Apreciar obras de arte, contemplar a cidade de uma roda-gigante ou passear às margens do Tâmisa. Confira o roteiro por South Bank

Beliscar uma infinidade de coisinhas num mercado fervilhante embaixo da linha do metrô, andar por ruazinhas estreitas e calçadas modernas à beira do rio, visitar exposições na Tate Modern e na Hayward Gallery e, ainda, contemplar Londres de cima, na London Eye. Na capital inglesa, poucos passeios são mais agradáveis do que caminhar pela região do South Bank, a margem sul do Rio Tâmisa, principalmente para quem tem a sorte de pegar um dia ensolarado. Porém, se estiver aquele típico clima londrino, é só armar-se de capa de chuva, vale a pena.

Ponto de partida: Borough Market

No Borough Market, guloseimas podem ser degustadas
Flickr/ Jim Crossley
No Borough Market, guloseimas podem ser degustadas

O melhor é deixar essa jornada para uma quinta, sexta ou sábado, quando o Borough Market está aberto. Além de poder degustar quase tudo o que está à venda, de azeitonas a queijos, dá para experimentar delícias como as tortinhas e os sucos. As pessoas pegam suas guloseimas e sentam-se ao redor da Southwark Cathedral, colada ao mercado. Para chegar ao Borough Market, há várias estações de metrô possíveis, como a London Bridge e a Monument, que não é a mais próxima, mas é a melhor: você atravessa a London Bridge, tem uma vista incrível da Tower Bridge e, pronto, está no mercado.

Passo 1: Do Borough Market ao Golden Hinde

O Golden Hinde, próximo ao Tâmisa, é uma reprodução de um navio do século 16
Flickr/ Jerzy Kociatkiewicz
O Golden Hinde, próximo ao Tâmisa, é uma reprodução de um navio do século 16


Saindo por trás do Borough Market, topa-se com o Golden Hinde, uma reconstrução de um barco do século 16 comandado por sir Francis Drake, líder da esquadra que derrotou a Invencível Armada espanhola, antes de se tornar um autêntico pirata do Caribe. Ali avista-se um pedacinho do rio. Mas, para chegar à margem do Tâmisa, é preciso primeiro andar por uma ruazinha simpática, de paralelepípedos.

Passo 2: Do Golden Hinde ao Shakespeare's Globe

Shakespeare's Globe: reconstrução do antigo teatro onde o dramaturgo inglês encenava suas peças
Flickr/ Giving Not
Shakespeare's Globe: reconstrução do antigo teatro onde o dramaturgo inglês encenava suas peças

Com a brisa no rosto, alcança-se o Shakespeare’s Globe, reconstrução do teatro onde William Shakespeare encenava suas peças – o original pegou fogo durante uma performance de Henrique VIII. Além de ter exibições de peças do maior dramaturgo inglês, é possível fazer um tour pelas instalações (se for durante a temporada teatral, apenas pela manhã; se for à tarde, o tour será pelo vizinho Rose Theatre).

Passo 3: Do Shakespeare's Globe ao Tate Modern

A bela Millenium Bridge fica em frente ao Tate Modern. Ela foi destruída na série Harry Potter
Flickr/ Alquiler de Coches
A bela Millenium Bridge fica em frente ao Tate Modern. Ela foi destruída na série Harry Potter

Ao lado está o Tate Modern, verdadeiro responsável pela revitalização dessa região. O museu guarda uma das maiores coleções de arte moderna do mundo, com obras de grandes artistas como Matisse e Pollock. A exposição permanente é de graça, mas convém fazer uma contribuição voluntária. A instituição também promove mostras completas de nomes como Frida Kahlo e Paul Gauguin (sempre pagas), além de contar com uma loja ótima para garimpar presentinhos originais para todas as idades. Os fãs de Harry Potter ainda podem dar uma voltinha na Millenium Bridge, em frente ao museu, que foi destruída pelos Comensais da Morte no filme Harry Potter e o Enigma do Príncipe, de 2009.

Passo 4: De Tate Modern ao National Theatre

O National Theatre está em uma área dominada pela arte
Flickr/ Yellow Book
O National Theatre está em uma área dominada pela arte

O passeio segue pelo National Theatre, com apresentação de peças da maior qualidade. Na sequência, embaixo da Waterloo Bridge, fica o BFI Southbank, sede do Instituto Britânico de Cinema na região. Quem gosta de filmes clássicos – ou nem tanto – tem ali um verdadeiro paraíso. Depois, vem o Southbank Centre, que abriga o Royal Festival Hall, o Queen Elizabeth Hall e o Purcell Room, para apresentações de música, além da Hayward Gallery, local de boas exposições. A região também é um bom lugar para comer, porque há unidades de restaurantes de preço e comida decentes, como Giraffe e Wagamama.

Passo 5: Do National Theatre a London Eye

Ao chegar à London Eye, pode-se ver o Big Ben e o Parlamento do outro lado do rio
Flickr/ Börkur Sigurbjörnsson
Ao chegar à London Eye, pode-se ver o Big Ben e o Parlamento do outro lado do rio

Depois de alimentar corpo e espírito, é hora de caminhar mais um tantinho até a London Eye, a roda-gigante que permite vistas panorâmicas da cidade. Seu vizinho é o London Aquarium, com tubarões e piranhas para agradar aos pequenos e grandes. Dali já se vê, do outro lado do rio, o imponente Big Ben e o Parlamento, com a Abadia de Westminster atrás. Quem estiver no pique ainda pode atravessar a Westminster Bridge para conferir de perto mais esses três cartões-postais da capital inglesa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.