Respeitar o 'dress code' e esquecer que existe internet são alguns pontos a serem observados antes de embarcar no navio

Viajar de cruzeiro  tem seu fascínio e é uma modalidade de turismo que está sendo descoberta por mais brasileiros e cultivada por um número cada vez maior de pessoas. No entanto, por mais experiente que se seja, há truques e estratégias que devem ser considerados para evitar roubadas e otimizar a experiência. O iG elaborou uma lista que deve ajudar marinheiros de primeira viagem e cruzeiristas de carteirinha a tirar o melhor de sua viagem.

- Faça um bom café-da-manhã
É a refeição mais importante do dia, diriam os nutricionistas e um café reforçado permite almoçar mais tarde. O que pode ser fundamental se o cruzeiro tiver poucas opções de restaurante para o almoço e providencial para escapar das grandes aglomerações.

- Peça o café na cabine
É um serviço gratuito e pouco divulgado. Mas atenção: é gratuito apenas durante o tempo em que o café é servido nos restaurantes do navio.

- Dê preferência a piscinas climatizadas
Se você curte uma piscina, mas não gosta de muito calor e muvuca, as piscinas climatizadas são boas opções e é possível até mesmo dispensar o uso do filtro solar sem deixar de ter a iluminação solar.

- Aproveite as cervejas importadas
Você pode até preferir uma ou outra marca nacional, mas experimente as belgas, alemãs, americanas e irlandesas. Os preços das importadas e nossas nacionais é muito próximo e vale a pena ceder à curiosidade.

- Tome banho sem medo de ser feliz
Em tempos de crise hídrica pode parecer um desatino, mas os navios dessalinizam a água que usam e, por razões óbvias, o estoque é proeminente. Pode até matar a saudade de escovar o dente com água corrente.

- Respeite os códigos
Os brasileiros ainda têm dificuldade em cumprir todos os códigos de vestuário celebrados em um cruzeiro. Se não tiver levado trajes brancos, formais ou de qualquer outro tipo previsto na programação do cruzeiro, consulte os serviços de bordo e evite situações desagradáveis. Acredite: os olhares de reprovação existem e não são poucos.

Toque de recolher
Menores não podem ficar nas áreas comuns do navio depois das 2h da manhã. É uma regra estabelecida por algumas empresas. Não é negociável e cabe aos pais cumpri-la e não questioná-la a bordo.

Sem portunhol
É comum a convergência de muitos idiomas em um cruzeiro e muitos brasileiros sentem-se perdidos. Se não falar nenhum idioma além do português, é recomendável apostar no inglês básico e na linguagem gestual em detrimento, por exemplo, do portunhol.  As chances de se fazer entender, mesmo com um interlocutor nativo em espanhol, são maiores.

Gastos no cartão de crédito
É muito cômodo e confortável pedir algo e só ter que assinar uma comanda. Lembre-se que os gastos serão debitados diretamente no cartão de crédito, sem direito a parcelamento e com a incidência do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) que acaba de ser reajustado. Prudência e bom senso são recomendáveis.

Dê preferência a uma cabine com vista para o mar para não ficar com clautrofobia
Divulgação
Dê preferência a uma cabine com vista para o mar para não ficar com clautrofobia

Cabines com vista para o mar
Evite cabines sem janela ou varanda. A sensação de claustrofobia em alto mar pode ser inesquecível para os mais sensíveis.

Esqueça o mundo
Você precisa se desligar. Até porque os pacotes de internet, que funciona via satélite, são bem caros (24h de internet chega a custar U$ 70, uma hora, U$29 e para a viagem de uma semana, U$ 350). Ainda assim a conexão é instável. Aproveite esse retiro em alto mar para repor as energias e atualize as redes sociais quando estiver em terra firme.

Improvise no roteiro
Se o cruzeiro for internacional e a cidade onde o navio for atracar, inédita, vale a pena se juntar a um grupo para desbravá-la. Dessa maneira é possível evitar o roteiro oficial oferecido pelo navio, que há cobrança à parte, e dividir as despesas. Se formar um grupo não for possível, procure pontos de informações turísticas, geralmente próximos aos portos. Ter sempre a moeda local antes de desembarcar também evita problemas e abusos.

Use sua melhor "poker face"
Todo mundo gosta de aproveitar para ganhar dinheiro com  o turista, especialmente o brasileiro, pouco discreto nos gastos em viagens internacionais. É normal apetrechos e lembrancinhas simples se inflacionarem à medida que um "brasileño" ou "brazilian" se aproxima. Especialmente em cidades portuárias como Punta del Este. Resista, negocie e, se possível, procure o item em outro lugar. Acredite: a concorrência faz milagres.

*O jornalista viajou a convite da Royal Caribbean

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.