Saiba quais são os passeios e paradas obrigatórios na sua primeira visita à capital inglesa

Planejar a primeira ida a Londres é um verdadeiro desafio. A capital inglesa é o tipo de lugar que quanto maior o tempo de permanência, mais coisas aparecem para fazer. Por isso, vale reservar ao menos cinco dias à cidade que se prepara para ser a sede das Olimpíadas 2012 . Mas, nada de pânico, antes de mais nada, priorize o que é importante para você na viagem (compras, história/cultura, lazer, baladas, descanso) e a partir daí organize os dias sem a sensação de que está perdendo tempo ou deixando de aproveitar as coisas certas.

Os famosos ônibus vermelhos de Londres à frente do Parlamento e do Big Ben
Getty Images
Os famosos ônibus vermelhos de Londres à frente do Parlamento e do Big Ben
A começar pela arquitetura, que reúne desde o que há de mais moderno em construção até os prédios de tijolos vermelhos remanescentes da reconstrução urbana pós II-Guerra Mundial e estabelecimentos com mais de cem anos de história, Londres tem a capacidade de agradar a todos os gostos e atender às necessidades de lazer para todas as idades. Mas, lembre-se, para crianças de até 10 anos de idade, não é das melhores opções de férias.

Se o seu tempo por lá é curto, a dica é não fugir do roteiro tradicional. Em um dia é possível visitar os principais pontos turísticos da cidade valendo-se do transporte público – que apesar de eficiente, não é dos mais baratos. Existem bilhetes que valem para rodar livremente pelas zonas 1 e 2 (onde está a maior parte dos programas turísticos) e também o bilhete semanal, que pode compensar.

Tower Bridge, uma das mais bonitas pontes de Londres
Getty Images
Tower Bridge, uma das mais bonitas pontes de Londres
Pegar um táxi nem sempre é vantajoso, mas vale pela experiência de rodar pelo centro de Londres em um dos carrinhos pretos superconhecidos em todo o mundo. O preço da corrida, por mais curta que seja, dificilmente ficará por menos de 7 libras (aproximadamente R$ 21).

COMECE O DIA CEDO

Pela manhã, antes de sair para passear, prove o famoso English Breakfast, uma verdadeira refeição com direito a ovos, bacon, feijão (cuidado, é doce), pães tostados, salsicha e linguiça. Apesar de supercalórica, a refeição, servida na maioria dos hotéis, pubs e cafés londrinos, dá conta de segurar a fome até tarde, o que significa mais tempo para explorar a fascinante terra da rainha Elizabeth II e queimar as calorias extras pelas ruas.

Do alto da roda gigante London Eye se tem uma das melhores vistas da cidade
Juliana Bianchi
Do alto da roda gigante London Eye se tem uma das melhores vistas da cidade
Como ponto de partida, desça na estação de metrô de Westminster, onde está o Big Ben e as Casas do Parlamento Britânico. Ali também fica a Abadia de Westminster, palco do casamento do príncipe William e Kate Middleton.

É perfeitamente possível caminhar à beira do rio Tâmisa, indo do Big Ben à Tower Bridge, uma das pontes mais famosas de Londres (e também um dos locais mais bonitos da capital inglesa). Se o clima ajudar, faça o caminho a pé, passando pela roda-gigante London Eye, pela London Bridge e pela Millenium Bridge.

Se a estadia for de uma semana, por exemplo, aproveite para relaxar a bordo da London Eye, cuja volta proporciona a vista mais completa da cidade. Existem passeios guiados de barco e ônibus aberto por todos os lugares citados, mas essa opção vale mais para quem vai ficar, por exemplo, apenas dois dias em Londres.

CULTURA E COMPRA EM FOCO

Tire um dia para ir aos museus. Os principais são: Museu da Guerra, Museu de História Natural, Museu da Ciência, Museu Britânico, National Gallery e Tate Modern. Apenas fique de olho para não chegar atrasado. A maioria não permite a entrada de visitantes após as 17h.

