Conhecido como destino sofisticado, balneário uruguaio também tem opções em conta para curtir sem estourar o orçamento

O balneário uruguaio de Punta del Este – cenário de grandes festas estreladas por celebridades com ampla repercussão nas colunas sociais – começa a receber um novo público de turistas. Além daqueles que gastam fortunas em lojas, restaurantes e cassinos, Punta del Este recebe cada vez mais a classe média que viaja para ver de perto o glamour estampado nas revistas e na internet. Muitas vezes como alternativa a Buenos Aires, destino preferido dos brasileiros na América do Sul.

Mais:
Guia báscio de Punta del Este


Vista aerea de Punta del Este
Divulgação
Vista aerea de Punta del Este

CONFIRA UMA GALERIA DE IMAGENS DE PUNTA DEL ESTE

A assistente comercial de seguros Maria Silvia Gonçalves, de 48 anos, escolheu Punta del Este como seu primeiro destino internacional. Maria Silvia já conheceu as praias do nordeste e do Rio de Janeiro, a Amazônia, e agora fez sua primeira viagem ao exterior. “É um lugar caro, mas é um glamour aquelas mansões sem grade, os barcos... É um espetáculo. Você fica pensando ‘nossa se eu tivesse dinheiro...’. Dinheiro eu tenho, só não tenho sobrando”, diverte-se.

Como o real vale 10 vezes mais do que a moeda local, o peso uruguaio, Maria Silvia acreditava que Punta del Este seria um destino barato. “Escolhi porque tem praia e porque a língua (espanhol) é mais fácil de entender. Mas apesar de a moeda deles não valer muito, achei caro. Tem que fuçar muito para conseguir aproveitar”, disse. “Mas vale muito a pena ir. As pessoas são extremamente receptivas”, completa.

Boa comida e muito vinho em Punta


Veja algumas dicas de como economizar em Punta del Este:

O quarto mais barato do Conrad Resort & Casino sai US$ 230 na baixa temporada
Divulgação
O quarto mais barato do Conrad Resort & Casino sai US$ 230 na baixa temporada
1. Fuja da alta temporada

A primeira dica para conhecer Punta del Este com economia é ir fora da alta temporada, isto é, no verão, que vai de 28 de dezembro a 29 de fevereiro. Na baixa temporada, de 1º maio até 30 de setembro, pleno inverno, os preços de hotéis, lojas da rua 20 (a rua Oscar Freire uruguaia) e casas noturnas caem até 80%. Já na meia temporada, de 1º de março a 30 de abril e de 1º de outubro a 27 de dezembro, os preços também estão abaixo dos praticados no verão e a temperatura durante o dia ainda permite banhos de mar.

Leia ainda:
Uruguai tem o Carnaval mais longo do mundo


2. Divida o quarto
As opções mais baratas de hospedagem em Punta del Este são os albergues. Há no balneário mais luxuoso do Uruguai dois albergues credenciados pela organização Hostelling International. Apenas um deles fica aberto o ano todo, o Viajero Brava Beach , na Av. Francia y Charrua. O quarto misto com seis camas sai por US$ 15 a diária. Já o albergue Viajero Manatiales Hostel , na estrada Ruta 10, km 164, só abre na alta temporada e sai por a partir de US$ 18 dólares a diária.

Se preferir um hotel, há estabelecimentos simples, como o Hotel Sheraton , na rua 31 com a Av. Gorlero, que fica aberto todo o ano e na meia temporada sai por US$ 45 a diária. Se fizer questão de um cinco estrelas, o quarto mais barato do Conrad Resort & Casino , o principal hotel do balneário, sai por US$ 230 na baixa temporada. É uma pechincha, se comparar com os preços em janeiro, quando o mesmo quarto sairia por US$ 600, e com a suíte presidencial, que não sai por menos de US$ 7.500 durante todo o ano.

