Longe de e.mails e sinais de telefone, expedição às praias mais remotas Sudeste Asiático revela que tudo que se precisa na vida pode estar ali

Estávamos flutuando com cuidado sobre uma floresta de corais que pareciam galhadas de veados quando ouvi o sueco que mergulhava de snorkel comigo berrar. Pus a cabeça para fora da água e só ouvi um pedaço de sua declaração entre o chapinhar das ondas: "Monstro num buraco". Ao tirar a máscara dos olhos, de repente me senti extremamente exposto. Estávamos mergulhando nas águas ao longo da província de Palawan, nas Filipinas, e o "bangka" (barco) de 25 metros que seria nossa casa por cinco dias estava longe demais para uma fuga rápida.

Mais:
- 10 praias perfeitas no Rio de Janeiro 

Caiçara filipino se encarrega de levar a alimentação local ao barco da expedição às ilhas na província de Palawan
NYT
Caiçara filipino se encarrega de levar a alimentação local ao barco da expedição às ilhas na província de Palawan

Assim, reajustei o snorkel, inspirei e mergulhei rumo ao recife. Alguns membros da nossa expedição navegadora de 19 pessoas já estavam lá, examinando um coral laranja maior do que uma poltrona. Aquilo significava que a criatura não era letal. Só parecia faminta. Com metade do corpo escondido numa fenda, pairava um predador comprido salpicado de pintas, com as mandíbulas abertas. Eu mantive distância e fiz uma anotação mental para ensinar um novo nome ao meu amigo escandinavo: moreia. Só que antes eu precisava respirar. Felizmente, relaxamento não faltava a bordo do Buhay.

Estávamos no meio do paradisíaco nada: um mar de azul-celeste em alta definição se estendia até o horizonte, pontilhado somente pelas distantes ilhas desabitadas. Depois de alguns dias navegando, a vida se tornara uma rotina indistinta: comer, snorkel, descansar. Repetir.

Mais:
- Filipinas investe em turismo nuclear

A maioria dos turistas que chega às Filipinas em busca de descanso vai direto a Boracay, uma loja de conveniência tropical cheia de jet skis, piscinas de resorts e ressacas. Só que eu procurava uma fuga verdadeira, nada que envolvesse ser derrubado pelo drinque "scorpion bowl". Assim, fiz uma viagem de van de Puerta Princesa a El Nido, minúsculo e denso aglomerado de lojas de mergulho ao redor da baía Bacuit, em Palawan. O que descobri, depois de seis horas desviando de cabras numa estrada poeirenta, foi um centro de lançamentos de "bangka" às ilhas espetaculares da região.

Em uma das pausas entre El Nido e Coron, mergulho no mar azul-turquesa
NYT
Em uma das pausas entre El Nido e Coron, mergulho no mar azul-turquesa

El Nido criou um nicho no circuito de mochileiros, dando a impressão de que simplesmente apareceu no mapa. Imponentes despenhadeiros de calcário guarnecem algumas ruas empoeiradas que ficam vazias muito antes da meia-noite. Os resorts são mantidos à distância pela falta de voos comerciais e pela decrépita infraestrutura da cidade – não existem caixas eletrônicos e a eletricidade é cortada ao nascer do sol, voltando ao redor das 16h00.

Como a maioria dos moradores itinerantes da cidade, passei as horas de blecaute parcial nadando entre peixes-papagaio e fazendo piquenique numa franja de areia branca. Cada local tinha um nome tomado da mitologia do paraíso, como Praia Escondida e Laguna Secreta. Só que o segredo acabou. As agências de turismo local oferecem os mesmos quatro itinerários diários – conhecidos como A, B, C e D –, assim a água, ainda que estonteante, às vezes ficava lotada. Quando todos voltavam para casa à tardinha, as pessoas ficavam vendo o sol se pôr, pediam uma cerveja e logo entravam no Facebook, num café a um metro ou dois das ondas. Parecia que os outros turistas (e a internet) estavam estragando minha fantasia de ilha deserta.

Mais:
- Conheça as nova sete maravilhas da natureza 

A única opção era cortar a ligação com a civilização e todas as suas comodidades modernas. Enquanto planejava minha próxima viagem a El Nido em fevereiro, fiz reserva com a Tao Philippines, que fornece viagens de barco explorando algumas das ilhas mais remotas do Sudeste Asiático e férias totais de tudo que é digital: nada de e-mail, agregadores de notícias ou telefone.

A Tao ajuda cada vilarejo com que trabalha nas ilhas, construindo escolas e pagando professores
NYT
A Tao ajuda cada vilarejo com que trabalha nas ilhas, construindo escolas e pagando professores

A Tao foi fundada por Eddie Brock, 34 anos, um filipino magrelo, e seu amigo britânico, Jack Foottit, 27 anos, que se conheceram quando trabalhavam como garçons na Escócia e depois fugiram para as ilhas de Palawan. Ao longo dos anos, Brock e Foottit descobriram um verdadeiro planeta solitário de ilhotas desimpedidas, vilas de pescadores e, para a aventura não terminar, começaram a levar as pessoas que conheciam na jornada. Agora eles têm seis "bangkas" e meus colegas de bordo e eu éramos seus mais recentes passageiros clandestinos.

