A partir de julho deste ano, o local terá novas regras para turistas, mas ainda é possível aproveitar alguns pontos turísticos antes disso; confira

Machu Picchu, também conhecida como cidade perdida dos incas, é um paraíso histórico escondido nas montanhas do Peru . O destino oferece uma paisagem inigualável e atemporal, atraindo uma grande quantidade de turistas todo ano. É imperdível para quem planeja fazer uma viagem impressionante e também nostálgica.

Leia também: Viagem de trem para Machu Picchu reserva vistas espetaculares

Machu Picchu, também é conhecida como cidade perdida dos incas, é um paraíso histórico muito popular no Peru
Shutterstock
Machu Picchu, também é conhecida como cidade perdida dos incas, é um paraíso histórico muito popular no Peru


No entanto, com o intuito de proteger e conservar a cidade histórica de Machu Picchu , o governo do Peru anunciou em fevereiro deste ano algumas medidas para lidar com a grande quantidade de turistas que visitam o local. A partir do mês de julho, os visitantes não poderão mais ficar na cidade o dia inteiro a menos que paguem por um "ingresso" que custa US$ 70 (aproximadamente R$ 240), e também terão de escolher entre dois horários de visitas, das 6h ao meio-dia ou do meio-dia às 17h30.

As novas regras também estabelecem que todos os turistas devem ser acompanhados por um guia certificado, e que os grupos não podem ser formados por mais de 16 pessoas. Todos deverão seguir os três circuitos da visita planejada, sem desviar do caminho. Se você quer aproveitar a cidade (principalmente enquanto as novas regras não entram em vigor), aqui estão os principais lugares que você deve visitar:

Leia também: Os cem anos de Machu Picchu

Lugares para conhecer em Machu Picchu

Existem diversos pontos com paisagens incríveis que são obrigatórios durante a passagem de alguém pela cidade histórica:

  • Intipunku
Para quem quer visitar Intipunku, também conhecido como
Creative Commons/Eric Miraglia
Para quem quer visitar Intipunku, também conhecido como "porta do sol", o melhor horário é durante o amanhecer


Para começar, em Intipunku — que significa “porta do sol” no idioma indígena quéchua —  é possível visualizar o paraíso dos incas pela primeira vez. O melhor horário para visitar esse ponto é durante o amanhecer, quando a vila de pedra fica dourada com os primeiros raios de sol do dia (por isso “porta do sol”).

  • Tres Ventanas
Três Ventanas, em Machu Picchu, representa os três níveis dos incas para a vida e o mundo: o céu, a terra e o subterrâneo
Shutterstock
Três Ventanas, em Machu Picchu, representa os três níveis dos incas para a vida e o mundo: o céu, a terra e o subterrâneo


Uma construção bem característica da arquitetura inca, com enormes blocos de pedra, encaixados perfeitamente, Tres Ventanas (que significa “três janelas” em espanhol) representa os três níveis em que esse povo dividia o mundo: o céu (vida espiritual), a terra (vida mundana) e o subterrâneo (vida interior). A construção está integrada ao Templo Principal, que era palco dos cultos mais importantes da época incaica.

  • Templo do Sol
O Templo do Sol é a única construção circular da cidade e, com suas janelas, realiza um fenômeno durante o inverno
Shutterstock
O Templo do Sol é a única construção circular da cidade e, com suas janelas, realiza um fenômeno durante o inverno


O Templo do Sol é a única construção circular da cidade histórica e também é chamado de Torreón. Em um fenômeno espetacular, suas janelas em formato de trapézios direcionam os raios de sol para a pedra central do templo durante o solstício de inverno. Mais abaixo, há uma espécie de gruta que, segundo estudiosos, servia de mausoléu para alguns dos líderes do povo inca.

  • Intihuatana
Intihuatana é o relógio do sol, uma pedra esculpida delicadamente que tem muito valor sagrado para os povos incas
Shutterstock
Intihuatana é o relógio do sol, uma pedra esculpida delicadamente que tem muito valor sagrado para os povos incas


Intihuatana é o relógio solar ou o “lugar onde se amarra o sol”, situado no ponto mais alto da cidade. A rocha esculpida alinha os pontos cardeais e era usada para marcar a passagem do tempo, além de auxiliar na agricultura. Lá, os turistas têm o costume de “receber energia” da pedra colocando a mão — sem tocar — por cima dela.

  • Escadaria das Fontes
A Escadaria das Fontes servia para otimizar a distribuição de água na cidade, já que Machu Picchu fica em uma montanha
Creative Commons/Carsten ten Brink
A Escadaria das Fontes servia para otimizar a distribuição de água na cidade, já que Machu Picchu fica em uma montanha


Imprescindível para a vida na montanha, a distribuição da água era uma grande preocupação para o povo inca. O resultado dessa preocupação são monumentos rochosos impressionantes, como a Escadaria das Fontes, que é um canal de águas utilizado para abastecer a cidade.

  • Terrazas
Já as Terrazas tinham objetivos agrícolas, mas hoje restam apenas as majestosas formações rochosas da época
Creative Commons/Sr. Pacman
Já as Terrazas tinham objetivos agrícolas, mas hoje restam apenas as majestosas formações rochosas da época


As Terrazas são os terraços com sistema de drenagem usados principalmente para dar suporte e prevenir a erosão do solo que formam uma paisagem deslumbrante. Outra preocupação dess povo com as estruturas era acerca da agricultura, que exigia um cuidado a mais por ser feita em um montanha. Os povos também usavam os artifícios para fazer as plantações crescerem, como a técnica de terraços, da qual, hoje, restam apenas as formas rochosas utilizadas.

Dicas para viagem a Machu Picchu

Lembrar de alguns itens na hora de arrumar a mala pode te salvar de diversos perrengues na viagem a Machu Picchu
Shutterstock
Lembrar de alguns itens na hora de arrumar a mala pode te salvar de diversos perrengues na viagem a Machu Picchu


Para ter uma boa viagem, é preciso lembrar de algumas coisas já antes de arrumar as malas:

  • Adaptação à altitude

Uma das coisas mais importantes a se lembrar é de que Machu Picchu está localizada nas montanhas, o que significa que a diferença de altitude para outros locais é muito grande. Para evitar sintomas como dor de cabeça, falta de ar e enjoo, é recomendável descansar no primeiro dia da viagem, para se adaptar à nova altitude, além de se hidratar bastante. Outra dica é experimentar chá ou bala de coca, algo que pode não ser tão saboroso, mas alivia os sintomas da diferença de altitude.

Leia também: Os pratos mais exóticos da gastronomia da América Latina

  • O que levar?

Itens muito importantes que precisam estar presente na mala são casacos, protetor solar, água, boné e repelente. Por lá, o clima varia durante o dia: de manhã, faz frio, mas um sol forte e um calor escaldante costumam marcar as tardes. Outra observação é a de atualizar a carteirinha de vacinas antes de embarcar no avião, já que o destino exige a vacina contra febre amarela por conta de eventuais surtos no país.

  • Quando ir?

Na hora de escolher a data para a viagem, tente evitar os meses entre novembro e março, época de chuvas em Machu Picchu , o que pode acabar com os passeios. O melhor período para visitar a cidade inca é de maio a setembro, quando chove menos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.