É possível ver o pôr-do-sol do mirante da Casa Pueblo
Divulgação
É possível ver o pôr-do-sol do mirante da Casa Pueblo
3. Visite os museus

Não se paga nada para entrar nos principais museus da cidade, como o Museu Arte Americano, o Museu Histórico Regional e o Museu Ralli. Destes, o único que fecha na baixa temporada é o Museu Ralli. Apreciar a escultura “La Mano em la Arena”, na praia Brava, e ver o pôr-do-sol no mirante de Punta Ballena também é de graça. Ao lado do mirante, a Casa Pueblo cobra US$ 15 e oferece uma visita pelo museu do artista uruguaio Carlos Villarò, que levou 30 anos para construir a casa, onde funciona um bar para que turistas assistam ao pôr do sol ao som de um poema escrito e narrado por ele.

Descubra também as principais atrações de Buenos Aires

4. Pense bem antes de embarcar no city tour
Como todo city tour, a qualidade do serviço depende muito do guia. Há guias bem preparados, capazes de surpreender o turista com curiosidades históricas e culturais sobre a cidade, mas há guias que se limitam a mostrar onde fica cada coisa. Procure referências de quem já fez o tour. Em Punta del Este, você conhece os principais pontos da cidade e pode passar em frente da antiga mansão do ex-playboy Chiquinho Scarpa, que custou “ocho millones de dolares”, num bairro chamado Beverly Hills, onde a revista Caras aluga o que chama de “castelos” para convidar celebridades brasileiras. O passeio custa cerca de US$ 25 por três horas numa van com outras 17 pessoas.

Ponte La Barrra, um do pontos turísticos possível de se conhecer de bike
Divulgação
Ponte La Barrra, um do pontos turísticos possível de se conhecer de bike
5 . Vá de bike e ônibus
Em vez de andar pela cidade de táxi ou alugar um carro, prefira uma opção mais saudável como a caminhada e a bicicleta. O aluguel de uma bike sai por US$ 10 por dia na loja da parada 2, atrás do hotel Conrad. Ao longo de toda a orla é possível pedalar com segurança. Circular de ônibus por Punta del Este também não é difícil e a passagem custa menos de US$ 1 dólar. Se você explicar para o motorista, que é também o cobrador, onde quer chegar, talvez ele até faça uma parada extra entre um ponto e outro para que você desça mais perto de seu destino.

As bikes mais estilosas do mundo


6. Vá para Maldonado
Os imóveis de Punta del Este são 50% de argentinos, 40% de brasileiros e 10% de uruguaios e outras nacionalidades. Ou seja, é uma cidade de veraneio que, no inverno, vira um lugar de caseiros e porteiros, com turistas e quase nenhum uruguaio. Para conhecer gente local, ver crianças indo à escola e famílias fazendo as compras do mês nos supermercados é preciso ir às cidades de San Carlos e Maldonado, capital do Estado de Maldonado, onde os trabalhadores moram. Dá para ir de ônibus a partir de qualquer ponto de Punta del Este. Ao contrário de Punta, nessas cidades a cultura local é respeitada e o comércio fecha para a siesta das 12h às 15h. É possível visitar o centro histórico de graça e fazer compras pela metade do preço praticado em Punta del Este.

7. Na balada, chegue antes das duas horas da manhã
Nenhuma casa noturna de Punta del Este e cidades adjacentes fica cheia antes das duas horas da manhã, seja lá qual for a estação do ano. As festas costumam começar bem depois da meia-noite e terminar às nove horas da manhã. Por isso, muitos estabelecimentos fazem promoções para os primeiros a chegar, oferecendo entrada gratuita ou cobrando apenas a consumação. A maioria das baladas fecha no inverno. Uma das poucas que está aberta todo o ano é a Ocean Club, que cobra US$ 15 na baixa e US$ 25 na alta. Em Maldonado, quem entra até as 2h00 no Gava não paga nada. Depois deste horário, paga US$ 7 de consumação. Para quem quer ousar e não gastar quase nada, há o Codepal, em Maldonado, o baile funk dos trabalhadores de Punta del Este. Ao som de reggaeton e cumbia é impossível sair de lá sozinho.

*A repórter viajou a convite do Conrad Punta del Este Resort & Casino

Veja também:
-
Punta del Este 5 estrelas
-
Montevidéu pela primeira vez

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.