Separadas pelo rio Danúbio, Buda conserva suas construções imponentes do século 19, enquanto Peste respira modernidade

O famoso rio Danúbio, aquele da valsa de Strauss, divide a cidade de Budapeste – na verdade, a junção da histórica Buda e seu castelo e a moderna Pest.

O rio Danúbio divide a cidade de Budapeste
Getty Images
O rio Danúbio divide a cidade de Budapeste

A capital húngara foi fundada pelos romanos, conquistada pelos mongóis, dominada pelos otomanos e, finalmente, virou uma das sedes do Império dos Habsburgos, junto com Viena, que, ao fim da Segunda Guerra Mundial, deu origem à Hungria e à Áustria.

Após o fim do conflito, o país ficou sob influência da União Soviética, até a chegada da democracia em 1990. A influência turca está nos inúmeros banhos espalhados pela cidade, e a austríaca, nos cafés elegantes a servir bolos deliciosos.

Enquanto Buda mantém a aura aristocrática, com suas construções imponentes, Peste é uma mistura de prédios de linha soviética e outros ainda estragados pela guerra. Tudo isso empresta bastante charme à cidade, que vale a pena conhecer.

BUDA

A subida para o Castelo de Buda parece mais difícil do que é. Na verdade, escadas, rampas e ruas arborizadas dão acesso à colina do Castelo, onde estão as construções medievais da cidade, como a Magdolona toronye, ou torre de Madalena (Kapisztrán tér), feita em estilo gótico e danificada durante a Segunda Guerra Mundial.

As ruas ali são silenciosas e ladeadas por prédios elegantes do século 19. A igreja mais importante é a Mátyás (Szentháromság tér), com murais e telhado de cerâmica. Na frente, fica a estátua de Santo Estevão, o primeiro rei da Hungria. Atrás dela, a Halászbástya (Szentháromság tér), arcada neogótica que adorna os muros da antiga cidade fortificada e de onde há vistas impressionantes do rio Danúbio e do Parlamento.

Na ponta direita da colina, o Palácio Real e dois dos museus mais importantes da cidade, a Magyar Nemzeti Galéria (Galeria Nacional Húngara, Szent György tér 6) e o Budapesti Történeti Múzeum (Museu de História de Budapeste, Szent György tér 2).

As termas de Budapeste são famosas, e nenhuma vale mais a pena do que a lindíssima Gellért (Gellért Hotel, Kelenhegyi útca), em estilo Art Noveau. Lá é possível mergulhar em tanques de água de diferentes temperaturas e nadar numa das piscinas mais belas do mundo, com sua impressionante colunata.

A ponte Chain iluminada é um dos cartões-postais da cidade
Getty Images
A ponte Chain iluminada é um dos cartões-postais da cidade

De volta ao nível do rio, é imperdível a oportunidade de passear ao longo do Danúbio e cruzar para Peste por uma de suas belas pontes, como a das Correntes ou da Independência. Deste lado da cidade, são poucas as opções de hospedagem. Uma delas é o Art’Otel (Bem Rakpart 16-19), com vista para o Parlamento.

PESTE

É a parte moderna da cidade, mas guarda seu charme antigo – são muitos os edifícios do século 19, alguns ainda danificados pela Segunda Guerra. Ali concentra-se a maioria dos bares, cafés, restaurantes e lojas.

Vindo da ponte da Independência, a primeira parada é o belo Mercado Central (Vámház körút 1-3), perto do rio, ótimo para comidinhas e lembrancinhas. Dali sai a Váci utca, uma rua para pedestres onde se alinham as principais marcas, como H&M e Zara. Ela termina na Vörösmarty tér, uma grande praça onde está o Café Gerbeaud (no número 7), o mais famoso da cidade. As tortas doces são imperdíveis. A noroeste, dá para seguir pela sombreada Andrássy útca, passando pela Ópera (número 22), pelo museu House of Terror (no número 60) e pela antiga sede da polícia secreta.


Não deixe de entrar para conhecer o Mercado Central e ainda comprar algumas lembrancinhas
Getty Images
Não deixe de entrar para conhecer o Mercado Central e ainda comprar algumas lembrancinhas

Chega-se ao Hosök Tere, a Praça dos Heróis, com estátuas dos mais importantes líderes do país. Para comer, faça uma parada antes, na altura da agradável Liszt Ferenc tér, cheia de árvores, restaurantes e cafés. Uma sugestão é o moderninho Menza (número 2), com bons pratos a preços justos e mesas do lado de fora para os dias de calor.

Lojinhas charmosas são encontradas nos arredores da Ferenciek tér, principalmente em volta da praça Károlyi kert. Um exemplo é a Retrock Deluxe (Heiszlmann Imre útca 1), com roupas descoladas. Para se hospedar, há de hostels a hotéis luxuosos como o Four Seasons. No meio termo, está o Soho Boutique Hotel (Dohány útca 64).

Quer conhecer mais destinos? Siga o twitter do @igturismo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.