As melhores atrações do menor Estado do mundo, centro de cultura, religiosidade e arte

A praça São Pedro, no Vaticano, é atração imperdível para quem vai a Roma
Getty Images
A praça São Pedro, no Vaticano, é atração imperdível para quem vai a Roma
Quem vai a Roma não pode deixar de conhecer as atrações da cidade do Vaticano, o menor Estado independente do mundo, criado em 1929, bem pertinho da capital italiana. No roteiro, ponto de parada obrigatória são os Museus do Vaticano.

Com um vasto acervo, lá dentro fica a famosa Capela Sistina, onde se destaca o teto com cenas bíblicas pintadas por Michelangelo, no século 16. Banhada em religiosidade, a Praça de São Pedro e a grandiosa Basílica integram um tour recheado de cultura, informação e fé. Veja o que conhecer no local onde, às 22h do dia 24 de dezembro é celebrada, pelo papa, a Missa do Galo.

Leia também: Programação de Natal no Vaticano


Museus do Vaticano

Na Capela Sistina, pinturas de Michelangelo
Alessandra Oggioni
Na Capela Sistina, pinturas de Michelangelo
Pinturas, esculturas, objetos de arte, afrescos e muitas outras peças de valor incalculável fazem parte do acervo dos Museus do Vaticano, um conjunto de galerias com obras do período do Renascimento e do antigo Egito, Grécia e Roma. A atração mais visada do museu é, sem dúvida, a Capela Sistina. Em seu teto Michelangelo pintou cenas bíblicas do Antigo Testamento, entre elas a criação do homem, a expulsão do Jardim do Éden e o dilúvio.

Mas para aproveitar melhor a atração, a dica principal é chegar cedo à cidade e ir direto para o museu, antes mesmo da abertura. O local fica repleto de turistas e, quanto mais tarde chegar, maior será a fila para comprar ingresso. Quem preferir, também pode reservar o ticket pela internet (com uma taxa de 4 euros a mais, mas vale a pena) http://biglietteriamusei.vatican.va/musei/tickets/do?action=booking&codiceTipoVisita=26&step=2. Como o museu é muito grande, o ideal é ir primeiro à Capela Sistina e, depois, ficar livre para percorrer o restante do museu com maior tranquilidade – e menos aglomeração.

Serviço:
Museus do Vaticano
Piazza San Giovanni (estação San Giovanni do metrô, linha A)
Entrada: 15 euros
Funcionamento: de segunda a sábado, das 9h às 16h (fechado aos domingos, exceto no último domingo do mês, e também nos dias 25 e 26 de dezembro)


Praça de São Pedro

Projetada por Gian Lorenzo Bernini, a praça São Pedro é contornada por 284 imponentes colunas
Alessandra Oggioni
Projetada por Gian Lorenzo Bernini, a praça São Pedro é contornada por 284 imponentes colunas
Palco de grandes festas da Igreja Católica, a Praça de São Pedro foi construída no século 17, entre 1656 e 1667. Obra projetada pelo artista italiano Gian Lorenzo Bernini, o espaço é “contornado” por 284 imponentes colunas – que em alguns pontos parecem minuciosamente alinhadas. No centro, o obelisco egípcio e as fontes do século 17 chamam a atenção dos turistas.

Em toda a praça, também é possível avistar membros da guarda suíça, com um uniforme colorido, que atrai olhares curiosos do público. Parece figuração, mas são verdadeiramente soldados treinados para fazer a segurança do local.

Serviço:
Piazza San Pietro
Estação Ottaviano do metrô, linha A

Basílica de São Pedro

Pietá, de Michelangelo, fica no interior da Basílica de São Pedro
Alessandra Oggioni
Pietá, de Michelangelo, fica no interior da Basílica de São Pedro
Palco de grandes acontecimentos católicos, entre eles a Missa do Galo presidida pelo papa, a Basílica de São Pedro abriga muitos tesouros artísticos. Entre eles está a escultura Pietá, de Michelangelo, na qual Maria carrega Cristo morto – fica logo na entrada do templo, envolta em um vidro de proteção. Cristãos ou não, muitos turistas e apreciadores de arte vão ao local para ver estátuas, imagens, mosaicos e monumentos da igreja.

Não se paga nada para entrar e conhecer todas estas preciosidades. A fila que muitas vezes contorna a praça é para passar pelo sistema de segurança com raio-X – mas ela é bem rápida. Também não é permitido entrar na igreja de short, minissaia ou blusa sem manga.

