Tamanho do texto

Airbus está desenvolvendo módulos intercambiáveis e removíveis com áreas de lazer e recreação para ocupar compartimentos de carga dos aviões

Já se imaginou dormindo no bagageiro de um avião? Porque essa pode ser uma possibilidade num futuro próximo. A fabricante de aeronaves Airbus, em parceria com a Zodiac Aerospace, está desenvolvendo um projeto para transformar os compartimentos de carga do transporte num espaço recreativo e de descanso para os passageiros.

Leia também: Mãe afirma não suportar barulho de crianças ao viajar e explica motivo

Os módulos com os espaços de convivência são intercambiáveis e podem ser customizados para cada avião
Divulgação
Os módulos com os espaços de convivência são intercambiáveis e podem ser customizados para cada avião


A intenção da Airbus é valorizar os voos comerciais, priorizando o conforto dos passageiros e dando mais opções para os viajantes durante as viagens. O projeto visa criar “módulos” com áreas de descanso, quartos e espaços recreativos - de lojas a bares e restaurantes -, que podem ser adicionados ou removidos dos compartimentos de carga de cada avião , de forma customizada, dependendo do voo ou dos interesses da companhia aérea.

Leia também: Pedido inusitado: homem pede mão da namorada durante queda da aeronave

“Esta abordagem a voos comerciais é o primeiro passo para mudar o conforto dos passageiros. Nós já recebemos feedbacks muito positivos de várias empresas aéreas que viram os nossos protótipos”, disse em comunicado oficial da Airbus Geoff Pinner, chefe do programa de cabine e carga da companhia.

Na prática

Em detalhes, os módulos criados funcionarão como quartos, restaurantes, áreas de convivência e mais. Esses módulos serão intercambiáveis, podendo ser montados de várias formas para criar espaços diferentes, de acordo com os interesses das companhias que desejarem comprá-los - estas empresas também poderão escolher o design - e eles ficarão seguros por meio de trilhos que poderão ser instalados sem comprometer o funcionamento dos compartimentos para fins de armazenamento. Assim, os módulos também não ficarão fixos ao “corpo” do avião, de modo que o bagageiro poderá continuar funcionando para cargas.

Leia também: Birra de menino faz desconhecidas se unirem para ajudar mãe em aeroporto

A Airbus e a Zodiac já estipularam como prazo o ano de 2020 para começar os testes em alguns dos modelos de avião da fabricante: os A330, comprados por companhias como Avianca, Alitália e até a Azul. Eles também estudam a possibilidade de incorporar o projeto a aeronaves A350 XWB, em funcionamento por empresas como a Tam e a Qatar Airways.