A troca da guarda no Palácio de Buckingham está entre as principais atrações de Londres. Vale conferir os horários (sempre de manhã) no site changingtheguard.com. Após a cerimônia, explore os arredores da residência oficial da rainha, com uma volta pelo Green Park e pelo Hyde Park. Se estiver muito frio, a dica é passar na luxuosa loja Harrods , em Knightsbridge, onde é possível encontrar as grifes mais desejadas do mundo, além da excelente seção de comidas e bebidas. A latinha de chá é um verdadeiro mimo, além de supertradicional.

A agitação de Portobello Road, com seu mercado de antiguidades a céu aberto
Getty Images
A agitação de Portobello Road, com seu mercado de antiguidades a céu aberto
Para fazer compras, desça na estação de metrô Tottenham Court Road e caminhe por toda a Oxford Street. Ali estão as principais lojas de rua, como Zara, Topshop, River Island, H&M e Primark, o paraíso das tendências a preços bem acessíveis.

Complete o passeio na Regent Street, com lojas de grifes mais sofisticadas, que acaba na esquina mais famosa de Londres, em Piccadilly Circus. É ali que está a estátua "Eros". Comprar roupas e eletrônicos vale a pena, mas evite as bugigangas e peças de origem duvidosa das diversas lojinhas e banquinhas de rua. Compre em lojas especializadas. A conversão da moeda também pode desanimar, por isso, é importante listar tudo a ser comprado para não estourar o orçamento.

Notting Hill e Camden Town são passeios obrigatórios. O primeiro é um dos bairros mais charmosos de Londres, com a feira aberta de Portobello Market, paraíso para quem curte antiguidades. Camden Town é a casa dos descolados, punks, clubbers e alternativos. Não se assuste se algum rapaz de moicano na cabeça e jaqueta de tachas cobrar algumas libras por uma foto. O mercado de Camden Lock e as outras feiras a céu aberto vendem roupas, discos, CDs e acessórios para todos os gostos. Uma boa dica é fazer uma boquinha em uma das bancas de comida indiana ou tailandesa.

Os mais animados podem ainda ir de Camden para Brick Lane, o reduto dos moderninhos e estilosos, onde a vida noturna é mais agitada. Em Brick Lane está o Spitafields Market, no mesmo estilo de Camden Town e Portobello. Todos esses lugares são paraísos para os amantes dos mercados de peças de segunda mão. Aproveite, os brechós de Londres são conhecidos por oferecerem peças de boa qualidade, em bom estado e preços amigos.

FECHE COM CHAVE DE OURO

A vida noturna é agitadíssima na região do Soho, bem no centro de Londres. Vale chegar mais cedo para passear pelas ruas agradáveis do bairro de influência oriental e passar por China Town e a Leicester Square, que reúne teatros, casa de shows e o famoso Cine Odeon, onde, volta e meia, atores famosos lançam seus filmes.

Experimente a famosa cidra londrina, que é superdiferente da cidra vendida no Brasil. Feita originalmente de maçã, a bebida fermentada pode ser tomada com gelo ou pura. A graduação alcoólica varia de 4% a 8%. Quem gosta de bebidas mais amargas pode experimentar um "pint", que é o "chopp" londrino de cervejas como a London Pride. No centro de Londres um “pint” custa em média 4 libras.

A Trafalgar Square, onde fica a National Gallery, é passagem obrigatória para quem optar por conhecer o centro a pé. Um relógio digital gigante foi instalado no local para a contagem regressiva para as Olimpíadas de 2012.

Fãs dos Beatles podem visitar a Abbey Road, onde o ex-conjunto britânico gravou músicas e fez uma das fotos mais famosas do mundo, atravessando a rua em uma faixa de pedestres, com Paul McCartney descalço. Tenha cuidado, pois o trânsito não costuma parar para os turistas tirarem fotos.

Para fechar as férias em Londres sem perder o essencial, visite a Catedral de St Paul e não hesite em ir mais longe do centro até o parque do meridiano de Greenwich. A vista da cidade compensa o esforço.

A alta temporada acontece de junho a setembro. Vantagem: a temperatura costuma ficar acima de 25º C e os dias são longos, com o pôr-do-sol após as 20h. Desvantagem: é época de férias escolares no hemisfério Norte, o que resulta em lugares lotados, filas e preços superfaturados.

Acompanhe as novidades do iG Turismo pelo Twitter .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.