- Programação de Natal no Vaticano
Veja os horários e as dicas para acompanhar em loco a Missa do Galo e outras solenidades


Serviço:
Basílica de São Pedro
Piazza de San Pietro (Estação Ottaviano do metrô, linha A)
Entrada: gratuita
Funcionamento: diariamente, das 7h às 19h (de outubro a março, até às 18h)


Cúpula da Basílica de São Pedro

A guarda suíça, com seu uniforme colorido, faz a segurança da cidade-Estado
Alessandra Oggioni
A guarda suíça, com seu uniforme colorido, faz a segurança da cidade-Estado
Projetada originalmente por Michelangelo, a cúpula da Basílica de São Pedro é uma ótima maneira para fazer boas fotos da cidade. Com mais de 136 metros de altura, a obra é rica em detalhes arquitetônicos e serviu de inspiração para outros importantes projetos pelo mundo, como a cúpula da igraja de Saint Paul, em Londres, e a de Les Invalides, em Paris. O acesso para entrada à cúpula fica na parte lateral da basílica.

Serviço:
Cúpula da Basílica de São Pedro
Piazza de San Pietro (Estação Ottaviano do metrô, linha A)
Entrada: 7 euros (elevador + escada), 5 euros (somente escada, 551 degraus)
Funcionamento: diariamente, das 7h às 18h (de outubro a março, até às 17h)

Grutas do Vaticano

Nas grutas do Vaticano estão os túmulo de São Pedro e de diversos papas, reis e rainhas
Alessandra Oggioni
Nas grutas do Vaticano estão os túmulo de São Pedro e de diversos papas, reis e rainhas
Parecidas com passagens secretas, as grutas do Vaticano ficam no porão da Basílica de São Pedro e guardam túmulos de reis, rainhas e papas. É lá que se encontra o túmulo de São Pedro, um tabernáculo do século 4, construído pelo Imperador Constantino. No local, estão também as tumbas de Paulo VI e do Papa João Paulo II. Depois de passar por pequenos corredores e escadas, a saída das grutas se dá em plena Basílica. Parece que o visitante está em um filme de Dan Brown.

Serviço:
Grutas do Vaticano
Piazza de San Pietro (Estação Ottaviano do metrô, linha A)
Entrada: gratuita (acesso pela lateral da basílica)
Funcionamento: diariamente, das 7h às 18h (de outubro a março, até às 17h)

Jardins do Vaticano
Um oásis para oração e meditação dos papas desde 1279, os jardins do Vaticano foram reabertos para visitação dos turistas neste ano. O percurso de aproximadamente duas horas é feito em ônibus abertos, com informações em áudio em cinco idiomas (italiano, inglês, francês, espanhol e alemão). Em quase 23 hectares, além de árvores frutíferas e plantas exóticas vindas de diversos países, podem ser vistas fontes, como a "Casina Pie IV", a torre São João e diversos monumentos dedicados à Virgem Maria.

Serviço:
Jardins do Vaticano
Praça Pio XII (a alguns metros da Praça de São Pedro)
Entrada: 15 euros (adultos), 11 euros (menores de 18 anos) e gratuita para crianças menores de seis anos
Funcionamento: partidas de ônibus a cada meia-hora, às segundas, terças, quintas, sextas e sábados, das 8h às 13h

Castelo Sant’Angelo

Castelo Sant'Angelo, entre o Vaticano e Roma
Juliana Bianchi
Castelo Sant'Angelo, entre o Vaticano e Roma
Ao sair da Basílica de São Pedro, caminhando pela via em frente ao templo, chega-se ao Castelo Sant’Angelo. Localizado à margem direita do rio Tibre, o local, que já foi mausoléu, prisão e residência papal, funciona hoje como um museu. Em tempos de conflitos, alguns papas usaram o castelo para se proteger. É que nesta fortaleza havia também uma passagem secreta que ligava o castelo ao Vaticano. Agora, no museu, os turistas podem visitar exposições de pinturas renascentistas e artigos militares. No terraço é possível ver os arredores e também parte da Praça de São Pedro.

Serviço:
Castelo Sant’Angelo
Lungotevere Castello, 50 (Estação Lepanto do metrô, linha A)
Entrada: 8 euros
Aberta: diariamente, das 9h às 19h (de outubro a março, até às 14h)

Acompanhe as novidades do iG Turismo também pelo Twitter .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.