimentação”, com vista para a London Eye e até a Catedral de St. Paul’s.

Centro democrático
O centro de Londres é o coração turístico da cidade. Disposição e bom humor para enfrentar as Oxford e Regent Streets, as duas principais ruas de compras da capital inglesa, são mais que necessárias uma vez que você, querendo ou não, vai esbarrar em algum cidadão de outro país que vai lhe proferir palavras “estranhas” e você vai morrer sem saber se foi xingado, ou apenas rolou uma reclamação cotidiana.

Ali está todo mundo. Sthefhany Laurees, 25, estudante de moda da London College of Fashion, que fica em uma das ruas perpendiculares à Oxford Street, bem próxima do metrô “Oxford Circus” (um dos mais movimentados de Londres, na Central Line), afirma: “Não tenho opção. Saio de casa, no extremo norte de Londres, e passo o dia aqui por conta da faculdade. Acho estressante ir aos os restaurantes locais, sempre cheios e as lojas com filas quilométricas, mas é uma realidade com a qual já estou subliminarmente acostumada”.

Loucos por compras se afunilam na Oxford Street, no centro
Getty Images
Loucos por compras se afunilam na Oxford Street, no centro

Kara Oakley, uma das gerentes de vendas da flagship store da Topshop, na Oxford Street, veio de Leeds (interior da Inglaterra) para Londres e confessa que a loja, apesar de estar situada em um local turístico é superfrequentada pelas mulheres britânicas, “que são as que mais entendem a essência de nossa linha de produção. É para elas que pensamos moda. As outras copiam e adaptam o nosso estilo”, diz.

Leia também: Roteiro de Londres em cinco passos

Lojas da Apple, H&M, Urban Oufitters, Zara e outras tantas cobiçadas estão por lá. Por isso: respire fundo e não se assuste com a miscigenação. Estressou? A dica é parar no Canela Café, bem perto da estação de metrô Tottenham Court Road, para um café expresso e um pão de queijo, tudo à brasileira.

Bem vindo à zona-leste
Dominada por muçulmanos, a zona leste de Londres, apesar de importante polo cultural e alternativo da cidade, por atrair jovens estudantes que não podem pagar um aluguel em Chelsea, por exemplo, a área é a chamada “terra de ninguém”. Mistura de culturas, sotaques e biotipos constituem a atmosfera e realidade física da região, que começa não-oficialmente, mas visivelmente, em Brick Lane (estação de metrô St. Paul’s).

Leste de Londres passou por transformação para as Olimpíadas de 2012
Cortesia ODA (Olympic Delivery Authority)
Leste de Londres passou por transformação para as Olimpíadas de 2012
Mesquitas e galerias de artes dividem o espaço do bairro alternativo, seguindo a regra do “cada um no seu quadrado”. A partir daí, Mile End (estação de metrô Mile End, Central Line) é o paraíso dos camelôs muçulmanos, restaurantes típicos, lojas com ótimos produtos hindus e, apesar do domínio conservador, jovens estilosos desfilam seus modelitos diariamente para irem à Queen Mary University, uma das mais tradicionais do Reino Unido, com grande incidência de estrangeiros.

Daniel Saldanha é brasileiro e estuda na Queen Mary há dois anos. Ele diz que raramente vai ao oeste, onde as pessoas (no caso, os ingleses) são “posh” (metidos). “Aqui encontro moradia razoavelmente barata, tenho discotecas bem alternativas, exposição de artes, brechó e parques.” Enfim, tudo o que um universitário de 24 anos precisa.

No entanto, Canary Wharf, o moderno e imponente centro financeiro de Londres, é a região do leste que mais concentra londrinos e britânicos em geral. “Morar aqui é excelente. A vista é maravilhosa e estou a dois quarteirões do meu escritório”, explica Dominique Shultz, 45, empresário. “Foi uma decisão difícil para mim e para a minha família sair do oeste (eles moravam em Chiswick, região de classe média alta a oeste de Londres) e vir para cá. Mas é um bairro moderno, com boas escolas e acho fundamental as crianças conviverem com diferentes culturas”, explica.

Para Rita e Marcos Dalla Pria, casal de brasileiros que mora há seis anos em Londres, a vida é tranquila no lado leste. “Compramos um apartamento em Westferry, ao lado do centro de Canary Wharf. É bem perto do trabalho e estamos a um pulo do centro. O trem fica praticamente à nossa porta”, comenta Rita. “Um apartamento como esse no lado oeste custaria o triplo do preço, e olha que nem é tão grande, são dois quartos, uma sala, cozinha e um banheiro”, explica Marcos. Os dois, desde que chegaram à capital britânica, moram na região leste. “É como se aqui tivesse um ímã para quem vem pela primeira vez a Londres”, brincam.

Mais: A Londres tradicional e elegante

É também na “zona leste” que está o observatório, parque e universidade de Greenwich, ponto turístico obrigatório principalmente para quem vai a Londres pela primeira vez. O bairro é calmo, concentra feirinhas com boas barganhas e a vista é de tirar o fôlego após subir as íngremes rampas do parque para chegar à linha do meridiano 0.

Universidade de Greenwich é passeio obrigatório
Getty Images
Universidade de Greenwich é passeio obrigatório

Vale a visita e a voltinha mais longa pela Docklands Light Raylway (DLR), onde modernos trens que “se movimento sozinho”, pois não há cabine de motorista. A dica é saltar na estação Cutty Sark (for Greenwich) e não na própria estação Greenwich. A baldeação para a DLR pode ser feita nas estações de metrô de Bank e Tower Hill.

Mapa do metrô em mãos, programe-se para conhecer o leste e o oeste de Londres, afinal, você também fará parte da turma “de fora”, esteja onde estiver. Mas calma, os londrinos são mais simpáticos do que se imagina e não economizam na hora de dar informações sobre ruas, estações de metrôs, boas atrações turísticas e o pub mais próximo com diversas opções de comidinhas e cervejas.

Siga o iG Turismo no Twitter


Alguns endereços úteis:

Southbank Centre
Belvedere Road London
Londres, SE1 8XX
Reino Unido
Metrô: Waterloo

Fabric
77A Charterhouse Street
Londres, EC1M 6HJ
Reino Unido
Estação de trem: Farringdom

Big Ben/Casa do Parlamento
Bridge St
Londres, SW1A 2HZ
Reino Unido
Metro: Westminster

Saatchi Gallery
Duke of York's HQ - King's Road
Londres, SW3 4RY
Reino Unido
Metrô: Sloane Square

Royal Opera House
Covent Garden
Londres, WC2E 9DD
Reino Unido
Metrô: Covent Garden

Harrods
87-135 Brompton Road
Londres, SW3 1ER
Reino Unido
Metrô: Knightsbridge

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.