Uma noite antes de zarparmos, Brock foi direto ao explicar o propósito da viagem: "Não existe plano". Entre El Nido e o destino final, Coron, a cerca de 160 quilômetros a Noroeste, o andamento de cada dia seria determinado pelos ventos e as correntes. Ao longo do trajeto, desembarcávamos em ilhas tão isoladas que turistas raramente as veem. Naquela primeira manhã a bordo do Buhay, nos livramos dos chinelos de dedo e testamos nossa capacidade de navegar. O barco era um "bangka" típico reinventado, com dois conveses ao ar livre e dois violões. Na cozinha, a mestre-cuca, Annie, produzia joias das ilhas das Filipinas durante a jornada, como "adobo" de atum e siri ao leite de coco e curry.

Mais:
- O que você pode levar na mala? 

Meus colegas a bordo do Buhay eram na maioria europeus, contando com dois belgas acompanhados por belas moças filipinas. Era uma expedição aberta, então qualquer um podia reservar seu lugar. A cada noite nós dormíamos numa ilha diferente, às vezes dividindo uma choupana. Casais em lua de mel e quem desejar uma experiência mais íntima podem reservar um barco particular.

Em cinco dias de barcos, a descoberta de novos amigos perfeitos para a aventura
NYT
Em cinco dias de barcos, a descoberta de novos amigos perfeitos para a aventura

Eu havia vindo sozinho, mas quando desembarcamos no acampamento base da Tao na ilha de Cadlao, naquela tarde, qualquer desconforto inicial por dividir alojamentos com estranhos havia desaparecido no primeiro mergulho no mar; estar molhado e seminu faz essas coisas. Brock surgiu por entre as palmeiras para nos receber em terra firme, acompanhado por Foottit, um ex-londrino bronzeado que trocou as chaves do carro por uma macaca de estimação. A símia de cauda longa pulou do seu ombro, guinchou e correu pela areia para nos cheirar. Ela era a mascote ideal para o acampamento, algumas choupanas de sapé à beira da selva.

Pescadores já moraram aqui, mas venderam a terra para nossos anfitriões anos atrás. Hoje em dia, alguns deles trabalham para a Tao no papel de marujos e cozinheiros. A Tao ajuda cada vilarejo com que trabalha nas ilhas, construindo escolas e pagando professores, um investimento que lhes rendeu a lealdade local. Os membros da tripulação eram desse cenário rural; eles ensinaram nossos anfitriões a escalar coqueiros e navegar pelas estrelas. "É uma tribo, não uma empresa", disse Foottit, rindo com uma cerveja. "Somos os garotos perdidos."

Mais:
- Conheça o distrito de Gangnam, na Coreia do Sul 

Toda essa liberdade náutica estava afetando meus colegas de bordo. Antes de começar a viagem, Marly Pols, 43 anos, aeromoça holandesa, disse que só conseguia pensar nas praias que nos aguardavam. No segundo dia, estávamos contando histórias e bebendo garrafas de rum como um bando de piratas de folga. “Esta agora é a nossa casa", ela disse enquanto descansávamos no convés superior na manhã seguinte. "Estamos nessa juntos." Gabie Vervoort, 37 anos, um bem-sucedido vendedor de impressoras da Holanda, disse que estava flertando com a ideia de desistir de tudo. "Em casa, quero o carro mais bacana e o maior televisor, mas aqui nada disso faz sentido. Devo ter nascido no país errado."

À noite, nas ilhas remotas, muita festa e animação
NYT
À noite, nas ilhas remotas, muita festa e animação

Mas a vida insular nem sempre é paradisíaca. A elevação da temperatura do mar e o excesso de pesca nas Filipinas estão devastando populações acima e abaixo das ondas. O colapso pesqueiro começou a atingir Palawan, deixando os pescadores locais incapazes de competir na corrida para alimentar a China. Os criadouros de pérolas geram alguns empregos (à noite avistávamos as luzes distantes dos "bangkas" protegendo as ostras submersas), ainda que os moradores locais só recebam uma migalha do lucro final.

A Tao dá suporte a uma pequena economia rural que engloba o arquipélago filipino. Nosso café matinal vinha do vilarejo de Brock, ao Norte, já os jantares eram estritamente locais. Quando paramos para passar a noite numa ilha a várias horas de distância do naufrágio, um grande javali era assado num espeto girado por um morador descalço. Mais tarde, nós relaxamos na praia até tarde, destruindo a letra de "Fast Car", de Tracy Chapman, e das músicas do Red Hot Chili Peppers. Na terceira noite, em outra praia, as letras apareceram. Depois do pôr-do-sol e dos camarões, nos reunimos numa cabana ao redor do motivo de haver um gerador na aldeia: um aparelho de karaokê.

O inglês não era o idioma nativo de todos os meus colegas, mas eles compensavam os erros com o conhecimento da música pop dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha. Nós cantamos "Wonderwall", do Oasis, e dançamos a macarena. Durante dias fiquei desejando que meus amigos tivessem me acompanhado na viagem, quando então dei por mim: eles estavam ali o tempo todo. Aproveitando uma pausa, corri descalço para a praia vazia, exceto pelos caranguejos fantasmas que pairavam nas tocas, observando-me com olhos salientes. A maré parecia um suspiro, o céu incandescia com as constelações e eu era, de forma emocionante, a única testemunha.

Acompanhe as novidades do iG Turismo também pelo Twitter .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.