Antigo necrotério na Tasmânia vai virar hospedagem para vivos em 2013

BBC

Com seu hotel necrotério, empreendedor Haydyn Pearce quer agradar uma clientela diferente
Getty
Com seu hotel necrotério, empreendedor Haydyn Pearce quer agradar uma clientela diferente

Um empreendedor australiano pretende adaptar um antigo necrotério da região da Tasmânia e transformar o local em um hotel, em 2013. Haydyn Pearce afirma que espera atrair "o (hóspede) diferente" com o hotel adaptado no espaço que servia de abrigo aos mortos de um hospital psiquiátrico próximo.

Para agradar a clientela mais excêntrica, Pearce pretende manter os elementos fundamentais do necrotério e decorar o local com uma série de instrumentos médicos. O antigo necrotério está fechado há mais de dez anos e faz parte de um complexo de seis edifícios, que estão sendo restaurados aos poucos. 


Mais:
- Veja uma galeria com fotos dos hotéis mais exóticos do mundo 

Uma parte já foi transformada em um pequeno hotel, e o local onde eram abrigadas as pessoas com problemas mentais agora é uma loja de antiguidades - apesar dos boatos de que o lugar seria mal-assombrado. Para especialistas, a suposta presença de fantasmas pode tornar o empreendimento até mais "sexy" para esse tipo de cliente.

Para Miles Quesd, porta-voz da Associação de Hospitalidade Britânica, a chave para hotéis diferentes é "encontrar um nicho próprio, em um setor dominado pela uniformidade das grandes marcas".

Férias na prisão ou no avião
Em entrevista à BBC Mundo, Miles Quesd citou o exemplo bem-sucedido do hotel britânico Oxford Mal, que aproveitou as instalações de uma antiga prisão, manteve algumas das características do prédio original - como as passarelas entre os blocos e as escadas - e transformou as celas em quartos de luxo.

Experiências parecidas já ocorreram em Boston, nos Estados Unidos, e em Lucerna, na Suíça. No entanto, em Liepaja, na Letônia, os donos de um hotel foram mais radicais. Ocuparam uma instalação usada pela KGB, a temida polícia secreta soviética, e a transformaram em um hotel nada acolhedor.

Mais:
- Faça um tour pelas prisões mais famosas do mundo 

Todas as características do antigo centro de detenção e tortura foram mantidas, como as celas escuras e úmidas. Os funcionários falam com os hóspedes aos gritos e a "música ambiente" do hotel são gravações de gritos e disparos de armas.

Existem também os hotéis construídos em aviões, como o Costa Verde, na Costa Rica, que usou um Boeing 727, que parece ter se chocado contra uma árvore. Outro exemplo é o Jumbo Stay Hotel, nada menos que um hotel em um 747, localizado no aeroporto de Estocolmo, na Suécia, muito prático para quem está de passagem na cidade.

O Tubohotel do México reaproveitou tubulações de concreto
Reprodução
O Tubohotel do México reaproveitou tubulações de concreto

Hóspedes em barris
A lista de hotéis estranhos se estende ao hotel Vrouwe van Stavoren, na Holanda, onde os hóspedes podem ficar em barris de vinho gigantes, e ao Jukkasjärvi, na Suécia, que é feito de gelo. Quando o hotel derrete, precisa ser reconstruído por uma equipe de arquitetos.

Os hotéis excêntricos também prosperam nos Estados Unidos, como é o caso do hotel submarino no Estado da Flórida. E o Dog Bark Park, de Idaho, é uma estrutura de madeira em forma de cachorro gigante, que pode abrigar até quatro hóspedes.

"Os hotéis sempre estão tentando oferecer algo novo ou diferente", afirma Miles Quesd. "Se você é um empresário independente e quer ter um impacto no mercado, precisa ser diferente das grandes redes (de hotéis). Eles vão sobreviver porque são diferentes", acrescentou.

Mais:
- Conheça o hotel na árvore, na Suécia 

Dormindo no tubo
O setor de hotelaria não ficou indiferente à questão da reciclagem: pelo menos dois hotéis em países diferentes reaproveitaram grandes tubulações de concreto, geralmente usadas para escoamento de água e esgoto. 

Um deles é o Das Park Hotel, da Áustria, que transformou os tubos em quartos com decoração aconchegante e promete em seu site "o máximo de conforto em um mínimo de espaço". A mesma ideia foi usada no México para construir o Tubohotel, em Tepozltan. São 20 quartos feitos também com tubulações de concreto e diárias que custam de R$ 65 a R$ 113. Cada tubo tem as instalações básicas: uma cama, luz, ventilador e espaço para guardar as malas dos hóspedes. Os banheiros ficam em um local separado, perto dos quartos.

Robb Anderson, do Tubohotel, afirmou que a ideia de transformar as tubulações em quartos surgiu por acaso. "Os tubos estavam jogados, sem uso. Então, um dia, perguntamos (aos donos) se poderíamos usá-los e decidimos fazer um hotel." Anderson explicou que os tubos/quartos têm cerca de 3 metros de comprimento e 2,1 metros de diâmetro. E o que começou como um lugar voltado para viajantes mais experientes e mochileiros agora atrai todo tipo de hóspedes.


Acompanhe as novidades do iG Turismo também pelo Twitter.

Leia ainda:
- Os castelos mais incríveis do mundo
- Descubra as belezas do Cabo da Boa Esperança

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.