Um passeio pela colorida e alegre cidade italiana revela igrejas e histórias sombrias

Interior da igreja de Santa Maire delle Anime dell Purgatorio
NYT
Interior da igreja de Santa Maire delle Anime dell Purgatorio
Em direção a Nápoles , minha ideia era mergulhar nos trabalhos de uma mestra gótica menos conhecida, Ann Radcliffe. Ela era uma inglesa reclusa que, como Walpole, foi celebrada em seu tempo por suas novelas.

O romance mais conhecido de Radcliffe, "The Italian", tem lugar na Nápoles do século 18. Quase todas as suas páginas contêm uma torre de castelo, uma ruína sombria e arrepiante, e perseguidores de batina pertencentes a ordens religiosas. A trama é bastante simples: um jovem nobre de Nápoles se apaixona por uma moça que sua mãe desaprova veementemente. A mãe contrata um monge mau para livrar-se dela, mas o monge descobre que a moça é, na verdade, sua filha, fruto de um caso proibido.

O livro começa com um inglês sondando a igreja napolitana de Santa Maria del Piano , que Radcliffe diz ter abrigado "o convento muito antigo da ordem dos Penitentes Negros". A igreja ainda está lá, mas não se encontra em nenhum mapa turístico. Ela ainda existe, mas se localiza onde é hoje um subúrbio infestado pelo crime organizado chamado Secondigliano. Tive, relutantemente, de cortá-la da lista de lugares a visitar.

Há outros cenários napolitanos de Radcliffe valem uma visita, nem que seja porque buscá-los permite perambular pelas ruas da cidade, notando os muitos outros encantos góticos de Nápoles que Radcliffe perdeu de vista.

um dos muitos esqueletos encontrados na igreja de Santa Maira delle Anime dell Purgatorio
NYT
um dos muitos esqueletos encontrados na igreja de Santa Maira delle Anime dell Purgatorio
Os personagens amantes do livro, Vivaldi e Ellena, se vêem pela primeira vez na igreja de San Lorenzo Maggiore , que ainda se ergue no centro histórico de Nápoles - uma construção amarela e cinzento que tem por baixo de si um sítio arqueológico. Um local ainda mais assustador é o Museu das Almas do Purgatório , criado pela igreja católica no início do século passado, que recebia doações de ossos de mortos para resgatar as almas associadas a eles do esquecimento eterno.

Imperdível mesmo na viagem é a igreja de Santa Maria delle Anime dell Purgatorio, onde há um esqueleto coroado chamado "Lucia" e uma obra-prima escultural de um esqueleto alado.

Mas a maior parte da ação em "O Italiano" ocorre em um castelo arruinado nas montanhas, onde o casal fica trancado em salas escuras, são sequestrados e então enviados para o sádico tribunal da Inquisição. O Castelo San’Elmo ainda encontra-se no mesmo lugar, uma estrutura medieval, cheio de passagens. A vista de lá é espetacular.

Pedestres passam em frente à igreja de Santa Maira delle Anime dell Purgatorio
NYT
Pedestres passam em frente à igreja de Santa Maira delle Anime dell Purgatorio
Alguns metros abaixo está o mosteiro de San Martino , um suntuoso local com jardins secretos, perfumado por laranjeiras com galhos de cipreste balançando. Tanto o castelo, quanto o mosteiro são acessíveis por bondinho que desce até o centro histórico.

Não perca o pequeno Museo Capella Sansevero , com dois esqueletos anônimos, cujo sistema circulatório, segundo as lendas, teria sido misteriosamente mumificado por um louco alquimista nobre.

Descubra o passado mal-assombrado:

- Em Roma
- Em Otranto

- Um tour gótico pela Itália

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.